ingresso.medicina@fundacaofernandopessoa.pt

This page in english
Página em construção e permanente atualização

Provas de Ingresso
Regime Geral: Biologia e Geologia,
Física e Química e Matemática A

Pré-requisitos: Grupo A (PDF)

30 Vagas – Regime Geral
3 Vagas – Titular de outro curso superior
4 Vagas – Estudante Internacional
3 Vagas – Mudança Par Instituição/Curso

Lecionação
Língua Inglesa

(nível de referência C1)
Língua Portuguesa

O curso de Medicina da UFP é um Mestrado Integrado com a duração de seis anos (12 semestres). Os três primeiros anos (6 primeiros semestres/ 180 ECTS) conferem o grau de Licenciado em Ciências Básicas da Saúde e os 6 últimos (180 ECTS) o grau de Mestre em Medicina.

Estas informações não dispensam a consulta do Regulamento de Acesso nos ciclos de estudo de licenciatura e de mestrado integrado em vigor (PDF). 

PORQUÊ ESCOLHER MEDICINA NA UFP

Ambiente ímpar para a educação e formação médica:

  • Única instituição de ensino superior privado nacional com um Hospital-Escola próprio, que permite aos estudantes a imersão num ambiente clínico real desde o primeiro dia da sua formação.
  • Abordagem aprofundada sobre os avanços científicos nas diversas áreas da saúde, suas metodologias, incluindo a biologia e patologia moleculares, a engenharia biomédica e a tecnologia digital aplicadas à prevenção, ao diagnóstico e ao desenvolvimento de novas terapias e de dispositivos médicos.
  •  Corpo docente altamente qualificado e diferenciado, com reconhecimento nacional e internacional, e com expressiva atividade clínica e de investigação.
  • Formação clínica com foco na comunidade, em contacto com as reais necessidades das populações, valorizando a saúde pública e a medicina social.

SOBRE O CURSO

Ciclo de estudos inovador, que incorpora as mais avançadas metodologias de formação médica, nomeadamente o desenvolvimento curricular em espiral com profundos alicerces científicos. Aprendizagem com base em casos clínicos, problemas e evidência científica, o que o torna desafiante e integrador, enfatizando o trabalho em equipa, as distintas especificidades da profissão médica e promovendo o pensamento crítico.

Plano de estudos que compreende todos os sistemas orgânicos, uma visão global do ciclo de vida em saúde e doença, do diagnóstico, do cuidado personalizado e de novas terapêuticas. A epidemiologia, a bioestatística e o método científico permitem conhecer a saúde das populações, os determinantes da saúde, modelos e organização dos sistemas de prestação de cuidados de saúde, competências clínicas, ética, valores da profissão e a resposta a perguntas científicas.

Integra os conhecimentos das ciências básicas com as ciências clínicas. A imersão do estudante no ambiente médico, desde o início do curso, promove capacidades técnicas nas diversas áreas de ação médica, permitindo que desenvolva competências de liderança na atividade clínica e investigação aplicada à medicina.


O SUCESSO EDUCATIVO ALCANÇA-SE  ATRAVÉS DE TRABALHO DE EQUIPA

Corpo Docente

Corpo académico qualificado e treinado nas mais modernas competências pedagógicas para um ensino-aprendizagem integrado, centrado no estudante, participativo e baseado em problemas (PBL), casos clínicos (CBL) e promovendo atividades profissionais confiáveis (APC).

Equipa de Acolhimento

A equipa de acolhimento, constituída por colaboradores da UFP e do Hospital Escola, tem como objetivo facilitar a integração dos novos estudantes.



A Equipa de Apoio

Durante o processo de candidatura, pode contar com o apoio e aconselhamento de uma equipa de profissionais da UFP.
Deixe aqui a sua questão que voltaremos ao seu contacto.



Candidato NacionalCandidato País da UECandidato de outro País























Plano de Estudos

Resultado do processo de acreditação pela Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES):
Decisão: Acreditado
N.º de anos de acreditação: 2
Data da Publicação da decisão: 17/01/2023
Prazo de vigência da acreditação:  31/07/2025
Deliberação da A3ES: NCE/21/2100268
Relatório de autoavaliação: RAA-NCE/21/2100268

Mestrado Integrado · Duração: 12 Semestres · 360 ECTS*
Conforme Aviso n.º 5557/2023, de 15 de março
Área científica predominante: Medicina

* É atribuído o grau de Licenciado em Ciências Básicas de Saúde aos alunos que concluam os primeiros 180 Créditos ECTS.


1º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Coordenador da unidade curricular: Daniela Maria Martins Mendes
Professora Associada

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer os fundamentos científicos da medicina e a realidade atual da medicina do futuro;
Analisar a dimensão social da medicina e conhecer o funcionamento dos sistemas de saúde;
Conhecer os conceitos básicos de bioestatística e sua aplicação às ciências médicas;
Compreender a teoria das probabilidades e o papel na inferência estatística e nas decisões clínicas;
Entender e interpretar corretamente dados e resultados estatísticos na literatura médica;
Conhecer os princípios básicos da epidemiologia e sua aplicação nas ciências médicas;
Reflectir sobre as fronteiras científicas e bioéticas da medicina;
Gramática, psicossociologia e ética da comunicação na relação médico-paciente;
Conhecer e cumprir os princípios éticos, as responsabilidades legais e garantir a confidencialidade e o sigilo profissional.

Coordenador da unidade curricular: Maria Gil Ribeiro
Professora Associada

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Compreender a estrutura e funcionamento celular a partir de relações estrutura-função e da rede de interações moleculares;
Conhecer as bases moleculares da comunicação intracelular e sinalização intercelular;
Conhecer as fases do ciclo celular e seus efeitos no organismo;
Reconhecer a importância da diferenciação, proliferação e morte celular no funcionamento orgânico;
Identificar e caracterizar diferentes tipos de tecidos do corpo humano;
Compreender mecanismos moleculares e celulares da função normal do organismo;
Conhecer propriedades das biomoléculas e implicações no funcionamento do corpo humano;
Conhecer princípios da atividade enzimática e sua regulação;
Conhecer as principais vias do metabolismo energético e anabolismo;
Adquirir competências técnicas laboratoriais das ciências básicas;
Adquirir de forma integrada conhecimentos e competências para reconhecer, diagnosticar e orientar um dano corporal físico;
Demonstrar capacidades de auto-estudo e investigação translacional.

