Acreditação plena, por 6 anos,
pela A3ES, em 21-08-2014 (ligação)

Provas de Ingresso (reg. geral)
Desenho, Geometria Descritiva ou Português
Vagas 
(reg. geral) 30 

Título reconhecido automaticamente por todos os estados-membros no que se refere ao acesso ao exercício da atividade profissional (inscrito no anexo V, ponto 5.7.1. da Diretiva 2005/36/CE.

De acordo com o “Regulamento de Inscrição”, os mestres podem inscrever-se como membros efetivos na Ordem dos Arquitetos.

Os diplomados poderão exercer a sua atividade profissional em instituições públicas (Câmaras Municipais, Ministérios e Direções Gerais, Institutos Públicos e Gabinetes de Apoio Técnico); Ateliers de Arquitetura, de Desenho Urbano e de Arquitetura de Interiores; Instituições na área da investigação tecnológica, da produção industrial ou comercialização de materiais de construção; Instituições de ensino.

PORQUÊ ESCOLHER ARQUITETURA E URBANISMO DA UFP?

–––
Proximidade e apoio dos professores ao longo de todo o curso

–––
Corpo docente altamente qualificado e diferenciado, com experiência e reconhecimento nacional e internacional

–––
Os alunos desenvolvem atividades de projeto, estudo e acompanhamento de casos reais. No LEP-UFP cruzam-se atividades de investigação, de ensino, de aprendizagem, numa aproximação aos atos próprios da profissão arquiteto.

–––
Qualidade das instalações

A SUA EQUIPA DE APOIO

O sucesso educativo alcança-se através do trabalho de equipa. Durante o seu processo de candidatura, e sempre que precisar, contará com o apoio e aconselhamento de uma equipa de profissionais.

Professores

Além de academicamente qualificados, os nossos professores são conhecidos por serem muito próximos dos alunos e disponíveis para esclarecer todas as suas dúvidas.

Equipa de Acolhimento

A equipa de acolhimento, constituída por colaboradores da UFP que são maioritariamente antigos alunos da universidade, tem como objetivo facilitar a integração dos novos alunos.

Colaboradores

Presencialmente (durante os horários de atendimento) ou à distância de um clique, os nossos colaboradores são conhecidos pelo seu profissionalismo e pela sua disponibilidade para ajudar.

PLANO DE ESTUDOS

Mestrado Integrado* · Duração: 10 Semestres · 300 ECTS
Conforme Registo R/B-AD-721/2006, DR 2ª série n.º 139, de 20 de Julho de 2006 · Despacho n.º 18300/2006, DR 2ª série – n.º 173, de 07 de Setembro de 2006

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Conhecimento e capacidade de compreensão sobre as fases e caraterísticas específicas da metodologia científica.
2. Aplicação dos conhecimentos e compreensão na elaboração de um trabalho científico.
3. Capacidade de recolher, selecionar e interpretar informação relevante, de forma a produzir um trabalho científico.
4. Competência para comunicar de forma escrita / oral de modo estruturado, organizado e abrangente a vários a públicos.
5. Competências de autoaprendizagem, especificamente na recolha e tratamento da informação.
6. Treino para a utilização de ferramentas de produtividade pessoal e fornecimento de um conjunto alargado de conceitos e técnicas que permitirão ao aluno possuir competências específicas para explorar as potencialidades de um processador de texto, de uma folha de cálculo, de utilização eficiente da interactividade e de integração no âmbito das diversas aplicações informáticas abordadas.

1. Impulsionar o desenho livre e a representação do real como instrumento de apreensão espacial.
2. Criar as bases para a sua utilização como um meio de concretização de ideias, conceito e espaços.
3. Desenvolver a capacidade de observação e trabalhar a perceção no sentido de criar uma consciência crítica e corrigir erros de perceção.
4. Desenvolver a sensibilidade estética, reforçando a expressão e a componente simbólica e poética próprias.
5. Explorar técnicas de representação e expressão gráfica, utilizando correctamente cada material.
6. Enquadrar a componente prática como elemento complemento.

