ES-CEFOC

O ES-CEFOC – Centro de Formação Contínua e de Estudos e Sondagens da Universidade Fernando Pessoa, em funcionamento desde o ano 2000, é uma unidade orgânica que, em conformidade com o seu código deontológico, está essencialmente vocacionada para a realização de estudos de opinião e para a formação de quadros médios e superiores que exerçam funções a diferentes níveis ocupacionais e profissionais.

Presta serviços nas seguintes áreas:

Sondagens estatísticas, com os objetivos de:

  • Disponibilizar formação especializada na área da estatística aplicada a estudantes, a investigadores e a profissionais;
  • Integrar estudantes, por via de estágios profissionalizantes, em processos de formação prática de sondagens e de estudos de opinião e de mercado;
  • Prestar consultoria a investigadores e a organizações na produção de instrumentos de recolha de informações e no tratamento estatístico de bases de dados;
  • Realizar sondagens e estudos de opinião e de mercado.

Formação de quadros médios e superiores e regimes extraordinários de ingresso no ensino superior:

  • A formação de quadros médios e superiores, de iniciação ou de aprofundamento, procura fornecer aptidões para o melhor exercício profissional daqueles que estão no mercado de trabalho em diversas áreas com uma oferta permanentemente renovada e diversificada;.
  • O regime extraordinário de ingresso no ensino superior para pessoas com mais de 23 anos é precedido de preparação adequada às formações académicas, de forma a dotar os candidatos dos instrumentos cognitivos necessários à prestação de provas, e contempla o apoio personalizada na preparação da descrição biográfica e da entrevista.

ES-CEFOC
Praça 9 de Abril, 349. 4249-004 Porto
Tel. 22 507 1327
E-mail: es-cefoc@ufp.edu.pt

FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Formação Acreditada pelo Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua,
com registo: CCPFC/ACC-93438/17

SOBRE O CURSO
No final da formação, o formando deverá ser capaz de:
– A partir de uma base de dados nominal, constituir um ficheiro de tratamento e análise estatística de informação pedagógica, com vista a introduzir novos indicadores de medição do impacto de medidas pedagógicas a adoptar nas escolas, por exemplo, para alunos com necessidades de aprendizagem e para disciplinas de insucesso contínuo, como a Língua Portuguesa e a Matemática, bem como do impacto que o apoio externo à Escola pode ter na aprendizagem dos alunos.
– Sensibilizar a Escola par a dimensão sistémica e cultural do ensino.

DESTINATÁRIOS
Educadores de Infância e Professores dos Ensinos Básico e Secundário.
N.º de formandos: 12 (min) a 20 (max)

PROGRAMA
Módulo 1: Noções Fundamentais de Estatística
1.1 Estatística Descritiva
1.2 Inferência Estatística
1.3 Tipos de Variáveis
1.4 Categorias de Variáveis
Módulo 2: Práticas de Amostragem
2.1 Amostragem Representativa Probabilística
2.2 Amostragem Representativa Não Probabilística
2.3 Combinações de Situações de Amostragem
Módulo 3: Medição, Análise e Apresentação de Dados
3.1 Medição
3.2 Processamento, Análise e Apresentação Gráfica de Dados
3.3 Limitação das Análises Bivariadas e Análises Multivariadas
Módulo 4: Introdução, Codificação e Tratamento de Informação Pedagógica
4.1 Uso de Software Apropriado
4.2 Constituição de Base de Dados Nominativa de Alunos
4.3 Protecção de Dados, Interpretação Sistémica de Resultados

FORMADOR
Rui Leandro Maia – Doutorado em Sociologia. Mestre em História das Populações. Licenciado em Ciências Históricas.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horário: qua. e sex.: 18:30-21:30.
Duração: 25 horas

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
– Exposição dos conteúdos necessários ao tratamento e análise estatística de informação pedagógica;
– Recolha, introdução e sistematização de informação pedagógica por parte do participante, como sejam os registos de observação/avaliação dos alunos, por forma a constituir um único ficheiro adaptado à apresentação gráfica das variáveis, e respectivas categorias, e ao tratamento estatístico por componente de indicadores;
– Tratamento e análise de informação pedagógica, utilizando software apropriado em estatística: constituição de uma base de dados comum, projecção dos dados e análise de inferências, percepção da existência de eventuais relações entre variáveis pedagógicas e outras, como as de natureza sócio-demográfica, familiar e cultural.
Avaliação
Avaliação contínua, através da realização de um trabalho prático e da apresentação de um relatório final, com atribuição de classificação. A conclusão com aproveitamento e a emissão de certificado de participação implicam a frequência de um mínimo de 70% das horas totais do Curso.
Certificação
No final da formação, será atribuído um Certificado de Participação com 1 crédito, aos formandos que concluírem o Curso com aproveitamento e que respeitarem o limite máximo de faltas de 30% das horas totais do Curso, e com classificação quantitativa (numa escala de 0 a 10 valores) e qualitativa (oscilando entre o insuficiente e o excelente), em correspondência com os termos de orientação conjunta CCPFC/DGRHE (Carta Circular CCPFC 3/2007).

Para os efeitos previstos no número 1 do artigo 8º do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente acção releva para efeitos de progressão na carreira de Educadores de Infância e de Professores dos Ensinos Básico e Secundário.Para efeitos do artigo 9º do Regime Jurídico da Formação Contínua de professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para a progressão em carreira.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 150€
Certificado: custo adicional de 5€

Parceria entre a Universidade Fernando Pessoa e a Associação Nacional de Professores

SOBRE O CURSO
A formação pretende passar conceitos fundamentais sobre direitos de autor e domínio publico a todos os profissionais, adiante identificados, que, no seu quotidiano, se debatem com a necessidade de utilização corrente de recursos sujeitos a propriedade intelectual.
A pertinência da formação é ampliada pela existência de múltiplos meios de depósito de consulta e de utilização de informações que são pertença de terceiros, sejam indivíduos ou entidades, e que estão por isso sujeitos a regulação.
É de grande utilidade o domínio dos conceitos a passar, com exemplos práticos, porque, não raras vezes, de forma involuntária, são os próprios profissionais a não cumprirem os preceitos, designadamente inscritos no Código do Direito de Autor.

DESTINATÁRIOS
Professores Bibliotecários; Bibliotecários Municipais; Bibliotecários de outras entidades e equipas coadjutoras; Editores e equipas coadjutoras; Autores de manuais escolares; Editores de imagem, de texto e de som.
N.º mínimo de formandos: 25

PROGRAMA
Módulo 1: O Direito de Autor nos textos constitucionais e legislativos
1.1. A Constituição da Republica Portuguesa de 1976
1.2.  O Código Civil
1.2.1. Estrutura e Natureza do Direito de Autor
1.2.2. Conteúdo e características dos Direitos de Autor
1.2.3. Os Direitos Pessoais
1.3. Decreto-Lei n.º 63/85, de 14 de Março
Módulo 2: A constituição do Direito de Autor
2.1. Liberdade constitucional de criação cultural e Direito de Autor
2.2. A criação de obra intelectual como ação
Módulo 3: Autoria e titularidade originária do Direito de Autor
3.1. Autoria de obra intelectual
3.2. Autoria e paternidade da obra
3.3. A autoria e a estruturação da situação jurídica originária do Direito de Autor
Módulo 4: A criação plural
4.1. Obras em colaboração, obra colectiva e conexão de obras: noções
4.2. A obra coletiva
Módulo 5: O objecto do Direito de Autor – a obra intelectual
5.1. O objecto do Direito de Autor
5.2. Obra intelectual e suporte material da obra
5.3. Protecção do título da obra
5.4. Obras equiparadas a originais
5.5. As bases de dados e os programas de computador
5.6. As obras não protegidas
Módulo 6: Conteúdo do Direito de Autor
6.1.  Titularidade, características e exercício das faculdades pessoais de autor
6.2.  Violação dos direitos pessoais
Módulo 7: Contratos de Direito de Autor
7.1.  A criação de obra intelectual em cumprimento de contrato
7.2.  Contrato de Direito de Autor em especial
Módulo 8: A estrutura do Direito de Autor no Ordenamento Jurídico Português
8.1.  Princípios estruturantes do Direito de Autor
8.2.  Natureza dos Direitos integrados no Direito de Autor
Módulo 9: Direitos Conexos
9.1.  Noção e conceito de direitos conexos
9.2.  Violação dos direitos conexos
Módulo 10: A reprodução de uma obra e plágio.
10.1. A contrafacção de uma obra intelectual
10.2. O autoplágio

FORMADOR
Rita Rola – Doutora em Direito Público – Menores em Situações Desprotegidas e Conflito Social.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horário: sáb.: 10:00-13:00 e 14:30-17:30.
Duração6 horas

METODOLOGIA E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Expositiva e de exploração de casos práticos.
Certificação
A ação terá certificação interna, UFP – ES-CEFOC, e certificação externa para docentes, nos termos seguintes: Ação temática, para docentes, de curta duração, de cariz científico e pedagógico, com duração de 6 horas, conforme despacho n.º 5741/2015, de 30 de maio.