Coordenador da unidade curricular: João Moreira Pinto
Professor Associado ou equivalente

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer os sistemas biofuncionais do corpo humano, nomeadamente, o cardiovascular, o respiratório, o nervoso e orgãos dos sentidos, e o endócrino e metabólico;
Compreender os processos embriológicos, organogénicos, de crescimento, maturação e envelhecimento dos sistemas cardiovascular, respiratório, nervoso e orgãos dos sentidos, e endócrino e metabólico;
Aprender a morfologia e estrutura dos tecidos e órgãos destes sistemas, usando métodos macroscópicos e microscópicos e técnicas de imagem e de representação virtual e gráfica;
Compreender a fisiologia destes sistemas biofuncionais de forma integrada;
Relacionar a patologia destes sistemas com a semiologia, os meios complementares de diagnóstico e as opções terapêuticas;
Executar técnicas, procedimentos e avaliações relevantes para a formação médica relacionada com estes sistemas;
Integrar conhecimentos teóricos e práticos das ciências básicas com a metodologia da aprendizagem clínica;
Demonstrar capacidade de formação contínua.

Coordenador da unidade curricular: Lúcio José de Lara Santos
Professor Catedrático

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer a cadeia de sobrevivência que interliga os diferentes elos vitais para o sucesso da reanimação;
Saber acionar a Cadeia de Sobrevivência e executar os seus diferentes passos;
Realizar suporte básico de vida;
Efetuar desfibrilhação automática externa;
Conhecer a abordagem primária a uma pessoa com trauma grave;
Conhecer técnicas de mobilização e imobilização;

Identificar as situações e executar as técnicas de primeiros socorros adequadas que visam a estabilização de uma vítima de acidente ou doença súbita até à chegada de meios de socorro mais diferenciados;
Conhecer e acompanhar as diferentes vertentes da prestação de cuidados no serviço de urgência;
Conhecer os princípios e passos da técnica asséptica;
Executar corretamente a técnica asséptica;
Desenvolver raciocínio clínico e integrar conhecimentos de temas abordados nas outras unidades curriculares.

Escolher uma das Unidades opcionais ( 1º CICLO) na tabela em baixo.

2º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Adquirir conhecimentos básicos de farmacologia;
Conhecer os principais grupos de fármacos usados na prática clínica em diferentes patologias, e seu mecanismo de ação, farmacocinética, efeitos adversos, interações medicamentosas e especificidades em populações especiais;
Conhecer os principais desafios em saúde global e a sua relação com os determinantes socioeconómicos e ambientais, o acesso aos cuidados de saúde e as abordagens de políticas públicas;
Compreender o papel dos atores da saúde global na resposta às necessidades de saúde globais históricas e emergentes;
Identificar a saúde materno-infantil como um desafio em saúde global e compreender a importância da vigilância da grávida, da criança e do adolescente nos Cuidados de Saúde Primários;
Reconhecer estratégias preventivas adequadas a problemas de saúde pública;
Integrar conhecimentos teóricos e práticos da farmacologia e terapêutica, medicina global e preventiva, e saúde materno-infantil com a metodologia da aprendizagem clínica.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Reconhecer a importância da Genética na Medicina;
Compreender a aplicação da bioinformática no conhecimento do genoma humano;
Conhecer a estrutura e função do DNA e de tipos de RNA;
Descrever os mecanismos de hereditariedade, alterações genéticas e regulação genética (clássicos e epigenéticos) e suas implicações na doença;
Conhecer métodos de estudo dos genes e sua aplicação;
Adquirir conhecimentos fundamentais em Microbiologia;
Conhecer os grupos de antimicrobianos e mecanismos de ação e resistência;
Reconhecer as manifestações clínicas, patogénese, epidemiologia e etiologia das principais infeções que atingem diferentes locais anatómicos, bem como intervir no seu diagnóstico, prevenção e tratamento;
Compreender os mecanismos da doença e integrá-los na patologia de sistemas;
Aplicar a patologia à medicina diagnóstica;
Compreender as mudanças morfofisiológicas e patologias das diferentes fases do ciclo da vida;
Demonstrar capacidades de auto-estudo e de investigação translacional.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer os sistemas biofuncionais do corpo humano, nomeadamente, o digestivo, o genito-urinário, o músculo-esquelético, cabeça, pescoço e pele, e o hematológico e imunológico;
Compreender os processos embriológicos, organogénicos, de crescimento, maturação e envelhecimento destes sistemas;
Aprender a morfologia e estrutura dos tecidos e órgãos destes sistemas, usando métodos macroscópicos e microscópicos e técnicas de imagem e representação virtual e gráfica;
Compreender e aplicar conceitos da biomecânica ao funcionamento do sistema músculo-esquelético;
Compreender a fisiologia destes sistemas de forma integrada;
Relacionar a patologia destes sistemas com a semiologia, meios complementares de diagnóstico e opções terapêuticas;
Executar técnicas, procedimentos e avaliações relevantes para a formação médica relacionada com estes sistemas;
Integrar conhecimentos teóricos e práticos das ciências básicas com a metodologia da aprendizagem clínica;
Demonstrar capacidade de formação contínua.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Aquisição de conhecimentos base de Semiologia;
Colheita e organização de história clínica e conhecer a importância na decisão clínica;
Executar procedimentos semióticos dos sistemas em diferentes fases da vida em contexto normal e patológico;
Conhecer os principais métodos imagiológicos (radiografia, ultrassonografia, tomografia computorizada, ressonância magnética, cintilografia e PET), recursos técnicos e princípios físicos;
Reconhecer nos métodos de imagem a anatomia secional normal e variantes anatómicas mais comuns;
Identificar o aspeto imagiológico de condições patológicas frequentes;
Integrar a informação da imagem com os dados clínicos e anatomopatológicos;
Aplicar linguagem técnica e clínica na avaliação imagiológica;
Conhecer variáveis associadas ao padrão de qualidade nos vários exames imagiológicos;
Conhecer princípios de proteção radiológica;
Iniciação à obtenção de janelas ecográficas;
Conhecer diversos cenários assistenciais e elementos das equipas.