Pretende-se com esta unidade curricular que o aluno encare e utilize a Geometria não só como via de compreensão e representação de formas e espaços, mas também como instrumento indispensável no ato de fazer e pensar a arquitetura. Sendo que a execução pedagógica será calculada através de testes e exercícios práticos realizados dentro e fora do espaço/tempo da aula, subentende-se que o aluno adquira naturalmente o hábito de aplicar os conteúdos, métodos e técnicas adquiridas nesta unidade curricular e os explore como ferramentas essenciais no desenvolvimento dos seus projetos de arquitetura.

1. Fundamentar a ideia de que a arte é histórica e o seu significado variável conforme as épocas e as culturas.
2.
Incentivar a curiosidade e o contacto com a arte através de visitas e leituras sobre a arte.
3.
Tomar contacto com a linguagem própria da arte em cada época.
4. Perceber a importância da teoria como base das boas práticas da arquitetura.

1. A iniciação ao ato de pensar a arquitetura e o projeto.
2. O domínio dos instrumentos de desenvolvimento do processo criativo e de pesquisa ao serviço dos mecanismos intelectuais de construção de uma ideia e de um projeto.
3. Instauração de metodologias de trabalho conducentes à construção de um processo individual de projetação. 

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Comunicar, compreender e produzir mensagens em língua inglesa, tanto em contextos sociais, como profissionais.
2. Utilizar a língua inglesa num conjunto de situações reais.
3. Adotar uma atitude introspectiva e reflexiva, tendo em conta a realidade social e económica da comunicação e as suas gramáticas específicas.
Nota: a disciplina é lecionada ao nível Intermediate (B2), de acordo com o ‘Common European Framework of Reference’- CEFR

1. Com esta unidade curricular pretende-se integrar os conhecimentos teóricos do desenho técnico com a ferramenta informática, facilitando o trabalho de projeto e que possibilite uma melhor integração dos jovens arquitectos, utilizando com destreza as ferramentas disponíveis.
2. Os estudos a realizar nesta disciplina basear-se-ão na exploração de um programa de desenho assistido por computador (CAD), com o propósito e objetivo de dominar a ferramenta, permitindo ao aluno desenhar de forma rigorosa as peças que compõem o projecto de arquitectura.
3. Será abordada a temática de desenho técnico, nomeadamente a normativa técnica, permitindo a expressão gráfica adequada através do meio informático aliado à linguagem gráfica de projeto de arquitectura.
4. No final do semestre, o aluno deverá ser capaz de estabelecer a relação com as ferramentas de desenho e apresentação gráfica, na perspetiva da imediata identificação daquelas que se entendem como as mais apropriadas às suas necessidades.

1. Pretende-se que o aluno encare e utilize o desenho não só como via de compreensão e representação de formas e de espaços, mas também como instrumento indispensável no acto de fazer e pensar arquitetura.
2. Representar, através de um conjunto de instrumentos de expressão plástica, a realidade envolvente.
3. Produzir desenhos como síntese dos processos de apreensão do espaço.
4. Garantir o indispensável alargamento crítico e fundamentação do desenho produzido.
5. Desenvolver as competências de expressão plástica através do desenho enquanto instrumento de comunicação e registo do real (apreensão espacial) bem como, do registo de ideias (conceitos e espaços).
6. Associar os conteúdos programáticos com outros, nomeadamente nas Unidades Curriculares de Projecto de Arquitetura.

1. Perspetivar a análise histórica e arquitetónica como opinião objetivamente fundamentada.
2. Sintetizar algumas variantes e invariantes do processo histórico da arquitetura.
3. Identificar grandes períodos uniformes da prática arquitetónica no tempo.
4. Distinguir e compreender noções como, espírito, estilo, práticas construtivas e de desenho e agentes, integrando-os nesses mesmos períodos.
5. Enquadrar historicamente, justificando-o, exemplos edificados pelas suas caraterísticas arquitetónicas legíveis.