Informação:
(i) A participação nas ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total de horas de formação obrigatórias (Art. 3.º).
(ii) A competência para o reconhecimento das ações é da Universidade Fernando Pessoa, através do seu Centro de Formação Contínua – ES-CEFOC.
(iii) O reconhecimento decorre da apresentação do requerimento dos interessados ao ES-CEFOC, acompanhado de documento comprovativo de presença e do programa temático da ação realizada.
(iv) O reconhecimento requer a verificação das seguintes condições:
1. A existência de relação direta, científica ou pedagógica com o exercício profissional; manifestação de rigor e qualidade científica e pedagógica; sejam asseguradas por formadores que, no mínimo, tenha o grau de Mestre.
2. O reconhecimento das ações de curta direção só pode ocorrer uma única vez na mesma ação, independentemente do formador, local ou ano de realização.
3. Não são reconhecidas ações de curta duração que se relacionem ou insiram em qualquer tipo de companha promocional ou publicitária.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 25€, incluindo emissão de certificado
A formação é gratuita para associados ANP – Associação Nacional de Professores, tendo, nesse caso, a emissão de Certificado um custo de 5€.

SOBRE O CURSO
A formação visa dotar futuros profissionais da Psicologia de competências para lidar/intervir em situações difíceis em consulta, de forma a maximizar a eficácia das suas respostas, nomeadamente, ser capaz de:
– Identificar situações difíceis nas diferentes etapas de consulta – início do processo, avaliação e implementação da intervenção
– Identificar situações difíceis associadas à relação psicólogo-cliente
– Identificar situações que interferem com o desenvolvimento das sessões
– Identificar outras situações difíceis
– Conhecer estratégias de intervenção para ultrapassar situações difíceis específicas em consulta
– Desenvolver competências que permitam elaborar e implementar estratégias para lidar com situações difíceis em consulta.

DESTINATÁRIOS
Alunos do 1º e 2º ciclos em Psicologia; psicólogos que tenham terminado o 2º Ciclo em Psicologia há dois ou menos anos ou que, tendo formação académica, não exercem. Psicólogos em exercício nos estabelecimentos de ensino dos subsistemas público e privado.
N.º mínimo de formandos: 10

PROGRAMA
Módulo 1: Problemas no início da consulta e na avaliação
Módulo 2: Problemas na aplicação da intervenção
Módulo 3: Problemas associadas à relação psicólogo-cliente
Módulo 4: Situações que interferem com o desenvolvimento das sessões
Módulo 5: Outras situações difíceis

FORMADOR
Isabel Silva – Doutora em Psicologia. Licenciada em Psicologia. Docente da UFP.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horário: ter. a sex.: 9:30-13:30.
Duração: Horas de contacto: 15 horas (acrescidas de 25 horas de trabalho autónomo).

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Expositiva e de exploração de casos práticos.
Avaliação
Avaliação contínua.
Avaliação final, por meio de construção de portefólio.
Certificação
No final da ação, os formandos que concluírem o curso com aproveitamento receberão um Certificado de Formação da UFP, com 2 ECTS.

A ação terá também certificação externa para docentes, nos termos seguintes:
Ação temática, para docentes, de curta duração, de cariz científico e pedagógico, com duração de 6 horas, conforme despacho n.º 5741/2015, de 30 de maio.

Informação:
(i) A participação nas ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total de horas de formação obrigatórias (Art. 3.º).
(ii) A competência para o reconhecimento das ações é da Universidade Fernando Pessoa, através do seu Centro de Formação Contínua – ES-CEFOC.
(iii) O reconhecimento decorre da apresentação do requerimento dos interessados ao ES-CEFOC, acompanhado de documento comprovativo de presença e do programa temático da ação realizada.
(iv) O reconhecimento requer a verificação das seguintes condições:
1. A existência de relação direta, científica ou pedagógica com o exercício profissional; manifestação de rigor e qualidade científica e pedagógica; sejam asseguradas por formadores que, no mínimo, tenha o grau de Mestre.
2. O reconhecimento das ações de curta direção só pode ocorrer uma única vez na mesma ação, independentemente do formador, local ou ano de realização.
3. Não são reconhecidas ações de curta duração que se relacionem ou insiram em qualquer tipo de companha promocional ou publicitária.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 75€
Regime específico: 60€ (alunos, ex-alunos da UFP e representantes de entidades protocolodas com a UFP) Certificado: custo adicional de 5€.

Pagamento a pronto ou em até três prestações.

SOBRE O CURSO
Através dos registos paroquiais (batismo, casamento e óbito) pretende-se criar uma base de dados a partir da qual se possam conhecer percursos de vida de indivíduos e comportamentos sociodemográficos em longa duração.
Obtém-se, desse modo, resultados sobre a evolução das variáveis microdemográficas, os quais, em confronto com outras fontes nominativas (róis de confessados, testamentos, livros de visitação) e com outras fontes e técnicas consentâneas com as abordagens antropológica e sociológica, permitirão aos formandos adquirir conhecimentos fundamentais sobre formas de construção de saber em Ciências Sociais e, em particular, em Demografia Histórica.
A acção dará, portanto, uma formação teórica e conceptual sólida e uma formação metodológica adequada, para que os formandos possam, posteriormente, introduzir no seu quotidiano o ensino experimental neste domínio.

DESTINATÁRIOS
Este curso destina-se aos professores dos grupos 200, 300, 400, 410, 420, 430 e 600 e ainda, pela dimensão formativa que apresenta em matéria de currículo paralelo e de disponibilização de recursos abundantemente disponíveis em linha, a professores bibliotecários.
N.º formandos: 10 (min) a 20 (max)

PROGRAMA
Módulo I – Demografia e Demografia Histórica
1.1 Âmbitos da Demografia e da Demografia Histórica
1.2 Fontes: Potencialidades e Limitações
1.3 Fontes da Demografia Histórica
1.4 A Especificidade da Demografia Histórica: Métodos
1.5 Os Contributos da Demografia Histórica para o Conhecimento dos Comportamentos Demográficos
1.6 A Demografia Histórica na Perspectiva Multidisciplinar
Módulo II – As Abordagens em Demografia Histórica
2.1 Nupcialidade
2.2 Fecundidade
2.3 Mobilidade
2.4 MortalidadeMódulo III – Aspectos Globais da População Portuguesa
3.1 O que sobre o para o Antigo Regime?
3.2 Algumas perspectivas de continuidade
3.3 Estudos paradigmáticos

FORMADOR
Rui Leandro Maia – Doutor em Sociologia. Mestre em História das Populações. Licenciado em Ciências Históricas.

DURAÇÃO
25 horas

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Os capítulos I, II e II serão de âmbito teórico-prático e visam, essencialmente, dar a conhecer conceitos fundamentais de Demografia Histórica e, bem assim, o estado de conhecimentos e as perspectivas em desenvolvimento.
Avaliação
A avaliação será contínua e será feita através de um trabalho individual escrito a realizar ao longo do curso e a incluir prestação individual por apresentação de relatório com defesa oral.
Certificação
No final da formação, será atribuído um Certificado de Participação com 1 crédito, aos formandos que concluírem o Curso com aproveitamento e que respeitarem o limite máximo de faltas de 30% das horas totais do Curso, e com classificação quantitativa (numa escala de 0 a 10 valores) e qualitativa (oscilando entre o insuficiente e o excelente), em correspondência com os termos de orientação conjunta CCPFC/DGRHE (Carta Circular CCPFC 3/2007).

Para efeitos de aplicação do n.º 3 do artigo 14º do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente acção releva para a progressão em carreira de Professores dos Grupos 200, 300, 400, 410, 420, 430 e 600.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 115€
Regime específico: 90€ (entidades protocolodas com a UFP neste âmbito de formação)
Certificado: custo adicional de 5€.

FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SOBRE O CURSO
No final da ação, os formandos deverão ser capazes de conhecer a legislação e as principais normas do regulamento no âmbito de proteção de dados pessoais, com vista a, nomeadamente:

  • Saber evitar situações de ilegalidade nas empresas e outras instituições, através de situações do dia a dia;
  • Perceber a importância e os mecanismos que o regulamento institui para a proteção de dados e como atende-los;
  • Conhecer os principais conceitos e boas práticas visando a proteção de dados e sua privacidade;
  • Entender que o direito ao esquecimento, não lhe obriga a excluir a informação do pessoa de seus registos, lembre-se que há leis sobre retenção de dados que devem ser respeitadas;
  • Entender quem é o Encarregado de Proteção de Dados e qual o seu papel no dia a dia.