Escolher uma das Unidades opcionais ( 1º CICLO) na tabela em baixo.

3º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer aspetos éticos, legais, regulamentares e metodológicos relevantes para desenho, planeamento, condução, interpretação e relato de ensaio clínico;
Compreender as etapas necessárias na preparação de projeto de investigação, protocolo clínico experimental ou ensaio clínico específico;
Integrar ferramentas de conhecimento, como epidemiologia e estatística, na abordagem baseada na evidência de problemas de saúde pública;
Desenhar e elaborar estudos estatísticos e utilizar programas e software adequados para obtenção de resultados;
Aplicar ao desenvolvimento da atividade formativa e profissional processos próprios da investigação científica e translativa;
Identificar necessidades nutricionais e de alimentação nas diferentes etapas do ciclo vital;
Conhecer bases de epidemiologia nutricional;
Interpretar corretamente indicadores antropométricos;
Reconhecer, diagnosticar e orientar no tratamento de patologias da nutrição;
Avaliar medicamente o estado nutricional e prescrever dieta adequada.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer a constituição do sistema imunológico;
Compreender os mecanismos da resposta imunológica (fisiológica e patológica) e sua modulação;
Compreender a fisiopatologia, factores de risco, e o papel das dislipidemias, hipertensão e diabetes mellitus na etiologia da aterosclerose;
Conhecer complicações cardiocerebrovasculares da aterosclerose, sua prevenção, diagnóstico e tratamento;
Compreender os mecanismos de emergência microbiana e estratégias de deteção e contenção;
Conhecer as doenças infeciosas (re)emergentes, sua etiologia, prevenção e tratamento;
Intervir na prevenção e controlo de infeções associadas a cuidados de saúde e resistência a antimicrobianos, promovendo a segurança do doente;
Compreender os mecanismos de carcinogénese e progressão tumoral;
Reconhecer doenças oncológicas e a importância da abordagem individualizada e interdisciplinar;
Adquirir competências técnicas em laboratório de simulação;
Demonstrar capacidade de comunicação interpares e perante especialistas.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Avaliar a utilidade e o custo-benefício dos exames complementares de diagnóstico numa patologia ou situação clínica;
Colheita e organização de história clínica e conhecer a sua importância na decisão clínica;
Executar diferentes procedimentos semióticos, dos aparelhos e sistemas do ser humano, nas diferentes fases do ciclo de vida, em contextos normal e patológico;
Conhecer as dificuldades de executar a história clínica e exame físico em contextos adversos;
Explicar os grandes quadros de patologia sistémica e a patologia de órgão;
Adquirir fluência na apresentação oral de casos clínicos de modo sintético e formal;
Reconhecer, estratificar e monitorizar um doente em estado crítico;
Conhecer técnicas de sedação, anestesia e analgesia;
Identificar e quantificar o grau de dor. Conhecer as bases de tratamento da dor;
Conhecer diversos cenários assistenciais;
Conhecer os diferentes elementos das equipas assistenciais e seus papéis.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer os fundamentos biológicos, psicológicos e sociais da personalidade e da conduta;
Reconhecer, diagnosticar e orientar a abordagem dos transtornos psiquiátricos; a psicoterapia;
Conhecer os principais grupos de fármacos, doseamento, vias de administração e farmacocinética. Interações e efeitos adversos;
Compreender os processos de prescrição e farmacovigilância;
Conhecer a farmacologia dos diferentes sistemas biofuncionais;
Mostrar capacidade para refletir criticamente sobre a actividade profissional;
Comunicar conhecimentos, metodologias, ideias, problemas e soluções de forma clara e precisa a todo o tipo de públicos, especializados ou não.

Escolher uma das Unidades opcionais ( 1º CICLO) na tabela em baixo.

(A) UNIDADES OPCIONAIS ( 1º CICLO)