1. Desenvolvimento e aprofundamento dos diferentes modos de representação gráfica já adquiridos na disciplina de Projeto I, por via de vários exercícios em que o projeto é apresentado como uma simulação do real, os alunos deverão desenvolver e exercitar os instrumentos de estudo, pesquisa e desenho para a construção do projeto.
2. O desenho como instrumento de levantamento, análise e representação do lugar é uma ferramenta com a qual os discentes trabalharão durante todo o processo de construção do projeto.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Identificar um conjunto alargado de materiais de aplicação mais corrente na construção civil.
2. Determinar as propriedades, características e comportamento dos vários materiais de construção, na vertente da sua natureza e qualidade, bem como o respetivo processo de fabrico.
3. Selecionar os materiais de construção mais adequados.

1. Promover a capacidade de definição da área de conhecimento da antropologia, quer ao nível de objeto quer ao nível de metodologia geral.
2. Produzir entendimento de como os diferentes paradigmas teóricos dentro das ciências sociais, em geral, e na antropologia em particular, focalizam e conceptualizam o espaço de modo diferente e diverso.
3. Desenvolver a capacidade de entendimento e problematização das correntes teóricas abordadas numa perspetiva de aplicação das construções teóricas ao estudo do real social, numa perspetiva de prática do ofício de arquitetura e planeamento urbano.

1. Dotar o aluno das ferramentas teóricas e práticas que permitam, em ambiente digital, percorrer todo o processo metodológico desde a obtenção da forma, até às peças bidimensionais de apresentação final do projeto de arquitetura; desde o desenho e construção de modelos tridimensionais, passando pela criação de imagens virtuais, a sua pós-produção, enquadramento em ambientes e realidades imaginárias, até à comunicação final do projeto, o aluno será capaz de articular entre as várias ferramentas disponibilizadas, recorrendo às mais adequadas à fase do processo e aos objetivos em causa.
2. Potenciar a utilização das aplicações digitais como ferramentas de acompanhamento do acto de projetar arquitetura desde a ideia até à comunicação final.

1. Perspetivar a análise histórica e arquitetónica como opinião objectivamente fundamentada.
2. Identificar as ligações entre circunstâncias, agentes, princípios teóricos e realizações.
3. Distinguir as relações dialéticas entre movimentos nacionais e internacionais.
4. Enquadrar historicamente, justificando-o, exemplos edificados pelas suas caraterísticas arquitetónicas legíveis.

1. Analisar as diferentes componentes do habitat na vertente da habitação multifamiliar como em propostas de edificação unifamiliar.
2. Produzir um diagnóstico das principais funções vitais dos edifícios de habitação.
3. Dominar as tipologias de habitação e manejá-las com destreza para desenvolver espaços equilibrados e bem articulados.
4. Saber fundamentar teoricamente as conclusões alcançadas; conseguir comunicar, com clareza, os resultados por via oral, escrita e gráfica.
5. Apresentar projetos que reflitam a investigação realizada, mas também os conhecimentos e competências acumuladas ao longo do semestre; distinguir a função programática, a inserção urbanística, e os elementos tipo-morfológicos presentes na arquitetura.
6. Domínio das diferentes fases do projeto; controlo dos aspetos formais/linguísticos das propostas arquitetónicas; interação do domínio plástico e material do projeto com as premissas teóricas investigadas.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Identificar um conjunto alargado de materiais de aplicação mais corrente na construção civil.
2. Determinar as propriedades, características e comportamento dos vários materiais de construção, na vertente da sua natureza e qualidade, bem como o respetivo processo de fabrico.
3. Selecionar os materiais de construção mais adequados.