DESTINATÁRIOS
A formação destina-se a todas as pessoas que trabalhem com dados pessoais, tanto do mercado privado, quanto do mercado público. Que atuem ou possuam relacionamento com empresas europeias no que tange tratamento de dados pessoais e que precisem compreender os requisitos legais exigidos pelo novo Regulamento Geral de Proteção de Dados, também conhecer quais os impactos/mudanças terão de ser feitos no dia a dia para estarem aderentes do RGPD.
N.º Mínimo de formandos: 10

PROGRAMA
Conhecimentos gerais
– O que é o RGPD;

– O que são dados pessoais;
– Quais os tipos de tratamento de dados;
– Como e a quem se aplica;
– Responsabilidade do responsável pelo tratamento de dados;
– Encarregado de Proteção de Dados (DPO).
Módulo 1 – Visão técnica:
– O que é e como ele impacta meu dia a dia;

– O que tenho que mudar para estar aderente ao regulamento;
– Quem é o EPD (Encarregado de proteção de dados).
Módulo 2 – Visão de negócios:
– Como me relacionarei com meus fornecedores e parceiros?

– O que muda em relação aos meus colaboradores?
– Quais processos preciso redesenhar?
– Como isto se aplica a minha atual política de segurança da informação;
– Quem é o EPD (Encarregado de proteção de dados).
Módulo 3 – Visão Executiva:
– Tenho que estar preparado para que?

– Como posso apoiar o projeto?
– Como acompanhar?
– Como mostrar ao mercado que estou aderente?
– Quem é o EPD (Encarregado de proteção de dados)? Sou obrigado a tê-lo?

FORMADOR
Valdeone Santos, é consultor Arquiteto de Soluções em segurança da informação e tecnologia da informação, Gerente de projetos pelo PMI, sócio fundador da SETI, uma empresa especializada em soluções na área de informática. Tendo desenvolvido sua carreira toda no Brasil, e tendo implementado política de segurança e processos em todas as prestadoras de telefonia móveis e fixas do Brasil. Atuou na Oracle do Brasil, como Arquiteto de Soluções provendo serviços de segurança para as maiores instituições financeiras do Brasil.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Aulas presenciais: sex.: 19:00-22:00 e sáb.: 10:00-13:00 e 14:00-17:00, UFP – Porto
Duração: 30 horas: 18 horas presenciais + 12 horas virtuais

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Curso decorre durante 3 encontros com duração de  6 horas cada.
Todas as atividades serão disponibilizadas apenas após a conclusão da atividade anterior.
Cada módulo é teórico-prático e contém diversos conteúdos (PDF para leitura complementar ao curso, e-Learning com SCORM, apresentações powerpoint, vídeos complementares, fóruns de debate, etc.). Todos os módulos possuem elementos de avaliação.
Além da sessão de esclarecimento de dúvidas em cada sessão presencial, o formador estará online com todos os formandos durante os eventos de e-learning. O formando poderá sempre entrar em contato com o formador, através de e-mail ou através da própria plataforma.
Avaliação
Ao final de cada módulo, será realizado uma avaliação diagnóstica (verdadeiro, falso ou múltipla escolha) e a avaliação formativa (participação do formando em sala).
Certificação
A conclusão da formação confere certificado.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 110€
Regime Específico: 90€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP)
Certificado: custo adicional de 5€

SOBRE O CURSO
No final da acção, os formandos deverão ser capazes de:
– Avaliar as dificuldades apresentadas à demanda com deficiência visual
– Analisar, debater e refletir sobre as legislações dos países lusófonos em relação ao tema
– Questionar a atuação dos Estados em prol do respectivo direito

DESTINATÁRIOS
Pedagogos, Assistentes Sociais, Advogados, aos profissionais, docentes ou discentes da área da educação, bem como à população com interesse voltado ao tema.
N.º de formandos: 10 (min) a 150 (max)

PROGRAMA
Módulo 1: Educação como Direito para as Pessoas com Deficiência Visual
1.1 Pessoas com Deficiência: Questões Terminológicas
1.2 Legislação referente à Proteção de Direitos
1.3 Garantia de Acessibilidade aos Deficientes Visuais
1.4 Proteção para as Pessoas com Deficiência Visual nas Legislações e Brasileiras e Internacionais
Módulo 2: Ações Estatais, da Sociedade Civil e das Organizações Não Governamentais dos Países Lusófonos em Prol das Pessoas com Deficiência Visual
2.1 Angola
2.2 Brasil
2.3 Cabo Verde
2.4 Guiné-Bissau
2.5 Guiné-Equatorial
2.6 Moçambique
2.7 Portugal
2.8 São Tomé e Príncipe
2.9 Timor Leste

FORMADOR
Denyse Moreira Guedes é Pós-Doutorada em Ciências Humanas e Sociais – Estudo das Minorias/Serviço Social, pela UFP, Porto – Portugal; Doutorada em Direito Ambiental Internacional, pela UNISANTOS, Santos – Brasil; Mestre em Saúde Coletiva, pela UNISANTOS, Santos – Brasil; Especialista em Direito Penal, pela FMU-SP, São Paulo – Brasil; Advogada – Universidade São Marcos, São Paulo – Brasil; Assistente Social – PUC-SP, São Paulo – Brasil.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horários
Módulo 1 (4 semanas): de 04 a 25 de junho de 2018
Aula síncrona a 18 de junho, às 16:00 – Portugal (13:00 – Brasil).
Módulo 2 (5 semanas): de 02 a 30 de julho de 2018
Aula síncrona a 16 de julho, às 16:00 de Portugal (13:00 – Brasil).
Duração: 20 horas

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
O curso será lecionado integralmente a distância, com disponibilização de exercícios avaliativos, auto-corrigíveis e fóruns.
Avaliação
No final do curso, haverá uma avaliação de múltipla escolha, auto-corrigível.
Certificação
No final da ação, os formandos que concluírem o curso com aproveitamento, após a aprovação a um mínimo de 75% dos exercícios avaliativos, receberão um certificado de formação da UFP.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 70€
Regime Específico: 55€
Certificado: custo adicional de 5€

a iniciar a 15 de junho de 2018

SOBRE O CURSO
Esta especialização visa proporcionar conhecimentos e competências relacionadas com as Ferramentas de Projeto e SCIE, com vista à obtenção do certificado de Projectista de SCIE para as 3ª e 4ª Categorias de Risco, constituindo-se os seus conteúdos nos exigidos pela ANPC para este efeito.

DESTINATÁRIOS
Engenheiros Civis e Arquitetos.
N.º de formandos: 12(min) a 16(max)

PROGRAMA
Módulo 1 : Ferramentas de Projeto

  • AUTOCAD
    • Criação de projectos 2D
    • Gestão de desenhos
    • Entidades 2D
    • Blocos Internos, externos e dinâmicos
    • Cotagens
    • Diversos
    • Impressão
  • Sinalização de segurança
    • Princípios gerais e características técnicas
    • Enquadramento Legal e Normativo
    • Safety Way Guidance Systems (SWGS)
      • Sinalização ao nível superior
      • Sinalização ao nível Intermédio
      • Sinalização ao nível do solo
    • Sinalux Project
      • Introdução ao Sinalux Project
      • Elaboração de projetos de sinalização de segurança
      • Orçamentação (mapa de custos e quantidades)
      • Memórias descritivas

Módulo 2: Técnicas de Projeto Aplicado a SCIE

  • Enquadramento Legal do RJSCI (DL 224/2015)
  • Credenciação de Entidades para Emissão de Pareceres, realização de Vistorias e Inspecções (Portaria 64/2009)
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Objecto e Definições
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Caracterização Do Risco de Incêndio das Utilizações
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Condições Exteriores Comuns
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Condições Gerais de Comportamento do Fogo, Isolamento e Protecção
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Evacuação
  • Estudo de Caso das Medidas Passivas

Módulo 3: Segurança Aplicada a Incêndios em Edifícios 

  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Instalações Técnicas
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Condições Gerais Dos Equipamentos e Sistemas de Segurança
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Controlo de Fumo
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Meios de Intervenção
  • Estudo de Caso com os sistemas e equipamentos
  • Visita de Estudo – Infraestruturas de Segurança
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Condições Gerais de Autoprotecção
  • Estudo de Caso
  • Aspectos Complementares
  • Visita de Estudo – Medidas de Auto-Protecção
  • RTSCIE (Portaria 1532/2008) – Projecto
  • Avaliação

COORDENADOR E FORMADORES
Coordenação:
Miguel Corticeiro Neves. Doutoramento em Saúde, Higiene e segurança no Trabalho. Autor de Projectos habilitado e reconhecido pela ANPC (requisito para a integração da certificação em Projectista de SCIE para as 3ª e 4ª Categorias de Risco).
Formadores da UFP e formadores autorizados pela ANPC:
Miguel Corticeiro Neves
Elisabete Cordeiro
Leça Coelho
Mário Grilo
Carlos Fernandes

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horários: De 15 de junho a 24 de novembro de 2018 | qui. e sex.: 18:00-22:00 e sáb.: 9:00-17:00, nas instalações da UFP, Porto.
Duração:
Módulo 1: 60 horas de contacto + 90 horas de trabalho individual
Módulo 2: 64 horas de contacto + 90 horas de trabalho individual
Módulo 3: 64 horas de contacto + 90 horas de trabalho individual