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º, 2º e 3º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
A presente unidade curricular pretende dotar os estudantes de conhecimentos básicos na área do ambiente, fazendo a ponte com os principais problemas ambientais da atualidade, e com relação directa na saúde pública. O estudante deverá compreender, nomeadamente, o impacto ambiental e efeitos na saúde humana das principais classes de poluentes (e.g. fármacos, microplásticos e outros) e das alterações climáticas (e.g. doenças de veiculação hídrica transmitidas por insectos vectores e outras). Simultanemente o aluno deverá reconhecer a importância crescente da ecotoxicologia na abordagem a estes tópicos (e.g. biomonitorização, bio-ensaios, biomarcadores e outros). O aluno deverá ser capaz de aplicar os conhecimentos obtidos e as competências adquiridas nesta unidade curricular na sua atividade profissional, enquanto profissional de saúde, numa pespectiva de prevenção da doença.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Compreender a natureza do comportamento humano;
Usar teorias psicológicas para explicar o comportamento saudável;
Explicar aspetos do desenvolvimento humano, do ciclo vital, e das dinâmicas relacionais e familiares e como afetam o comportamento individual;
Discutir como a identidade, motivação e personalidade moldam o comportamento;
Descrever a influência da cognição e das emoções no comportamento;
Demonstrar como a doença impacta o ajustamento psicológico;
Aplicar modelos comportamentais na promoção do funcionamento ótimo de indivíduos, famílias e comunidade;
Compreender a importância da análise comportamental e das mudanças comportamentais na prática médica;
Exemplificar como a abordagem biopsicossocial pode ser aplicada na compreensão da saúde e de comportamentos saudáveis;
Desenvolver competências de processo profissional, incluindo relação terapêutica, comunicação eficaz e valores éticos, a aplicar em diversos contextos de saúde.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Refletir acerca da importância da comunicação interpessoal e identificar todas as formas de comunicação existentes para além da fala;
Dominar conhecimentos básicos acerca da comunicação gestual e gráfica;
Identificar candidatos a programas de CAA e justificar a pertinência da sua aplicação;
Adaptar o estilo comunicativo de acordo com as necessidades do utente na prestação de cuidados de saúde;
Perceber a necessidade de atender às características culturais e ambientais para melhor adequação do processo de comunicação;
Justificar a importância do uso de produtos de apoio para a comunicação;
Reconhecer a importância de um trabalho em equipa (com a família) no âmbito da CAA, com conhecimento do papel dos vários intervenientes.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º, 2º e 3º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Adquirir conhecimentos e competências práticas sobre o exercício físico e o seu impacto na saúde;
Entender os benefícios e riscos inerentes ao exercício físico;
Reconhecer as diferentes componentes do exercício físico;
Identificar os diferentes tipos de exercício físico para as diferentes populações, com e sem patologias associadas.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Pretende-se que o estudante domine as técnicas de investigação e de produção com vista à correcta execução do trabalho científico e desenvolva competências estruturantes de natureza teórico-prática que lhe permitam conhecer e aplicar estruturas discursivas utilizáveis na sua área de formação. Para dotar os alunos das competências específicas a desenvolver no âmbito desta unidade curricular, existe uma correspondência direta entre os conteúdos de cada conteúdo programático lecionado e as competências específicas a desenvolver.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer a evolução histórica da medicina: da antropologia da medicina elemental à medicina dos biossensores; da semiologia médica da palpação à medicina de precisão; a relação médico-paciente: da medicina natural à farmacêutica;
Conhecer os fundamentos científicos da medicina e a realidade atual da medicina do futuro;
Conhecer a evolução da organização dos serviços de saúde e sua gestão, política, económica e técnica.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Compreensão de textos teóricos sobre a forma como as tecnologias em rede transformam os processos humanos de conhecimento, contextualizando criticamente as interfaces digitais, o software e as formas de comunicação em rede. Capacidade de compreensão de problemas em contextos multidisciplinares, integrando conhecimentos. Comunicar resultados da investigação.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer a tipologia de estudos científicos: qualitativos, quantitativos, quasi-experimental, randomizado;
Aprender a desenhar um estudo científico: propósito do estudo, recursos e métodos, caracterização da amostra (dimensão, sexo, idades, sociodemográfica, etc.), análise estatística e significância, resultados, discussão e conclusões;
Analisar artigos científicos, a partir de leitura crítica e ensaiar uma réplica;
Adquirir competências para fazer leituras e apresentações orais; para argumentar e para escrever com clareza, com concisão, sem redundância, e com precisão conceptual;
Conhecer os princípios da ética em ciência.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Compreender a relevância social e clínica da Dor, nos seus diversos componentes. Sistematizar conceitos fisiológicos básicos. Conhecer as particularidades da dor aguda e da dor crónica, valorizando populações específicas em função da faixa etária e do tipo de patologia. Rever as técnicas farmacológicas e não farmacológicas mais frequentemente utilizadas no tratamento da dor.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
A abordagem geral da Reanimação e situações de Risco de Vida constitui uma responsabilidade médica, universal a todos os profissionais, ainda que com grau de diferenciação consoante a área de especialização. Contudo, é pressuposto básico do ensino médico a preparação do futuro clínico em matérias nucleares e fundamentais para a gestão das situações que colocam em risco a vida. Assim, a abordagem da emergência médica e traumática, bem como, a organização e o funcionamento do sistema de socorro nacional faz parte do conhecimento médico essencial. Saber integrar estes cuidados numa situação de catástrofe é um dos objetivos desta UC.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Sabendo-se que “os estudos humanísticos são as hormonas que catalisam o pensamento e humanizam a prática médica” (William Osler), propõe-se:
Compreender como os fatores sociais, psicológicos e particularmente culturais afetam a saúde;
Evidenciar o papel da cultura em geral e das artes em particular na formação e desempenho dos médicos;
Perspetivar o papel das artes na humanização da prática médica;
Refletir no ser humano enquanto produto do que sente, pensa e produz;
Verificar que as manifestações da experiência pessoal, influenciam incisivamente o resultado da atividade médica;
Reconhecer a existência de médicos que fazem da arte a sua própria terapia.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º, 2º e 3º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Identificar e definir a terminologia básica da neurociência cognitiva;
Aferir as origens teóricas da psicologia cognitiva e da neurociência e a sua relação e relevância para a medicina (e outras disciplinas);
Demonstrar familiaridade com os principais métodos neuropsicológicos e de imagiologia usados na neurociência cognitiva, e desenvolver uma compreensão dos seus pontos fortes e fracos;
Compreender e explicar os processos biológicos subjacentes à cognição humana, especialmente no que diz respeito à relação entre estruturas cerebrais, atividade e funções cognitivas;
Avaliar criticamente as descobertas observadas no domínio da neurociência cognitiva.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
As novas plataformas terapêuticas visam ultrapassar barreiras biológicas mediante o uso de nanomateriais com vista à:
Edição do genoma humano;
Estratificação de doentes com base em biomarcadores e informação genética;
Caracterização de barreiras específicas para atingir tecidos alvo;
Criação de terapias celulares de matriz autóloga;
Modulação do sistema imunitário e da resposta imunitária;
Direccionamento activo às células do sistema imunitário;
Caracterização da farmacocinética alterada por estados de doença;
Administração intracelular de fármacos;
Modulação da administração intratumoral de fármacos quimioterapêuticos.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 1º, 2º e 3º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Descrever e aplicar conceitos no âmbito das ciências da nutrição, alimentação e dietética;
Identificar os fatores que influenciam as escolhas alimentares;
Indicar os nutrientes, classificações, funções, digestão, absorção, metabolismo, fontes alimentares e recomendações;
Descrever os grupos alimentares e as suas características;
Explicar os princípios e de uma alimentação saudável e equilibrada;
Analisar informação;
Trabalhar em equipa;
Desenvolver espírito crítico e resolver problemas.