1. Analisar as diferentes componentes do espaço urbano, dos tecidos existentes na cidade e das formas urbanas.
2. Produzir uma sustentação teórica aprimorada, assente em conceitos e linguagens de fácil compreensão, no âmbito do discurso contemporâneo de arquitetura.
3. Fundamentar teoricamente as conclusões alcançadas e conseguir comunicar, com clareza, os resultados por via oral, escrita, gráfica e multimédia.
4. Apresentar projetos de um objeto arquitetónico complexo em forma de conjunto urbano edificado, com sistemas construtivos evoluídos.

Dotar o futuro técnico(a) com os conhecimentos essenciais para gerir de forma sustentada o conjunto de conceitos de uma área técnica atual e multidisciplinar de modo a possibilitar o planeamento, o acompanhamento e a aplicação dos levantamentos topográficos.

Elaboração de um projeto em contexto similar ao profissional, permitindo aos alunos de arquitetura e de engenharia civil percecionar a interdisciplinaridade e complementaridade dos saberes. Dar-se-á ênfase à coordenação do projeto de modo a que no final este seja um todo e não a soma dos vários projetos propostos como: arquitetura, estruturas, redes de abastecimento de água, gases combustíveis e energia elétrica, redes de drenagem de águas, de telecomunicações, segurança contra incêndio, ventilação e de acondicionamento térmico e acústico.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Competência comunicativa indispensável para as situações de vida quotidiana adequadas ao domínio social.
2. Competência gramatical, inclusive para ajudar no contacto com os documentos escritos. Sublinha-se a importância de estruturas modais e táticas para resolver dificuldades pontuais de compreensão ou de expressão.
3. Competências linguísticas demonstradas nas quatro habilidades linguísticas: compreensão oral, compreensão escrita, expressão oral e expressão escrita.

1. Compreender os princípios e objetivos essenciais a um desenvolvimento sustentável do território.
2. Identificar os agentes e instrumentos da política habitacional bem como o papel que desempenham.
3. Compreender as causas e consequências dos principais problemas urbanos da atualidade, nomeadamente através da definição de tipologias de degradação urbana.
4. Descrever as principais estratégias de planeamento e a transformação/requalificação espacial, particularmente a regeneração urbana de centros históricos e de frentes de água, e os programas comunitários de apoio a essas intervenções.

1. Investigação a efetuar a diferentes escalas sobre um tema único – EQUIPAMENTO – situando o programa da intervenção arquitetônica a realizar num contexto urbano real que permita evidenciar e relacionar os vários estímulos e condicionantes que caracterizam qualquer processo projetual.
2. Produzir um diagnóstico das principais condicionantes e potencialidades relativas a uma determinada área urbana.
3. Elaborar uma proposta de transformação dessa realidade urbana pré-existente devidamente fundamentada nos resultados obtidos a partir da investigação desenvolvida durante o semestre bem como nos conhecimentos e competências práticas acumuladas ao longo dos semestres anteriores.
4. Evidenciar o controlo dos aspetos formais/linguísticos do projeto.
5. Compreender o papel/responsabilidade da profissão de arquiteto na sociedade.

1. Perspetivar a análise histórica e arquitetónica como opinião objetivamente fundamentada.
2. Distinguir e caraterizar diferentes paradigmas de teorização do fenómeno arquitetónico.
3. Sintetizar algumas variantes e invariantes do processo histórico da arquitetura em Portugal.
4. Analisar de forma estruturada, justificando-o, exemplos edificados pelas suas caraterísticas arquitetónicas legíveis.