CERTIFICAÇÃO
Certificado da UFP com atribuição de 18 ECTS.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Pagamento direto no ES-CEFOC reservado apenas a 2 alunos da UFP, por ordem de chegada.
Especialização assistida na íntegra (3 módulos):
Regime Geral: 1800€
Regime Específico: 1530€ (aplicável a alunos da UFP, membros da OET, assinantes da Revista Segurança e membros de entidades protocoladas com o CIFESP)
Especialização assistida apenas na componente de SCIE (módulos 2 e 3):
Este regime aplica-se a formandos que apresentem comprovativo de possuírem formação equivalente convalidável em AutoCad. A convalidação tem um custo adicional de 25€.
Regime Geral: 1200€
Regime Específico: 1000€ (aplicável a alunos da UFP, membros da OET, assinantes da Revista Segurança e membros de entidades protocoladas com o CIFESP).

início a 18 de junho de 2018

SOBRE O CURSO
Sensibilizar o formando para os principais aspetos relacionados com a atividade de avaliação imobiliária. Dar a conhecer os conceitos ligados à avaliação imobiliária, tipos de imóveis a avaliar, os vários métodos de avaliação, e a aplicabilidade de cada um deles. No final da formação o formando deverá ter adquirido as competências necessárias para proceder à avaliação dos imóveis mais comuns – apartamentos, moradias, estabelecimentos comerciais, edifícios industriais, etc.
Como temas complementares, dá-se especial atenção às avaliações de âmbito fiscal e a métodos avançados de avaliação imobiliária – método do Cash-Flow.
Este curso foi considerado relevante pelo InCI (Instituto da Construção e do Imobiliário), para efeitos da revalidação da licença do exercício da respectiva atividade de mediador imobiliário, de acordo com previsto no Artº9 da Portaria 1326/2004 de 19 de Outubro (Artigos 4º e 9º). Deste modo, este curso pode ser frequentado para efeitos de formação contínua.
O curso não permite a inscrição na CMVM. Pretende apenas dar aos formandos as noções básicas de avaliação imobiliária, introduzindo, nomeadamente, os 3 principais métodos de avaliação: método comparativo ou de mercado, método do custo e método do rendimento.

DESTINATÁRIOS
Engenheiros, arquitetos, mediadores imobiliários e, de uma maneira geral, todos os intervenientes no sector imobiliário que se pretendam iniciar na área da avaliação imobiliária e nos temas complementares propostos.
Podem também frequentar este curso mediadores imobiliários que pretendem revalidar a licença do exercício da respectiva atividade de mediador imobiliário.
N.º de formandos: 12(min) a 20(max)

PROGRAMA
Módulo 1: Generalidades sobre avaliações imobiliárias
Módulo 2: As áreas que interessam às avaliações imobiliárias e a sua medição
Módulo 3: Os métodos tradicionais de avaliação – mercado, custo e rendimento
Módulo 4: Avaliações de âmbito fiscal
Módulo 5: Introdução a métodos avançados de avaliação imobiliária – Método do Cash-Flow

COORDENADOR E FORMADOR
Coordenador
Miguel Ferreira. Mestre em Construção de Edifícios e Doutor em Engenharia Civil

Formador
José Pimentel. Licenciado em Engenharia Civil e formador certificado pela CMVM – Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horários: 18, 20, 22, 25, 27, 29 de junho, 02, 04, 06 e 09 de julho de 2018
seg., qua., sex.: 18:00-21:00, nas instalações da UFP, Porto.
Duração: 30 horas

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Versão Presencial:

– Aulas teórico-práticas, em sala de aula e com recurso a projeção.
– A exposição do conteúdo teórico será realizada conjuntamente com a execução de exemplos práticos que servirão de corpo à formação, para que os formandos possam acompanhar casos reais.
–  Material de Apoio: serão fornecidos apontamentos de apoio às aulas, em suporte papel e suporte digital (PDF) com as bases teóricas, os exemplos de aplicação e a legislação essencial aos vários temas abordados.
Versão E-learning:
As aulas serão desenvolvidas pela conjugação de procedimentos caraterizados pela interação direta, as sessões síncronas com uso de tecnologia de áudio e vídeo, pela interação indireta, as sessões assíncronas com uso de comunicação escrita em plataforma virtual (http://uv.ufp.pt/), e pela valorização da dimensão formativa, ao longo de todo o processo de aprendizagem, através do estabelecimento da comunicação entre intervenientes, formador-formandos, susceptível, no limite, produzir feedbacks corretivos que garantam a verificação das aprendizagens e das competências.
Avaliação
Trabalho individual consistindo na elaboração de um relatório de avaliação de um imóvel à escolha do formando.
Certificação
No final da formação, será atribuído um Certificado de Formação da UFP aos formandos que concluírem o Curso com aproveitamento, creditando-se 2 ECTS (30 horas de contacto e 20 horas de trabalho individual). O aproveitamento fica condicionado à obtenção de nota positiva no trabalho prático e à frequência de, pelo menos, 75% das horas de formação. Caso o formando pretenda que o Curso seja utilizado para efeitos de formação contínua necessária para a revalidação da licença do exercício da atividade de Mediador Imobiliário, terá de frequentar 100% das aulas. O curso não permite a inscrição na CMVM.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 160€
Regime Específico: 145€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP).
Certificado: custo adicional de 5€

início junho de 2018

SOBRE O CURSO
No final da ação, os formandos serão capazes de:
– Analisar as diferentes peças do projeto e efetuar as medições de acordo com as regras vigentes;
– Realizar orçamentos, autos de medição e faturação.

DESTINATÁRIOS
Ativos com necessidade de reciclagem nesta área; Jovens com 12º ano, pré-universitários; Universitários.
N.º de formandos: 10 (min.)

PROGRAMA
Módulo 1: Medições
1.1. Objectivos das medições; Princípios de base; Condições; Regras de base
1.2. A medição na empresa de construção; Local de execução da obra
1.3. Estaleiro: Rubricas a considerar
1.4. Trabalhos preparatórios
1.5. Demolições
1.6. Movimentos de terras: Regras de medição e métodos utilizados
1.7. Betão armado: Regras de medição
1.8. Alvenarias
1.9. Cantarias
1.10. Carpintarias; Serralharias; Portas e janelas em plástico
1.11. Isolamentos e impermeabilizações
1.12. Revestimentos
1.13. Pinturas e Acabamentos
1.14. Canalizações
1.15. Arranjos exteriores: Pavimentos e drenagens exteriores
Módulo 2: Orçamentos
2.1. Introdução; Rendimentos; Custos diretos
2.2. Fichas de preços compostos
2.3. Custos de equipamentos
2.4. Custo de estaleiros
2.5. Custos indiretos
2.6. Preço de venda de uma obra
2.7. Revisão do orçamento
2.8. Faturação e autos de medição

COORDENADOR E FORMADOR
Coordenador
Miguel Ferreira. Mestre em Construção de Edifícios e Doutor em Engenharia Civil

Formador
Carlos Rocha. Pós-Graduação em Gestão de Empresas, Licenciatura (pré-Bolonha) em Engenharia Civil

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horário: seg., qua., sex.: 18:00-22:00, nas instalações da UFP, Porto
Duração: 56 horas de contacto + 22 horas de trabalho individual

METODOLOGIA E CERTIFICAÇÃO
A exposição do conteúdo teórico será realizada conjuntamente com a execução de exemplos práticos que servirão de corpo à formação, para que os formandos possam acompanhar casos reais. Os Formandos registarão os dados das medições, dos preços compostos e dos orçamentos em folhas auxiliares preparadas para o efeito, que lhes permitirá sistematizar a introdução de dados nas folhas de cálculo a utilizar.
Será fornecido a cada formando(a) o seguinte material: legislação adequada, folhas auxiliares em formato PDF e folhas de cálculo em formato Excel.
Certificação
No final da formação, será atribuído um Certificado de Formação da UFP aos alunos que respeitarem as seguintes condições: frequência em 90% das horas de contacto e execução de todos os trabalhos solicitados.
Cumpridos os requisitos definidos para obtenção da aprovação nos dois módulos do Curso, serão creditados 3 ECTS, equivalentes a 56 horas de contacto + 22 horas de trabalho individual.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 170€
Regime Específico: 150€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP).
Certificado: custo adicional de 5€

início junho de 2018

SOBRE O CURSO
A estrutura do curso apresenta uma metodologia de elaboração de projecto, que pretende servir de referência para as boas práticas de utilização do CypeCAD, no que se refere ao cálculo das seguintes Especialidades que podem compor um edifício :
1. Rede de Abastecimento de Águas Quente e Fria;
2. Rede de Drenagem de Águas Residuais;
3. Drenagem de Águas Pluviais, incluindo :
3.1 Drenagem Periférica de Águas em Edifícios, para Defesa de Fundações;
3.2 Drenagem de Águas de Caves;
3.3 Drenagem de Água de Cisternas de Abastecimento;
3.4 Drenagem de Água de Cisternas de Incêndio;
3.5 Drenagem de Águas Provenientes de Dispositivos de Incêndio (Sprinklers e Bias);
4. Redes de Combate ao Incêndio (Sprinklers e Bias);
5. Redes de Abastecimento de Gás.