4º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Adquirir/desenvolver conhecimentos do léxico cirúrgico; aspetos globais da patologia cirúrgica e a sua fisiopatologia; situações clínicas com indicação cirúrgica eletiva e urgente; exames complementares; princípios do tratamento cirúrgico e técnicas cirúrgicas mais usuais; síndromes e complicações pós-cirúrgicas mais frequentes;
Interpretar os achados da anamnese, exame objetivo e exames complementares de diagnóstico; avaliar/interpretar os dados obtidos para formular diagnósticos e definir o tratamento; executar procedimentos e técnicas cirúrgicas básicas; Antever o prognóstico e outros aspetos importantes para o doente e família, avaliar o risco cirúrgico e dominar os seus instrumentos de avaliação;
Realizar os protocolos de pré-habilitação do doente cirúrgico e os protocolos em situações de emergência;
Conhecer os recursos técnicos para o ato cirúrgico no contexto da unidade de saúde;
Desenvolver competências clínicas no âmbito da Cirurgia e especialidades médicas relacionadas.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Reconhecer as doenças, urgências e emergências neurológicas, oftalmológicas, musculoesqueléticas e urológicas mais comuns e saber como orientá-las, incluindo quando e como referenciar para Especialista;
Adquirir e integrar conhecimentos clínicos com conhecimentos das ciências básicas, para ser capaz de prevenir, diagnosticar e tratar as doenças mais comuns;
Desenvolver capacidades e aptidões no exame clínico (história clínica, exame físico e neurológico) e no estabelecimento de diagnósticos diferenciais;
Ter sentido crítico sobre indicações para tratamento médico, cirúrgico e de reabilitação, e saber planear tratamentos;
Reconhecer a importância do exercício profissional integrado em equipas de saúde na orientação destas doenças;
Dominar técnicas simples de diagnóstico coadjuvantes da clínica e procedimentos básicos;
Aplicar competências de comunicação clínica na relação médico-doente.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Utilizar uma sequência estruturada de avaliação do doente e sistematizar dados;
Identificar o doente em dificuldade respiratória;
Identificar, avaliar e tratar disfunção e falência respiratória;
Identificar, avaliar e tratar situações de disfunção/falência circulatória;
Saber realizar o exame neurológico. Conhecer exame neurológico normal. Conhecer e interpretar as alterações semiológicas e sua implicação clínica;
Identificar o doente com disfunção neurológica. Conhecer a abordagem, orientação diagnóstica e terapêutica;
Reconhecer os quadros clínicos das diferentes doenças do sistema nervoso;
Identificar avaliar e tratar o doente com disfunção/falência hematológica. Conhecer as indicações de utilização de componentes e derivados do sangue e suas complicações;
Identificar situações de perigo iminente (urgentes e emergentes) e conhecer orientação diagnóstica e tratamento imediato.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Adquirir e integrar conhecimentos clínicos (semiologia, fisiopatologia, propedêutica e clínica – diagnóstico, gravidade, prognóstico) com conhecimentos básicos (anatomia, fisiologia, anatomia patológica, biologia, imunologia, genética, outros) para ser capaz de prevenir, diagnosticar e tratar as doenças mais comuns dos aparelhos e/ou sistemas;
Desenvolver capacidades e aptidões no exame clínico (história clínica e exame físico) e no estabelecimento de diagnósticos diferenciais, com ênfase nos sinais e sintomas e nas abordagens clínicas das patologias mais frequentes e dos síndromes clínicos principais;
Conhecer as possibilidades terapêuticas e saber como planear tratamentos;
Desenvolver o raciocínio clínico e o conceito de abordagem multidisciplinar do doente;
Adquirir conhecimentos teóricos e práticos acerca de técnicas de diagnóstico coadjuvantes da clínica; e 6)aplicar competências de comunicação clínica para uma relação médico-doente otimizada.

Escolher uma das Unidades opcionais ( 2º CICLO) na tabela em baixo.

5º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Complementar o desenvolvimento de competências clínicas no âmbito da Cirurgia e especialidades médicas relacionadas expandindo-se para as áreas da oncologia cirúrgica não abordadas anteriormente. No âmbito da Cirurgia Vascular são objetivos de aprendizagem os conceitos epidemiológicos, de diagnóstico e tratamento das doenças arteriais agudas e crónicas, obstrutivas e aneurismáticas e das doenças veno-linfáticas nas suas vertentes aguda e crónica. No âmbito da Cirurgia Plástica são objetivos do conhecimento a cirurgia reconstrutiva da cabeça, pescoço, mama e membros, os aspetos clínicos da estética da mama e da remodelação corporal e a fisiopatologia do doente queimado. No âmbito da Cirurgia minimamente invasiva os estudantes tomam conhecimento dos avanços tecnológicos registados na cirurgia geral que possibilitam tornar os atos cirúrgicos mais precisos, menos invasivos para o paciente e com pós-operatório mais suave.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Reconhecer as doenças, urgências e emergências ginecológicas, obstétricas, pediátricas e otorrinolaringológicas mais comuns e saber orientá-las, incluindo quando e como referenciar para Especialista;
Adquirir e integrar conhecimentos clínicos com conhecimentos das ciências básicas, para ser capaz de prevenir, diagnosticar e tratar as doenças mais comuns;
Desenvolver capacidades e aptidões no exame clínico (história clínica, exame físico e neurológico) e no estabelecimento de diagnósticos diferenciais;
Ter sentido crítico sobre indicações para tratamento médico e cirúrgico, e saber planear tratamentos;
Reconhecer a importância do exercício profissional integrado em equipas de saúde na orientação destas doenças;
Dominar técnicas simples de diagnóstico coadjuvantes da clínica e procedimentos básicos;
Aplicar competências de comunicação clínica na relação médico-doente;
Compreender a relevância da prevenção da doença;
Adquirir competências para a prática de uma Medicina Preventiva Clínica.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Utilizar sequência estruturada de avaliação do doente e sistematizar dados;
Realizar análise sistemática da gasometria. Identificar insuficiência respiratória, desequilíbrios ácido-base e hidroeletrolítico. Conhecer causas e abordagem terapêutica;
Identificar síndromes hipoglicémica e hiperosmolares. Conhecer causas, abordagem diagnóstica e terapêutica;
Identificar suspeita de intoxicação. Identificar diferentes agentes causadores. Identificar e abordar síndromes de abstinência. Conhecer manifestações clínicas, diagnóstico diferencial e tratamento;
Identificar as principais disritmias. Conhecer abordagem e critérios de gravidade;
Identificar o nível de consciência e coma. Conhecer causas de coma e a abordagem do doente em coma;
Identificar situações de insuficiência renal e conhecer principais causas. Conhecer lesão renal aguda e doença renal crónica;
Identificar situações de perigo iminente (urgentes e emergentes), conhecer orientação diagnóstica e tratamento imediato.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Adquirir e integrar conhecimentos clínicos (semiologia, fisiopatologia, propedêutica e clínica – diagnóstico, gravidade, prognóstico) com conhecimentos básicos (anatomia, fisiologia, anatomia patológica, biologia, imunologia, genética, outros) para ser capaz de prevenir, diagnosticar e tratar as doenças mais comuns dos aparelhos e/ou sistemas;
Desenvolver capacidades e aptidões no exame clínico (história clínica e exame físico) e no estabelecimento de diagnósticos diferenciais, com ênfase nos sinais e sintomas e nas abordagens clínicas das patologias mais frequentes e dos síndromes clínicos principais;
Conhecer as possibilidades terapêuticas e saber como planear tratamentos;
Desenvolver o raciocínio clínico e o conceito de abordagem multidisciplinar do doente;
Adquirir conhecimentos teóricos e práticos acerca de técnicas de diagnóstico coadjuvantes da clínica;
Aplicar competências de comunicação clínica para uma relação médico-doente otimizada.