A unidade curricular tem como principal objetivo transmitir aos futuros arquitetos os aspetos essenciais da conceção e da análise de estruturas. Para tal, são facultados princípios orientadores e métodos simplificados que possibilitem a prévia localização e o pré-dimensionamento de elementos estruturais principais (lajes, vigas e pilares). Neste sentido, para além da resolução de diversos exercícios propostos em sala de aula, resultantes de casos práticos de análise de estrutura, os alunos terão, ainda, de desenvolver o projeto de estruturas de uma moradia. Incentiva-se a que o projeto de arquitetura tenha sido desenvolvido pelo próprio aluno em unidades curriculares de projeto do curso, de modo a que o aluno sinta as principais dificuldades na definição da estrutura num projeto que não foi concebido a pensar neste importante fator. No final do semestre, o aluno deverá ser capaz de ao conceber a sua arquitetura a pensar na estrutura que a vai sustentar, distinguindo os diversos elementos.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Aplicação dos conhecimentos adquiridos para melhor compreensão da realidade política europeia e nacional.
2. Capacidade de análise crítica no âmbito dos assuntos europeus e nacionais.
3. Capacidade de comunicação interpessoal e intergrupal.
4. Capacidade de investigação autónoma.

1. Perspetivar a análise histórica e arquitetónica como opinião objetivamente fundamentada.
2. Sintetizar algumas variantes e invariantes do processo histórico da arquitetura em Portugal.
3.  Identificar grandes períodos uniformes da prática arquitetónica no tempo.
4. Distinguir e compreender noções como espírito, estilo, práticas construtivas e de desenho, e agentes, integrando-os nesses mesmos períodos.
5. Enquadrar historicamente, justificando-o, exemplos edificados pelas suas caraterísticas arquitetónicas legíveis.

Esta disciplina insere-se no curso de arquitetura e procura familiarizar os futuros profissionais com as ferramentas necessárias para a realização de trabalhos na área. Importa sublinhar que os objetivos da disciplina se articulam diretamente com os da disciplina de Planeamento do Território. Procura-se proporcionar um conjunto de conhecimentos estruturados acerca das condições de funcionamento e organização espacial dos territórios, particularmente os urbanos. Desde modo, os alunos devem compreender os mecanismos que regulam as lógicas de localização e de articulação das várias atividades.

Sob o tema “Do Projecto à Obra”, os estudos a realizar nesta UC basear-se-ão numa investigação a efectuar a diferentes escalas sobre um tema único – EQUIPAMENTO – situando o programa da intervenção arquitectónica a realizar num contexto urbano real que permita evidenciar e relacionar os vários estímulos e condicionantes que caracterizam qualquer processo projetual. No final do semestre o aluno deverá ser capaz de produzir um diagnóstico das principais condicionantes e potencialidades relativas a uma determinada área urbana.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Os alunos deverão adquirir conhecimentos teóricos e práticos sobre temas e conceitos fundamentais de enquadramento e de suporte à análise de dados de natureza demográfica e social.

A arquitetura paisagística é uma disciplina de análise, desenho, criação e intervenção na paisagem, possuindo uma estreita relação com a Arquitetura e Urbanismo, que constituem disciplinas que igualmente atuam sobre a paisagem. Esta Unidade Curricular tem como objetivo a iniciação dos alunos no estudo da paisagem, assimilando os seus conceitos e princípios base, compreendendo a história da sua génese e evolução, e aplicando este conhecimento em exercícios de intervenção na paisagem, com um aprofundamento do conceito de Estrutura Verde e a sua aplicação num caso de estudo.

Esta disciplina visa transmitir aos alunos as noções elementares sobre a gestão de projetos e empreendimentos, bem como as ferramentas associadas a essa gestão. Pretende-se abordar questões práticas relacionadas com a gestão que possibilitem uma melhor aproximação dos jovens engenheiros e arquitetos às práticas da construção civil, integrando conhecimentos de outras disciplinas. Os alunos deverão ser capazes organizar e gerir uma equipa de projeto; coordenar a gestão de projeto e de empreendimentos nas suas diferentes fases; proceder ao adequado planeamento e controlo das equipas de projeto e do processo de implementação de um empreendimento. Será pedido os alunos a realização de um trabalho prático de aplicação dos conhecimentos adquiridos.