Na conclusão da ação, os formandos estarão aptos a realizar a introdução de dados, incluindo as necessárias peças desenhadas da estrutura de um edifício em conceito tradicional de AutoCAD ou em BIM, bem como efectuar a análise crítica e o tratamento dos resultados do cálculo fornecidos pelo programa, tanto em peças escritas como em peças desenhadas.

Assim, após a finalização do curso, os formandos estarão aptos a realizar as seguintes actividades, no programa de cálculo CypeCAD, nos módulos:
1. CypeCAD – Redes de águas, residuais e pluviais Clássico;
2. CypeCAD MEP – Contra Incêndios: Sprinklers; Bias; Águas, Residuais e Pluviais; Gás.
· Analisar o edifício.
· Identificar os dados de entrada nos vários módulos e Especialidades.
· Identificar as opções dos módulos do programa.
· Identificar as opções de cálculo.
· Identificar os resultados do cálculo.
· Identificar as opções para personalização dos resultados do cálculo.
· Identificar as opções para obtenção de peças escritas e desenhadas.
· Identificar a opção para efectuar cópias de segurança.

DESTINATÁRIOS E REQUISITOS PARA INSCRIÇÃO
Engenheiros civis, engenheiros mecânicos, engenheiros técnicos civis, engenheiros técnicos mecânicos,
alunos de cursos superiores de engenharia civil ou mecânica e outros profissionais com conhecimentos base e competências em mecânica dos fluídos.
N.º Máximo de formandos: 12

Requisitos Indispensáveis para Inscrição
1. O pagamento deve ser efectuado até 3 dias antes do início da formação, acompanhado dos seguintes documentos:

– Ficha de pré-inscrição (no final desta página)
– Comprovativo de cópia do documento de identificação;
– Cópia do cartão de Contribuinte;
– Cópia do certificado de Habilitações Literárias.
2.  Preenchimento de formulário de pedido de autorização para utilização do CYPE
O ES_CEFOC reenvia um link , da TOP Informáticaentidade credenciadora do software CYPE, para os formandos acederem e para através deste preencherem o formulário de pedido de autorização para utilização do CYPE. Antes da realização do curso, a Top Informática fornece aos formandos as licenças solicitadas.

3. Requisitos de Material a Trazer pelo Formando:
– Computador Portátil para instalação do CYPE (protocolo TOP/UFP);
– Material digitalizado fornecido na primeira aula;
– Máquina de calcular;
– Regulamentação Nacional aplicável.

PROGRAMA
Módulo 1: Análise geral do edifício.
Módulo 2: Metodologias utilizadas para a introdução da arquitectura no programa CypeCAD, com recurso a projectos elaborados em AutoCAD e em conceito BIM.
Módulo 3: Identificação dos dados de entrada.
Módulo 4: Descrição e exemplificação das funcionalidades através da introdução dos dados.
Módulo 5: Análise e modificação das opções de cálculo.
Módulo 6: Análise dos resultados.
Módulo 7: Personalização das secções das tubagens a utilizar.
Módulo 8: Configurações para obtenção de peças escritas e desenhadas.
Módulo 9: Cópias de segurança.

COORDENADOR E FORMADOR
Coordenador: Miguel Ferreira. Mestre em Construção de Edifícios e Doutor em Engenharia Civil
Formador: Áureo Gonçalves, Mestre em Ciências da Construção

HORÁRIO E DURAÇÃO
Aulas presenciais: sáb.: 09:30-13:00 e 14:00-18:30, nas instalações da UFP – Porto
Duração: 16 horas

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Demonstrativa/Expositiva em data-show com recurso ao Software CypeCAD.
Simulação por parte do formando na resolução de problemas concretos em computador.
Material de apoio fornecido a cada formando(a):
– Digitalização do projecto completo (plantas, alçados e cortes) em AutoCAD, do caso de estudo em questão.
– Manual CYPECAD digitalizado.
Certificação
Existindo assiduidade total nas sessões de formação e nota positiva no trabalho apresentado será passado aos formandos um Certificado de Formação da UFP, com 1 ECTS (16 horas de contacto e 10 horas de trabalho individual).

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 125€
Regime Específico: 100€ (aplicável a alunos da UFP)
Certificado: custo adicional de 5€

início junho de 2018

SOBRE O CURSO
No final da ação, os formandos deverão ser capazes de:
• Comunicar oralmente e por escrito em inglês;
• Identificar e compreender mensagens produzidas em inglês;
• Utilizar a língua inglesa num conjunto de situações socioprofissionais, bem como no acesso ao conhecimento.

DESTINATÁRIOS
Todos os que queiram melhorar ou relembrar a língua inglesa.
N.º Mínimo de formandos: 10

PROGRAMA
Módulo I
1.1  Apresentações, cumprimentar;
1.2  Falar ao telefone, pedir e dar informações;
1.3  Rotina diária
Módulo II
2.1 Almoços de negócios, falar sobre comida;
2.2 Diálogos no restaurante;
2.3 Conferências, comparar centros de conferências;
2.4 Falar sobre habilidades, escrever uma carta de candidatura;
2.5 Falar sobre o passado, perguntar e responder questões sobre a história da companhia.
Gramática:
Pronomes pessoais; Verbos “be” e “have”; “Present Simple”; Advérbios de frequência; palavras compostas; Interrogativa;there is/there arehave gotcan/can´t; was/were Past Simple;

FORMADOR
Maria Paula Reis. Mestre em Literatura Comparada, Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas: Alemão/Inglês pela Universidade do Porto.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Aulas presenciais: Ter. e sex.: 18:00-20:00, nas instalações da UFP, Porto
Duração20 horas letivas + 5 horas de trabalho individual (e plataforma de e-learning)

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Expositiva; Interrogativa; Demonstrativa; Ativa.
Avaliação
Avaliação Contínua.
Os resultados serão atribuídos, à semelhança do que acontece no sistema de ensino britânico, da seguinte forma:
A – 20 a 18 valores
B – 17 a 15 valores
C – 14 a 12 valores
D – 11 a 10 valores
Certificação
No final da formação, os formandos que tenham concluído a formação com aproveitamento e que respeitem o limite de faltas de 20%, receberão um Certificado de Formação UFP.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 100€
Regime Específico: 90€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP)
Certificado: custo adicional de 5€

início junho de 2018

SOBRE O CURSO
Esta ação pretende difundir conhecimentos gerais de Primeiros Socorros. Os formandos no final da ação, devem conhecer e serem capazes de executar técnicas simples de socorro que visem o não agravamento da situação numa vítima de acidente ou de doença súbita. Para além destas medidas gerais os formandos no final da ação deverão conhecer os principais riscos e adotar medidas de protecção e alerta.

DESTINATÁRIOS
Este curso é destinado à população em geral, incluindo empresas, escolas com necessidades formativas elementares em primeiros socorros no âmbito da Segurança e Higiene no Trabalho.
Os formandos devem apresentar-se com roupas práticas em todas as aulas.
N.º Máximo de formandos: 12

PROGRAMA
Módulo 1: Apresentação do formador e dos formandos
1.1 Objetivos do curso
1.2 Sistema Integrado de Emergência Médica
1.3 Princípios Gerais do Socorrismo
1.4 Socorro Primário e Secundário
1.5 Identificar de forma ordenada os passos do exame de avaliação primária e secundária
Módulo 2: Suporte Básico de Vida/ Desfibrilhação Automática Externa
2.1 Conhecer a cadeia de sobrevivência
2.2 Saber como atuar em situações de obstrução da via aérea
2.3 Conhecer o algoritmo de suporte básico de vida (com e sem desfibrilhador automático externo)
Módulo 3: Hemorragias
3.1 Conhecer o conceito de hemorragia
3.2 Saber actuar perante uma situação de Hemorragia
3.3 Prática de coberturas, com pensos compressivos
Módulo 4: Fraturas
4.1 Conhecer o conceito de traumatismo/fraturas
3.2 Saber actuar perante uma situação de  traumatismo/fraturas
3.3 Prática de imobilizações (membros superiores e inferiores)
Módulo 5: Queimaduras
5.1 Conhecer o conceito de Queimadura
5.2 Saber actuar perante uma situação de  queimaduras de diferentes graus
5.3 Prática de coberturas
Módulo 6: Intoxicações
6.1 Intoxicações
6.2 Saber actuar perante uma situação de intoxicação
6.3 Pedido de informação ao CIAV (Centro de Informação Anti- Veneno)
Módulo 7: Reações alérgicas
7.1 Conhecer o conceito de choque
7.2 Saber actuar perante uma situação de choque anafilático