Escolher uma das Unidades opcionais ( 2º CICLO) na tabela em baixo.

6º ANO

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
O objectivo genérico desta unidade curricular visa permitir ao estudante refletir sobre o trabalho de investigação científica que deve apresentar à apreciação de um júri, para concluir o plano de estudos e obter o grau de Mestre em Medicina. Este trabalho pode revestir o formato de um artigo científico publicável em revista, jornal científico ou open source, em qualquer caso com revisão por pares e impacto no Scopus e no Web of Science. Ou pode revestir o formato de uma dissertação de mestrado. Num formato ou no outro, o trabalho, além da originalidade da pesquisa, isto é, da inovadora pergunta de investigação e adequada busca de respostas, deve adotar uma linguagem científica que seja entendida pelos especialistas do tema escolhido mas também por um público não especializado mas culturalmente interessado. O trabalho de conclusão do mestrado deve ser apresentado em versão original em Português acompanhado da tradução em Inglês ou vice-versa.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Reconhecer as doenças, urgências e emergências oncológicas e dermatológicas mais comuns e saber como orientá-las, incluindo quando e como referenciar para Especialista;
Adquirir e integrar conhecimentos clínicos com conhecimentos das ciências básicas, para ser capaz de prevenir, diagnosticar e tratar as doenças mais comuns;
Desenvolver capacidades e aptidões no exame clínico (história clínica, exame físico e neurológico) e no estabelecimento de diagnósticos diferenciais;
Ter sentido crítico sobre indicações para tratamento médico e cirúrgico e saber planear tratamentos;
Reconhecer a importância do exercício profissional integrado em equipas de saúde na orientação destas doenças;
Dominar técnicas simples de diagnóstico coadjuvantes da clínica e procedimentos básicos;
Aplicar competências de comunicação clínica na relação médico-doente.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
O CSIV destina-se a treinar profissionais de saúde como membros de equipas de reanimação;
O CBEcoDC capacitará os alunos na avaliação básica de um doente com ecografia;
O Curso de Trauma tem como objetivos capacitar os formandos a desempenhar funções como membros das equipas de trauma e com competências comunicacionais e de trabalho em equipa;
O CSIG pretende dotar os alunos de conhecimentos sobre Sépsis o que é, como se reconhece e estratifica a gravidade e como se trata; tipos de infeções; utilização correta de antimicrobianos;
O CVnI permitirá estruturar conhecimentos na abordagem do paciente com insuficiência respiratória aguda; conhecer os princípios básicos de ventilação; conhecer numa perspetiva de atuação prática vários equipamentos e interfaces disponíveis;
Nos seminários serão sedimentados os conhecimentos e competências adquiridas nos cursos.

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Identificar e orientar doentes com indicação cirúrgica (incluindo de ambulatório) e situações de emergência;
Realizar técnicas de pequena cirurgia e pensos cirúrgicos;
Conhecer as especificidades do doente cirúrgico oncológico;
Aplicar o método clínico nos vários grupos etários;
Reconhecer e diagnosticar patologias da área pediátrica e do adolescente;
Reconhecer o padrão normal das fases da vida reprodutiva da mulher e gravidez;
Reconhecer e diagnosticar patologias das áreas ginecológica e obstétrica;
Conhecer os princípios da saúde pública e comunitária, nomeadamente, na prevenção, rastreio, diagnóstico precoce, promoção da saúde e bem-estar;
Aplicar conhecimentos e competências de comunicação;
Promover competências de intervenção e encaminhamento na área da saúde mental;
Executar procedimentos/técnicas clínicos (de diagnóstico e terapêuticos) básicos;
Comunicar e relacionar-se com doentes e familiares, interagir com os restantes profissionais.

(B) UNIDADES OPCIONAIS ( 2º CICLO)