1. Ter conhecimento dos princípios dos sistemas de informação geográfica, a sua relação com a geografia e a herança cartográfica e topográfica. Apresentação do programa ArcGis – Configuração do ambiente de trabalho e definição de sistemas de coordenadas.
2. Criar e usar bases de dados relacionais com e sem recurso a software SIG. Analisar as implicações da qualidade e validade dos dados. Verificar a qualidade dos dados.
3. Planeamento e estruturação de um projecto SIG. Desenvolvimento de modelos de bases de dados para SIG. Análise de dados geográficos e atributos associados.

A disciplina visa preparar o aluno para diagnosticar os principais problemas de caráter urbanístico relativos a uma área urbana de grandes dimensões, morfologicamente não consolidada ou heterogénea, concluindo sobre a interdependência entre modelos urbanos e tecidos, hierarquia viária, estrutura de espaço público, etc. Em consequência, o aluno deverá ser capaz de definir um programa de projeto adequado ao diagnóstico produzido e que promova a melhoria territorial, relacionando-o com as potencialidades e condicionantes urbanísticas do local, identificando os aspetos positivos a desenvolver e/ou aproveitar como recursos do projeto. No processo, o aluno ficará capaz de dominar as diferentes fases/escalas do Plano, a estrutura formal e funcional da proposta e a interação entre e a interação entre esta e as disposições de planeamento aplicáveis, devendo ainda ser capaz de fundamentar teoricamente as suas opções e comunicar claramente estes resultados por via oral, escrita e gráfica.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

A disciplina pretende sensibilizar o aluno para as características do território urbanizado ao longo das últimas décadas do século XX e correntemente designado «urbano», a partir da desconstrução de ideias feitas e conceitos pré-formatados e do alargamento da compreensão terminológica. Centrada na Europa Central e, em particular, em Portugal, a UC visa proporcionar um conjunto de conhecimentos organizados acerca das condições de funcionamento espacial dos territórios urbanos contemporâneos, assim como desenvolver a capacidade de perceção articulada das diferentes configurações territoriais impressas por fenómenos de âmbito diverso. A partir da análise espacial a escalas diversas, o aluno deverá ainda ser capaz de reconhecer (alguns dos) elementos, latentes ou explicitamente, estruturantes dos territórios de urbanização difusa, explicando essa capacidade através da organização morfológica e funcional.

1. Saber aplicar o conhecer e o raciocínio, bem como competências para resolver problemas em contextos novos ou não familiares num enquadramento mais amplo (ou multidisciplinar) no que diz respeito à ética na arquitetura.
2. Ter a capacidade de integrar conhecimentos e de lidar com a complexidade, formulando juízos a partir de informação incompleta ou limitada, mas incluindo uma reflexão sobre as responsabilidades sociais e éticas relacionadas com a aplicação de conhecimentos e de juízos.
3. Ser capaz de aprender competências que permitam prosseguir os estudos de uma forma autónoma.

A disciplina visa preparar o aluno para diagnosticar os principais problemas de caráter urbanístico relativos a uma área urbana de média dimensão, morfologicamente não consolidada ou heterogénea, concluindo sobre a interdependência entre as dinâmicas urbanas, a morfologia urbana e a tipologia arquitetónica/funcional. Em consequência, o aluno deverá ser capaz de propor um projeto de reestruturação urbana concordante com o diagnóstico produzido, explorando vários domínios temáticos e procurando integrar no seu processo os diversos estímulos e condicionantes que caracterizam o contexto urbano, aproveitando-os como recursos do projeto No processo, o aluno tornar-se-á capaz de dominar as diferentes fases/escalas do projeto, a estrutura formal e funcional da proposta e a interação entre esta e as disposições de planeamento aplicáveis, devendo ainda ser capaz de fundamentar teoricamente as suas opções e comunicar claramente estes resultados por via oral, escrita e gráfica.