FORMADOR
Eduarda Ferreira, formadora de Primeiros Socorros desde 1987 até à presente data, formadora de formadores. Formadora Supervisora de Estágios de Formadores. Formadora Certificada pelo Conselho Cientifico-Pedagógico, tendo leccionado várias formações a Professores. Formadora responsável por vários Cursos de Formação de Base de várias Delegações da Cruz Vermelha Portuguesa. Mestranda em Supervisão Pedagógica e Avaliação de Docentes.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Aulas presenciais: dias úteis: 16:30-19:30 e sáb.: 10:00-13:00, nas instalações da UFP, Porto
Duração25 horas

METODOLOGIA E AVALIAÇÃO
Metodologia
Preconiza-se a utilização de métodos ativos. Para isso utilizar-se-á a dinamização do grupo com a simulação de casos reais, e sempre que possível o uso de meios audiovisuais.
Avaliação
Os formandos terão avaliação:
1. Contínua, mediante a realização de práticas de socorro simulada
2. Sumativa, mediante a realização de um teste escrito de escolha múltipla no último dia de formação.
Não devem faltar mais que 2h, no total da formação.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 115€
Regime Específico: 90€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP)

início julho de 2018 – curso completo ou por módulos

SOBRE O CURSO
“A intervenção do juiz social na promoção dos direitos e proteção das crianças e jovens, sugere que numa revisão da lei que regulamenta as suas competências, o seu recrutamento, possa vir a conferir a possibilidade de uma intervenção mais capaz, com uma formação reforçada, a fim de caminharmos para uma justiça, mais jus-socializada; bem como a possibilidade de recorrer aos peritos, que o nosso processual penal prevê, mormente os psicólogos forenses, criminólogos, caminhando num saber multidisciplinar e trabalho interdisciplinar, de modo obter uma Administração da Justiça Democraticamente Participativa, um Estado de Direito Democrático, baseado na dignidade humana, na vontade popular, no pluralismo de expressão e organização política democrática, no respeito e na efetivação dos direitos e liberdades fundamentais (Canotilho, 2004; Melo, 2009).”
Objetivos
– Preparar e formar os candidatos a juízes sociais, dotando-os de conhecimentos e capacidades quanto à sua participação na administração da justiça, nomeadamente quanto ao modo do seu actual recrutamento, quanto à organização e mecanismo judiciária e judicial, quanto às leis que estão em questão em todo o processo da sua intervenção aquando do debate judicial em processo de promoção e protecção de crianças e jovens e, em audiência em que esteja em causa a aplicação de medidas de colocação.
– Sensibilizar a intervenção do juiz social como direito de participação popular na administração da justiça, consagrado constitucionalmente, reforçando os instrumentos de participação, como aprofundamento a uma democracia participativa.
– Aprofundar os conhecimentos da forma de administração popular na justiça, através da figura juiz social, como: i) garante de um acesso democrático das organizações de classes às formas de designação de juízes sociais, ii) meio de proteger as minorias e, iii) forma de deixar ao Governo um mínimo de intervenção tutelar e supletiva, com o intuito de se encontrar o “justo ponto equilíbrio”.

DESTINATÁRIOS
Juízes sociais, candidatos ao exercício da função de Juiz Social, membros das CPCJ – Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, professores, assistentes sociais, psicólogos, sociólogos, criminólogos e interessados que pretendam adquirir os conhecimentos para o exercício da função de juiz social.
N.º formandos: 10 (min) a 25 (máx).

PROGRAMA
Módulo 1: Sistema Judiciário e Jurídico
1.1 Ética na justiça

1.2 A figura Juiz Social
1.3 Organização Judiciária
Módulo 2: Organização do Sistema de Promoção e Proteção de Crianças e Jovens
2.1 História da Infância e os seus direitos
2.2 Evolução da Justiça de Menores em Portugal
2.3 Lei de Proteção de Crianças e Jovens em Perigo
2.4 Princípios orientadores da intervenção e Medidas de Promoção e Proteção
Módulo 3: A Criança Sujeito de Direitos e o seu melhor interesse
3.1 Noção jurídica de criança

3.2 Necessidades de protecção das crianças e a incapacidade de exercício de direitos
3.3 Visão interdisciplinar da infância: psicológica; sociológica e antropológica
3.4 A idade como fator de hierarquização das relações adultos-criança
3.5 A conceção de infância dos Tribunais: análise de decisões judiciais
Módulo 4: Abordagem teórica dos maus tratos a crianças ou situações de perigo
4.1 Necessidades das crianças

4.2 Definição dos maus tratos na infância
Módulo 5: A criança na família
5.1 Responsabilidades parentais

5.2 Regulação do exercício das responsabilidades parentais nos casos de divórcio
5.3 A guarda de fato e a legitimidade de terceiros cuidadores da criança como parte nos processos de regulação das responsabilidades parentais
5.4 O apadrinhamento civil
5.5 A adoção
Módulo 6: Sistema Tutelar Educativo
6.1 Legitimação – Fins e Pressupostos da Intervenção tutelar junto das Crianças e Jovens

6.2 Processo Tutelar
6.3 Medidas tutelares institucionais e não institucionais
6.4 A Mediação com adolescentes em conflito com a Lei
Módulo 7: Audição da Criança
7.1 Direito à palavra e à participação

Módulo 8: Seminários
I.  A importância e relevância do conhecimento do Juiz Social na intervenção da promoção dos direitos e protecção do menor.

II. A comunicação institucional – realidades e desafios.
III. Simulação Debate Judicial (apresentação de um caso real, demonstrando a atuação de juiz social).

COORDENAÇÃO
Coordenação Científica:
Paula Cristina Cabral – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa.
Coordenação Pedagógica:
Rui Leandro Maia – Faculdade de Ciências Humanas e Sociais, Universidade Fernando Pessoa.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Início em julho de 2018. Seminários ocorrerão em data a definir
Sáb.: 10:00-13:00 e 14:00-18:00 | excecionalmente, sex.: 17:30-20:30, nas instalações da UFP, no Porto
Duração: 87 horas e 30 minutos: 73 horas letivas, acrescidas de 14 horas e 30 minutos de seminários.

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Exposição teórico-prática, simulada e centrada em casos de estudo.
Avaliação
Teste no final de cada módulo com atribuição de classificação por média ponderada em regime de frequência integral.
A frequência pode ser requerida com dispensa de avaliação.
Assiduidade mínima de 70% por módulo.
Certificação
Curso Completo

No final da ação, os formandos que concluírem o curso completo com aproveitamento e com assiduidade mínima de 70% por módulo receberão um Certificado de Formação emitido pela UFP, com menção a classificação final (caso optem por ser avaliados).

Módulo
No final de cada módulo, os formandos que o concluírem com aproveitamento e com assiduidade mínima de 70% receberão o respetivo Certificado de Formação, emitido pela UFP.

Certificação específica para docentes em exercício em CPCJ
O curso, por referência a docentes que exercem, em destacamento, funções em CPCJ, confere certificação por módulos, equivalentes a ações de curta duração, de cariz científico e pedagógico, com duração de 6 horas, conforme despacho n.º 5741/2015, de 30 de maio.

Informação
(i) A participação nas ações de curta duração tem como limite máximo um quinto do total de horas de formação obrigatórias (Art. 3.º).
(ii) A competência para o reconhecimento das ações é da Universidade Fernando Pessoa, através do seu Centro de Formação Contínua – ES-CEFOC.
(iii) O reconhecimento decorre da apresentação do requerimento dos interessados ao ES-CEFOC, acompanhado de documento comprovativo de presença e do programa temático da ação realizada.
(iv) O reconhecimento requer a verificação das seguintes condições:
1. A existência de relação direta, científica ou pedagógica com o exercício profissional; manifestação de rigor e qualidade científica e pedagógica; sejam asseguradas por formadores que, no mínimo, tenha o grau de Mestre.
2. O reconhecimento das ações de curta direção só pode ocorrer uma única vez na mesma ação, independentemente do formador, local ou ano de realização.
3. Não são reconhecidas ações de curta duração que se relacionem ou insiram em qualquer tipo de companha promocional ou publicitária.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Curso Completo:
Regime Geral: 390€
Regime Específico: 350€ (aplicável a alunos, ex-alunos e a associados de entidades protocoladas com a UFP).
Certificado: custo adicional de 5€
Por Módulo:
Regime Geral: 60€
Regime Específico: 50€ (aplicável a alunos, ex-alunos e a associados de entidades protocoladas com a UFP).
Certificado: custo adicional de 5€

SOBRE O CURSO
No final da acção, os formandos deverão ser capazes de:
– Conhecer as principais alterações do envelhecimento biológico e as diferenças resultantes do processo natural de envelhecimento e as motivadas por causas patológicas.
– Prestar cuidados básicos de higiene e conforto; gerir o regime alimentar e o regime terapêutico; prevenir acidentes com idosos e/ou pessoas com deficiência.
– Promover o envelhecimento ativo e a autonomia das pessoas alvo de cuidados.