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
A UC terá 2 objetivos principais: a) fornecer aos estudantes uma visão geral das bases fisiológicas do sono que lhes permita uma avaliação dos mecanismos fisiológicos subjacentes com que irão contactar na sua futura formação académica e vida profissional clínica; b) fornecer aos estudantes uma introdução às metodologias de investigação científica que lhes permita a continuação de investigação nesta área em programas ulteriores de formação pós-graduada.
As competências a desenvolver serão: a) compreender a importância do sono como parte integrante da promoção da saúde e da prevenção da doença; b) identificar os estados, as fases e a organização do sono e suas funções; c) reconhecer as diferentes necessidades de sono e distúrbios do sono em função da fase do ciclo de vida e na interação com os sistemas do corpo humano; d) desenvolver competências no âmbito da intervenção autónoma e interdependente do exercício profissional em Medicina, aplicando conceitos básicos na Fisiologia do Sono.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Aquisição de conhecimentos e competências práticas sobre metodologias de planeamento e atuação clínica perante as doenças tropicais mais frequentes e em situações de medicina do viajante.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecer principais mecanismos de infeção;
Conhecer principais métodos e práticas de prevenção da infeção;
Conhecer principais mecanismos de resistência aos antibióticos.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Caracterizar Inteligência Artificial (IA) e Aprendizagem automática (AA);
Identificar aplicações de IA / AA na Saúde;
Descrever software como dispositivo médico;
Identificar oportunidades e desafios de software como dispositivo médico;
Reconhecer aplicações de software como dispositivo médico;
Identificar questões regulatórias e suas implicações.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Aquisição de conhecimentos teóricos e competências práticas em oncologia. Aquisição de conhecimentos sobre metodologias de diagnóstico, estadiamento, seguimento, terapêutica, intervenção e comunicação clínica em contexto da oncologia.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Conhecimentos na área da Medicina Desportiva e do Exercício. Principais área relacionadas com a Medicina Desportiva. Avaliação e exame médico desportivo. A prescrição de exercício físico, de lazer ou terapêutico. Prática da Medicina Desportiva nas suas principais vertentes. Principais lesões relacionadas com a prática de desporto e exercício físico. Elaboração e aconselhamento de programas de prevenção de lesões no desporto. Aconselhamento sobre nutrição e suplementação no Desporto. Os alunos deverão adquirir experiência e competência na avaliação e orientação de um atleta praticante de desporto, na vertente de competição ou de lazer, orientando ainda uma equipa nos seus diferentes níveis de organização e competição.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
A Medicina Narrativa visa dar formação avançada sobre o papel, a importância e os limites das narrativas e da comunicação no encontro clínico, cruzando saberes e procurando contribuir para práticas terapêuticas eticamente conscientes. Tem como um dos seus objetivos primários a aquisição de conhecimentos relativamente ao recente conceito de Medicina Narrativa bem como dos respetivos métodos e práticas (Charon 2006; Hurwitz 2011). Também visa desenvolver nos estudantes estratégias comunicativas e de autoconsciência como instrumentos facilitadores da sua prática.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Esta unidade curricular tem como principais objetivos dotar os estudantes dos mais modernos conceitos e atuais tendências da liderança e gestão em saúde, demonstrando a sua importância prática e indispensabilidade para que se possa responder às exigências de mudança que avassaladoramente que se abatem no setor. A melhoria dos cuidados de saúde exige o desenvolvimento de estruturas educacionais familiarizadas com o mundo complexo da saúde onde, como se sabe, a inovação não pára de se manifestar. Paralelamente com os conhecimentos (científicos, organizacionais e experienciais; tácitos e explícitos; sequenciais e interativos), os estudantes devem possuir ideias corretas sobre os diversos tipos de aptidões e atitudes, bases indispensáveis para aquisição de competências. Importa ainda compreender o significado de se ser competente pelo que se dará à educação baseada em competências o necessário relevo de modo a que os estudantes se possam movimentar futuramente com desenvoltura.

Esta UC corresponde à oferta formativa do 4º e 5º ano

Objetivos da Unidade Curricular e Competências a Desenvolver
Através da presente unidade pretende-se que os estudantes assimilem os conceitos essenciais das áreas políticas e legais de Saúde. Numa área tão ampla que se estende desde os direitos do paciente até à regulação do medicamento, a relação jurídica entre paciente e prestador do serviço de saúde não pode, em qualquer momento, ser descurada. Com esta unidade curricular, o estudante deverá adquirir competências para ser sensível às várias problemáticas que a abordagem da saúde, no seu contexto e enquadramento individual (paciente) e colectivo (sociedade), podem suscitar.

Coordenação do Ciclo de Estudos

Coordenador:
Prof. Doutor Lúcio Lara Santos

Coordenadora Adjunta:
Prof.ª Doutora Daniela Martins Mendes

Candidatura & Propinas

CONDIÇÕES GERAIS DE CANDIDATURA – ANO LETIVO 2024/25
Antes de proceder à candidatura deverá ler com muita atenção a Regulamento do Ingresso  (PDF)   

A) TERMINEI O ENSINO SECUNDÁRIO EM PORTUGAL

Candidatos nacionais 

  • Ter concluído, ou ser finalista, de um curso de ensino secundário em Portugal;
  • Ter realizado as provas de ingresso de Biologia e Geologia (02) / Física e Química (07) /Matemática A (19),  com a classificação não inferior a 95 pontos (0 a 200).
  • Nota mínima de candidatura para ser remetida à seriação 95/200: 50% da classificação do ensino secundário + 50% média aritmética das classificações nas provas de ingresso.

Observação: Os exames finais nacionais  realizados a partir de 2022, inclusive, são válidos como provas de ingresso no ano da sua realização e nos quatro anos subsequentes, nos termos da Deliberação n.º 1043/2021 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior,  publicada no DR Nº 199 – 2ª série, de 13 de outubro.

Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal ) preenchido por um Médico registado na Ordem dos Médicos em Portugal – declaração médica sob a forma de resposta a um questionário, nos termos da Deliberação n.º 338/2023 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (Anexo III) (PDF) publicada no DR Nª 60, de 24 de março.

Em relação à lingua inglesa, deverá ter em atenção o seguinte:

Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).

  • Caso não possua documentação comprobatória, o aluno poderá ser submetido a um exame interno na UFP para avaliar o seu domínio da língua.
  • No momento da candidatura, o aluno deve assumir que toma conhecimento das exigências da língua inglesa e que tal é indispensável para poder ter sucesso nos seus estudos.
  • Comprovativos e testes podem ser apresentados posteriormente.
  • No momento da candidatura, o aluno deverá assinar uma declaração em que toma conhecimento da importância e do nível de conhecimento recomendado.

Em relação à lingua portuguesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.
  • Candidatos estrangeiros (não falantes de português) podem apresentar comprovativos de conhecimento da língua, ou realizar um exame interno para aferir o nível de conhecimentos.
  • Em função dos resultados, serão (obrigatoriamente, se necessário) matriculados nos cursos de Português organizados pela Academia Fernando Pessoa (AFP), seguindo um percurso que lhes permite ter o nível requerido na fase em que o mesmo é exigido (exigido nível B2, ou equivalente, para poder inscrever-se e iniciar o quarto ano curricular).
  • No momento da candidatura, o aluno toma conhecimento e aceita realizar estudos de português com vista a alcançar o nível mínimo exigido.

  1. Documento de identificação;
  2. Certificado de habilitações;
  3. Ficha de classificação dos exames nacionais do ensino secundário (Ficha ENES) do ano civil em que apresenta a candidatura;
  4. Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

Observação: Se o candidato estiver a frequentar o ensino secundário, deverá apresentar as classificações obtidas até à data submetendo, oportunamente, os documentos oficiais finais.

Além da documentação, a candidatura ao MIM implica o pagamento da taxa de candidatura (não reembolsável).