Pretende-se que o aluno tome consciência da multiplicidade de abordagens possíveis e adquira a capacidade de definir em cada circunstância o tema e método de abordagem mais acutilante. Será avaliada a capacidade de procurar e desenvolver uma investigação, selecionando o tema, definindo o método, organizando e gerindo a sua calendarização, escolhendo e desenvolvendo os meios de apresentação mais convenientes para os resultados obtidos e o rigor científico.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Distinguir os conceitos de reabilitação, requalificação e destruição, incluindo as temáticas correspondentes de conservação e recuperação arquitectónica.
2. Desenvolver a perceção para a reabilitação do edifício como instrumento de reabilitação da cidade.
3. Garantir o indispensável alargamento crítico e fundamentação do desenho produzido e estabelecer sessões de debate/crítica colectiva.
4. Sintetizar os conhecimentos e competências adquiridas, através de exposição gráfica, escrita e oral do projeto, bem como na sua apresentação/debate.

Esta disciplina visa dotar os alunos dos conhecimentos e ferramentas necessários à elaboração de uma dissertação, o que implica desenvolver aspetos metodológicos de trabalho científico e de pesquisa. O objectivo final prende-se com a elaboração do projeto de dissertação e programação dos trabalhos a desenvolver.

1. Analisar as diferentes componentes do espaço urbano, dos tecidos existentes na cidade e das formas urbanas.
2. Produzir uma sustentação teórica aprimorada, assente em conceitos e linguagens de fácil compreensão, no âmbito do discurso contemporâneo de arquitetura.
3.  Fundamentar teoricamente as conclusões alcançadas e conseguir comunicar, com clareza, os resultados por via oral, escrita, gráfica e multimédia.
4. Apresentar projetos de um objeto arquitetónico complexo em forma de equipamento urbano, com sistemas construtivos evoluídos.

Esta UC centra-se nas referências, conceitos e ideias que consubstanciam a tese de uma actual emergência de um novo paradigma comportamental, de cariz ecocêntrico, ao qual a arquitetura e o urbanismo, enquanto actos culturais, não poderão ser alheios. No final do semestre os alunos deverão ser capazes de discutir, de modo fundamentado, o modo como a ecologia está hoje a informar a arquitetura e o urbanismo, não só por via da componente ambientalista que lhe é denotada, mas fundamentalmente enquanto estrutura lógica complexa – pensamento ecologizado – capaz de reorganizar teoricamente termos como sustentabilidade, eco-arquitectura, eco-urbanismo, arquitectura orgânica ou arquitetura verde, num mesmo contexto histórico disciplinar alargado, sustentado no passado, no presente e com ambição especulativa sobre o futuro.

1. Fornecer conhecimentos a nível técnico e legal para a aplicação de tecnologias e procedimentos no conforto das edificações, nomeadamente: a) Qualidade do ar interior e necessidades de ventilação; b) Condições de conforto acústico – sons aéreos e sons de percussão; tratamento de salas para boa audição do som; c) Condições de conforto térmico aproveitando o mais possível as tecnologias passivas, beneficiando assim a economia e o ambiente do País.
2. No final, o aluno deve possuir competências específicas na integração destes conhecimentos e da sua aplicação na gestão da qualidade ambiental de espaços interiores.
3. As competências transversais adicionais que serão trabalhadas serão: a) Trabalho autónomo e em equipa; b) Capacidade de Organização e de Planeamento; c) Capacidade para tomar decisões; d) Capacidade de auto-aprendizagem; e) Capacidade de aplicação de conhecimentos; f) Capacidade de adaptação a situações novas; g) Capacidade de Comunicação Oral e Escrita.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

O aluno deverá desenvolver um projeto de arquitetura completo, integrando as suas dimensões técnica, urbana, funcional e estética. A partir de um programa de um equipamento público de média dimensão e num contexto urbano de transição o estudo a elaborar deverá atingir um grau de desenvolvimento adequado a um Projecto Base, complementado com elementos explicitadores dos sistemas construtivos adotados. As peças escritas deverão explicitar as principais opções projetuais e discutir a sua acutilância. O projeto a apresentar no final do semestre deverá refletir os conhecimentos e competências práticas acumuladas ao longo do semestre, nomeadamente no que respeita à capacidade do aluno de o usar como ferramenta de investigação ao longo do processo, de o concretizar nas suas diversas vertentes de um modo mais autónomo, bem como de o explicar e argumentar, de modo fundamentado, a partir de uma reflexão crítica pessoal sobre o processo desenvolvido.