DESTINATÁRIOS
Pessoas que já cuidam ou pretendem vir a cuidar de idosos e /ou pessoas com dependência.
Maiores de 18 anos e com habilitação mínima 9º ano.
N.º de formandos: 10 (min) a 25 (max)

PROGRAMA
Módulo 1:
Aspetos Gerais do envelhecimento
Principais “transformações” no idoso (que não por instalação de doença)
Envelhecimento normal e Envelhecimento Patológico
Promoção do Envelhecimento Ativo
Comunicação e bem-estar de idosos e/ou pessoas com deficiência
Módulo 2:
Cuidados de higiene e conforto
Apoio na Mobilização
Prevenção de úlceras de pressão
Cuidados com a alimentação
Orientação para ajuda no regime terapêutico.
Módulo 3:
Prevenção de acidentes com idosos
Apoios sociais para idosos e pessoas com deficiência

FORMADORES
Amélia José Monteiro – Enfermeira. Mestre em Ciências de Enfermagem. Docente da UFP.
António Mota – Enfermeiro, Especialista em Enfermagem Médico-cirúrgica. Mestre em Ciências de Enfermagem. Docente convidado da UFP.

DURAÇÃO
25 horas

METODOLOGIA E AVALIAÇÃO
Metodologia
A metodologia de ensino será adaptada às temáticas a lecionar e de acordo com a intervenção dos alunos. Os métodos de ensinos serão diretivos (expositivo e demonstrativo) e semidiretivos (interrogativo).
Avaliação
A avaliação será feita através da apresentação em sala de aula de um trabalho individual.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 90€
Regime Específico: 75€ (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a entidades protocoladas com a UFP)

Sessão experimental: 19 de setembro de 2018
Início previsto: 9 de outubro de 2018

SOBRE O CURSO
No final da ação os formandos deverão ser capazes de:
– Dominar os conhecimentos básicos sobre os principais aspectos da cultura japonesa;
– Compreender de forma completa a relevância dos aspetos culturais das artes marciais e da Arte Marcial Karate Do em particular nas relações culturais com o Japão;
– Dominar o contexto das relações multiculturais entre os vários atores envolvidos – cooperantes internacionais, agentes culturais e turísticos, desportivos, inter alia.

DESTINATÁRIOS
Todos os interessados na cultura japonesa e a relação com o Karate Do no âmbito das  relações internacionais de cariz cultural.
N.º de formandos: 10 (min) a 20 (max)

PROGRAMA
Módulo 1: Origem do Japão
1.1 Formação do Japão – cronologia
1.2 Conflito com as restantes geografias asiáticas, nomeadamente a China;
1.3 Origem da língua;
1.4 Religião;
1.5 Costumes: cerimónia do chá, kimonos, habitações, cumprimentos e interação entre as pessoas;
1.6 Segunda Guerra Mundial e pós-guerra – evidenciar a aposta na educação como forma de desenvolvimento da economia local (as verbas que estavam destinadas a despesas bélicas, foram direcionadas para a educação).
Módulo 2: Relação com Portugal – palavras com origem comum, costumes, cidades geminadas
Módulo 3: Okinawa – Origem; localização; Cultura própria (língua, Costumes)
Módulo 4: O Karate Do e as Artes Marciais
4.1.Instrumentos tradicionais (Hojo undo);
4.2. Limpeza e etiqueta do dojo.

FORMADORES
Cláudio Ribeiro – 6º Dan Okinawa Goju Ryu Karate Do.
João Casqueira – Docente convidado da UFP.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Sessão experimental: 19 de setembro de 2018.
De 9 de outubro a 4 de dezembro de 2018 | ter.: 18:00-21:00, nas instalações da UFP, Porto.
Duração:
27 horas de aulas presenciais.
23 horas de trabalho individual previstas.

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
O itinerário pedagógico de cada sessão é dirigido ao publico interessado em abordar temas para complementar os seus conhecimentos gerais, profissionais, ou técnicos.
O formando é convidado a participar ao longo do curso, sendo que a  concretização dos objectivos, far-se-á por meio de uma metodologia de trabalho ativa, participativa e colaborativa.
Avaliação
A avaliação tem carácter continuo. O curso é organizado de forma a abordar 5 (cinco) tópicos de conteúdos, de forma a convidar a participação e discussão com os formandos.
Assiduidade mínima de 50% de presença nas aulas. O controlo final será de natureza escrita.
Certificação
No final da ação, os formandos que concluírem o curso com aproveitamento, receberão um certificado da UFP com 2 ECTS.

Em conformidade com a Portaria 148/2014, de 18 de julho
Acreditação n.º 98/06 de abril de 2015, por despacho de Ministério da Administração Interna

11ª Edição: Início em outubro/novembro de 2018

SOBRE O CURSO
Em cumprimento do estabelecido na Lei n.º 34/2013, de 16 de maio, a profissão de Diretor de Segurança é regulamentada e sujeita à obtenção do título profissional.  De acordo com a Portaria n.º 273/2013, de 20 de agosto, as empresas de segurança privada são obrigadas a dispor, no mínimo, de um Diretor de Segurança.
A formação do director de segurança é ministrada em estabelecimentos de ensino superior oficialmente reconhecidos, cujo curso de director de segurança tenha sido aprovado por despacho do Ministro da Administração Interna, em conformidade com a Portaria 148/2014, de 18 de julho.
Objetivos
No final do curso, os formandos deverão ser capazes de:

  • Planear, coordenar e controlar a execução dos serviços de segurança privada;
  •  Gerir os recursos relacionados com a segurança privada que lhe estejam atribuídos;
  • Organizar, dirigir e inspecionar o pessoal de segurança privada e promover a formação e atualização profissional do referido pessoal;
  • Assegurar o contacto com as forças e serviços de segurança;
  • Zelar pelo cumprimento das normas aplicáveis ao exercício da atividade de segurança privada;
  • Realizar análises de risco, auditorias, inspeções e planos de segurança, bem como assessorar os corpos gerentes das entidades de segurança privada.

DESTINATÁRIOS
O CDS destina-se a profissionais de segurança e a outros profissionais, que pretendam adquirir conhecimentos na área, e a estudantes dos níveis de ensino não superior e superior, sem distinção de áreas de formação, que objetivem o desempenho de funções directamente relacionadas com a segurança privada.

Podem candidatar-se ao CDS:
1. Requisito geral:
a) Os indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos, aos quais, com base na experiência, se reconheça capacidades e competências que os qualifiquem para o respectivo ingresso.
2. Escolaridade:
a) Os titulares de um curso de ensino secundário ou de habilitação legalmente equivalente;
b) Os titulares de uma qualificação profissional de nível 3;
c) Os titulares de um diploma de especialização tecnológica ou de um grau ou diploma de ensino superior que pretendam a sua requalificação profissional.
Seriação e seleção:
1. A seriação dos candidatos far-se-á relevando a experiência profissional na área do curso, considerada pelos anos de trabalho, a formação escolar e a formação profissional.
2. As situações indiferenciadas serão apreciadas, com vista à seriação, tendo por critério o perfil dos candidatos mediante a realização de entrevista.

N.º mínimo de formandos: 15

PROGRAMA
Componente de formação de contacto:
Módulo 1: Regime jurídico do exercício da atividade de segurança privada
Módulo 2: Criminalidade e delinquência
Módulo 3: Sistema de segurança interna e proteção civil
Módulo 4: Segurança física
Módulo 5: Segurança electrónica
Módulo 6: Segurança das pessoas
Módulo 7: Medidas de segurança e sistemas de segurança
Módulo 8: Segurança contra incêndios
Módulo 9: Segurança da informação e proteção de dados pessoais
Módulo 10: Gestão e direção de atividades de segurança privada
Módulo 11: Planeamento e gestão de segurança privada
Módulo 12: Prevenção de riscos laborais aplicados à segurança privada
Módulo 13: Análise de riscos
Módulo 14: Gestão de equipas
Módulo 15: Colaboração com a segurança pública
Módulo 16: Deontologia profissional
Componente de formação prática:
Para além dos conteúdos teóricos e teóricos práticos dos módulos, coincidentes com a definição legal, o Curso prevê a frequência de formação prática em ambiente real de trabalho com orientação tutorial dupla, ou seja, distribuída pelos formadores e pelos representantes das Entidades de Acolhimento.

COORDENAÇÃO E FORMADORES
Coordenação: Rui Leandro Maia – Doutor em Sociologia. Docente da UFP
Formadores
Lígia Afonso – Mestre em Criminologia pela Faculdade de Direito da Universidade do Porto. Licenciada em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade do Porto.

Ana Sacau – Doutora em Psicologia pela Universidade de Santiago de Compostela (Reconhecimento de Habilitações em Registo do Grau de Doutor pela Universidade do Porto). Licenciada em Psicologia pela Universidade de Santiago de Compostela. Bacharel em Criminologia pelo Instituto Universitário de Criminologia – Universidade Santiago de Compostela.
Fontão Pereira – Licenciado em Ciências Policiais pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna.
Rita Figueiredo Reis Rola  Doutora em Menores em Situação Desprotegida e Conflito Social, na Universidade de Vigo, Espanha. Pós-Graduada em Consentimento Informado do Centro de Direito Biomédico pela Faculdade de Direito de Coimbra. Pós-Graduada em Direito Penal Económico Europeu pela Faculdade de Direito de Coimbra.