Pretende-se que durante o período de estágio o aluno terá oportunidade de contactar diretamente com diferentes aspetos práticos da profissão, não deixando no entanto de manter contacto direto e permanente com a Universidade através do seu “orientador de estágio”. No “regresso” à Universidade, o aluno poderá confrontar a sua experiência prática com a aprendizagem em meio académico, nomeadamente, no que respeita ao desenvolvimento do “projeto final” ou mesmo da sua dissertação de mestrado.

* A conclusão com aproveitamento de todas as unidades curriculares e a aprovação em 300 ECTS confere o grau de mestre. É conferido o grau de licenciado em Topografia e Desenho de Construção após seis semestres e aprovação em 180 ECTS. 

COORDENAÇÃO DO CURSO

Prof. Doutor Luís Pinto de Faria

Envie o formulário para ser contactado pela coordenação do curso:



CandidatoProfissionalOutro


PortugalPaís UEOutro País














INTERCÂMBIO / ESTUDAR NO ESTRANGEIRO

Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram os critérios de elegibilidade dispõem da possibilidade de realizar períodos de estudo e/ou de estágio em mobilidade internacional.

Os períodos de estudo em mobilidade internacional de estudantes são realizados em instituições de ensino superior fora de Portugal, com as quais a UFP mantém acordos de intercâmbio de estudantes, ao abrigo do Programa Erasmus+ (no espaço Europeu) ou de outros acordos bilaterais de intercâmbio existentes.

Informação sobre programas de mobilidade/intercâmbio estão disponíveis através do Gabinete de Relações Internacionais (ligação).

CANDIDATURAS E TAXAS ESCOLARES

1.ª FASE* (REGIME GERAL E UNIÃO EUROPEIA)
CANDIDATURAS: 01 MAI – 14 AGO 2018
AFIXAÇÃO DOS RESULTADOS: 17 AGO 2018
MATRÍCULAS: 20 AGO – 07 SET 2018

2.ª FASE* (REGIME GERAL E UNIÃO EUROPEIA – VAGAS EVENTUALMENTE SOBRANTES)
CANDIDATURAS: 11 – 18 SET 2018
AFIXAÇÃO DOS RESULTADOS: 20 SET 2018
MATRÍCULAS: 20 SET – 26 SET 2018

RECEÇÃO AOS NOVOS ALUNOS E INÍCIO DO ANO LETIVO:  17 SET. 2018

* Não dispensa a consulta do Cronograma de Ingresso (PDF)

VER TAXAS

VISITE O CAMPUS UNIVERSITÁRIO

Venha conhecer a Universidade Fernando Pessoa. Visite as bibliotecas, laboratórios e espaços do campus UFP.
Desfrute dos espaços verdes e tire uma foto ao pé da estátua do nosso Patrono, Fernando Pessoa.



CandidatoProfissionalOutro


PortugalPaís UEOutro País








  • ANTIGOS ALUNOS

    O Antigo Aluno Eurico Almeida, é desde Outubro de 2014, Administrador da empresa Jofebar, uma das empresas envolvidas nas obras de edifícios emblemáticos como a Casa da Música, o Terminal de Cruzeiros do Porto de Leixões e o Estádio Municipal de Braga.

  • ANTIGOS ALUNOS

    O Antigo Aluno Nuno Gonçalves, é o atual Presidente da Câmara Municipal do Peso da Régua.

     

    (IMG RETIRADA DO SÍTIO “CM-PESOREGUA.PT”)