Pós-Graduada em Direito dos Registos e Notariado pela Universidade Católica Portuguesa. Licenciada em Direito pela Universidade Católica.
Feliz Ribeiro Gouveia – Doutor em Engenharia Electrónica e de Computadores pela Universidade Tecnologia de Compiège  (Equivalência em Doutoramento pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto). Mestre em Controlo de Sistemas pela Universidade Tecnologia de Compiège. Licenciado em Engenharia Electrotécnica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
Luís Borges Gouveia – Doutor em Ciências da Computação pela Universidade de Lancaster (UK) (Reconhecimento de Habilitações em Doutor pela Universidade de Aveiro). Mestre em Engenharia Electrónica e de Computadores – especialidade de Telecomunicações pela Universidade do Porto. Licenciado em Informática/Matemáticas Aplicadas pela Universidade Portucalense.
Rui Cruz– Técnico Superior de Segurança e Higiene do Trabalho. Frequência de Doutoramento em Segurança e Saúde Ocupacionais, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Mestre na Especialidade de Engenharia de Segurança e Higiene Ocupacionais pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Licenciado em Engenharia Química pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto.
Fernando Frazão – Diretor de Segurança na ESEGUR, Empresa de Segurança, S.A. Mestrando em Ciências Policiais no Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna. Pós-Graduado em Gestão e Direção de Segurança pela Universidade Autónoma de Lisboa. Pós-Graduado em Criminologia e Investigação Criminal pelo Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna. Licenciado em Criminologia pela Universidade Fernando Pessoa.
Carla Barros – Doutora em Psicologia. Mestre em Psicologia. Licenciada em Psicologia.
Hélder Fernandes -Mestre em Criminologia.
Cristiano Nogueira – Investigador no Observatório Permanente Violência e Crime da Universidade Fernando Pessoa. Formador e voluntário, na Incomunidade, no âmbito da Prevenção do Crime de Tráfico de Pessoas. Mestre em Criminologia pela Universidade Fernando Pessoa. Pós-Graduado em Ciências Forenses, Investigação Criminal e Comportamento Desviante pelo Instituto CRIAP. Licenciado em Criminologia pela Universidade Fernando Pessoa. Curso de Especialização em Direção de Segurança, obtido na Universidade Fernando Pessoa.

HORÁRIO E DURAÇÃO
Horário
Dias úteis: 18:00-23:00 e sáb.: 9:00-13h00 e 14:00-16:00
Duração
A duração do CDS
é de 210 horas, podendo haver lugar a formação prática orientada em regime tutorial, mediante apresentação de requerimento às coordenações pedagógica e técnica, prevendo-se, nessa circunstância, a orientação tutorial dupla, ou seja, distribuída pelos formadores e pelos representantes das Entidades de Acolhimento.

METODOLOGIA, AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO
Metodologia
Serão utilizados os métodos expositivo, demonstrativo e activo, recorrendo à análise de casos práticos e a trabalhos individuais e/ou em grupo. Está contemplada a elaboração de um Relatório Final.
Avaliação
A avaliação contínua e final de cada módulo é da responsabilidade do formador ou da equipa de formadores. A componente de formação prática está sujeita a avaliação contínua e à concepção e defesa de relatório final. A aprovação dos formandos reflecte igualmente o seguinte regime de faltas:
1. A participação dos formandos na formação de contacto é obrigatória, com uma percentagem mínima de frequência a 70% das aulas em cada módulo.
2. A participação dos formandos na formação prática é obrigatória, com uma percentagem mínima de frequência a 85% das horas consignadas.
Certificação
O CDS é uma formação não superior que confere um Diploma de Diretor de Segurança a todos os formandos aprovados e que respeitarem o regime de frequência estabelecido.

CANDIDATURA
A candidatura, entregue no Secretariado do ES-CEFOC ou enviada por correio registado, deve ser instruída com os seguintes documentos:
a) Ficha de pré-inscrição on-line, devidamente preenchida;
b) Curriculum Vitae detalhado;
c) Certificado de habilitações, com informação do nível da qualificação profissional;
d) Cópia do Bilhete de Identidade (ou documento equivalente);
e) Cópia do Cartão de Contribuinte.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 1.100€
Regime Específico:
950€ para estudantes
900€ para membros de entidades protocoladas com a UFP
850€ para alunos e ex-alunos da UFP

A regularização pode ser feita na totalidade ou em pagamentos faseados.

OBJETIVOS

  • Sensibilizar os formandos para os principais aspetos a ter em conta no procedimento administrativo de expropriação por utilidade pública e constituição de servidões administrativas;
  • Dotar os formandos de um conhecimento aprofundado sobre o cálculo das indemnizações a atribuir por expropriação por utilidade pública e por constituição de servidão administrativa;
  • No final do curso, os formandos deverão dominar as operações materiais de avaliação no âmbito do Código das Expropriações, bem como conhecer com razoável profundidade o procedimento expropriativo das expropriações por utilidade pública.

DESTINATÁRIOS
Peritos avaliadores, advogados, engenheiros, arquitetos, responsáveis da administração pública local e central com intervenção na área das expropriações e, de uma maneira geral, todos os que intervenham ou pretendam vir a intervir na área das expropriações por utilidade pública.

Nota: é necessária experiência prévia nos métodos tradicionais de avaliação imobiliária ou frequência do Curso de Avaliação Imobiliária.

PROGRAMA
Módulo 1: O procedimento administrativo das expropriações por utilidade pública e da constituição de servidões administrativas
Módulo 2: O Cálculo da justa indemnização pela perda da propriedade
Módulo 3: O Cálculo da justa indemnização pela perda de direitos diversos da propriedade plena

COORDENAÇÃO E FORMADORES
Coordenação
Eng. Miguel Ferreira – Mestre em Construção de Edifícios e Doutor em Engenharia Civil – Construções
Formador
Eng. António Carvalho – Mestre em Engenharia Civil pela Universidade do Minho; Perito Avaliador da Autoridade Tributária e Aduaneira (Direção de Finanças de Braga); Perito Avaliador da Lista Oficial da Justiça (Distrito Judicial do Porto); Profissional liberal na área da Avaliação Imobiliária e Peritagem de Sinistros

DURAÇÃO E CALENDARIZAÇÃO
Duração
15 horas de contacto + 5 horas de trabalho individual
Horário
21 SET., 6.ª feira (4h00): 18:00 – 22:00
26 SET., 4.ª feira (4h00): 18:00 – 22:00
28 SET., 6.ª feira (4h00): 18:00 – 22:00
03 OUT., 4.ª feira (3h00): 18:00 – 21:00

METODOLOGIA E AVALIAÇÃO
Metodologia

  • Sessões teórico-práticas em sala, com recurso a projetor multimédia;
  • A exposição do conteúdo teórico será realizada conjuntamente com a execução de exemplos práticos que servirão de corpo à formação;
  • Documentação de suporte fornecida aos formandos em suporte digital.

Avaliação
Trabalho individual consistindo na elaboração de um trabalho prático no âmbito do Código das Expropriações.

CANDIDATURA
A candidatura, entregue no Secretariado do ES-CEFOC ou enviada por correio registado, deve ser instruída com os seguintes documentos:
a) Ficha de pré-inscrição on-line, devidamente preenchida;
b) Curriculum Vitae detalhado;
c) Certificado de habilitações, com informação do nível da qualificação profissional;
d) Cópia do Bilhete de Identidade (ou documento equivalente);
e) Cópia do Cartão de Contribuinte.

CONDIÇÕES E CUSTOS
Regime Geral: 90€
Regime Específico: 75€  (aplicável a alunos e ex-alunos da UFP e a associados de entidades protocoladas com a UFP)

CONDIÇÕES DE INSCRIÇÃO

Procedimento para Inscrição
1. Descarregar a Ficha de Inscrição (PDF) para o seu computador, preencher e enviar, por e-mail, para o ES-CEFOC.
2. Proceder a pagamento e, nos casos aplicáveis, à entrega de documentação abonatória. O pagamento poderá ser feito de duas formas:
– Presencialmente, no gabinete ES-CEFOC, em numerário ou cheque à ordem de Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa;
– Por transferência bancária, mediante envio de comprovativo e referência de dados para emissão de recibo. Solicite o IBAN, por e-mail, ao ES-CEFOC.

Observações:
– A inscrição com pagamento prévio é condição fundamental para garantia de vaga, existindo um limite mínimo de formandos inscritos para viabilização e confirmação definitiva da realização da ação.
– Apenas serão autorizadas devoluções por cancelamento ou adiamento da ação, ou seja, por motivo alheio ao formando e mediante requisição do mesmo.

Informações:
UFP | ES-CEFOC
Praça 9 de Abril, 349 (piso 0)
4249-004 Porto
Tel. +351 22 507 13 27
E-mail: es-cefoc@ufp.edu.pt