Candidatura exclusivamente online, no inforestudante, nas datas indicadas no calendário.
Deverá ler toda a informação com muita atenção antes de submeter a sua candidatura.

1ª FASE : 20 Vagas 

Candidaturas (online): 04 de março a 17 de julho de 2024
Anúncio dos resultados: 22 de julho de 2024
Matrícula (online): 22 a 31 de julho de 2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 22 de julho a 17 de agosto de 2024
Início do ano letivo: 09 de setembro de 2024

2ª FASE: 10 Vagas + ( vagas sobrantes da 1ª Fase).

Candidaturas (online): 05 a 30 de agosto de 2024
Anúncio dos resultados: 06 de setembro de 2024
Matrícula (online): 06 a 08 de setembro de 2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 06 a 13 de setembro de 2024
Início do ano letivo: 09 de setembro de 2024

Observação: As vagas comunicadas e não ocupadas nos concursos institucionais (1ª e 2ª fases) serão transferidas para os concursos especiais, a realizar em setembro de 2024, de acordo com o calendário a divulgar oportunamente.

Candidatura: 200,00€
Inscrição anual (Matrícula)*: 1.000,00€
Prestação única (Anuidade paga no ato da matrícula): 15.675,00€
Pagamento em 11 prestações (1.ª prestação paga no ato da matrícula. As restantes 10 prestações, pagas até ao dia 10 dos meses seguintes – setembro a junho): (11 x 1.500,00€) = 16.500,00 €

Nota: Não há devolução de qualquer pagamento efetuado.
* Inclui seguro de estudante, acesso gratuito à Internet e ao sistema Intranet da UFP.


B) TERMINEI O ENSINO SECUNDÁRIO NUM PAÍS DA UE


Candidatos não nacionais 

  • Ter concluído, ou ser finalista, de um curso de ensino secundário de um país da União Europeia;
  • Ter realizado as provas de ingresso de Biologia e Geologia (02) / Física e Química (07) /Matemática A (19),  com a classificação não inferior a 95 pontos (0 a 200).
  • Nota mínima de candidatura para ser remetida à seriação 95/200: 50% da classificação do ensino secundário + 50% média aritmética das classificações nas provas de ingresso.

Observações:
(1) Os exames de ingresso requeridos são considerados equivalentes aos exames nacionais portugueses correspondentes, nos termos da Deliberação n.º 606/2022 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (PDF)
(2) Os exames nacionais ou respetivas provas homólogas do ensino secundário estrangeiro realizados a partir de 2022, inclusive, são válidos para a apresentação da candidatura no ano da sua realização e nos quatro anos subsequentes, nos termos da Deliberação n.º 414/2023 da CNAES, publicada no Diário da República – 2.ª série – n.º 76, de 18 de abril (PDF)

Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal ) preenchido por um Médico registado na Ordem dos Médicos em Portugal – declaração médica sob a forma de resposta a um questionário, nos termos da Deliberação n.º 338/2023 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (Anexo III) (PDF) publicada no DR Nª 60, de 24 de março.

Em relação à lingua inglesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).
  • Caso não possua documentação comprobatória, o aluno poderá ser submetido a um exame interno na UFP para avaliar o seu domínio da língua.
  • No momento da candidatura, o aluno deve assumir que toma conhecimento das exigências da língua inglesa e que tal é indispensável para poder ter sucesso nos seus estudos.
  • Comprovativos e testes podem ser apresentados posteriormente.
  • No momento da candidatura, o aluno deverá assinar uma declaração em que toma conhecimento da importância e do nível de conhecimento recomendado.

Em relação à lingua portuguesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.
  • Candidatos estrangeiros (não falantes de português) podem apresentar comprovativos de conhecimento da língua, ou realizar um exame interno para aferir o nível de conhecimentos.
  • Em função dos resultados, serão (obrigatoriamente, se necessário) matriculados nos cursos de Português organizados pela Academia Fernando Pessoa (AFP), seguindo um percurso que lhes permite ter o nível requerido na fase em que o mesmo é exigido (exigido nível B2, ou equivalente, para poder inscrever-se e iniciar o quarto ano curricular).
  • No momento da candidatura, o aluno toma conhecimento e aceita realizar estudos de português com vista a alcançar o nível mínimo exigido.

  1. Documento de identificação da União Europeia – Cartão de cidadão ou Passaporte;
  2. Certificado de habilitações, legalmente equivalente ao Diploma Português;
  3. Declaração de Equivalência emitido por uma Escola Secundária Portuguesa ou pela Direção Geral de Educação (Decreto-Lei nº 227/2005, de 28 de dezembro [ver])
  4. Documento comprovativo das classificações dos exames de ingresso exigidos, considerados equivalentes aos correspondentes exames nacionais portugueses, do ano civil em que apresenta a candidatura;
  5. Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

Observação: Se o candidato estiver a frequentar o ensino secundário, deverá apresentar as classificações obtidas até à data submetendo, oportunamente, os documentos oficiais finais.

Além da documentação, a candidatura ao MIM implica o pagamento da taxa de candidatura (não reembolsável).

Candidatura exclusivamente online, no inforestudante, nas datas indicadas no calendário.
Deverá ler toda a informação com muita atenção antes de submeter a sua candidatura.

1ª FASE : 20 Vagas 

Candidaturas (online): 04 de março a 17 de julho de 2024
Anúncio dos resultados: 22 de julho de 2024
Matrícula (online): 22 a 31 de julho de 2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 22 de julho a 17 de agosto de 2024
Início do ano letivo: 09 de setembro de 2024

2ª FASE: 10 Vagas + ( vagas sobrantes da 1ª Fase).

Candidaturas (online): 05 a 30 de agosto de 2024
Anúncio dos resultados: 06 de setembro de 2024
Matrícula (online): 06 a 08 de setembro de 2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 06 a 13 de setembro de 2024
Início do ano letivo: 09 de setembro de 2024

Observação: As vagas comunicadas e não ocupadas nos concursos institucionais (1ª e 2ª fases) serão transferidas para os concursos especiais, a realizar em setembro de 2024, de acordo com o calendário a divulgar oportunamente.

Candidatura: 200,00€
Inscrição anual (Matrícula)*: 1.000,00€
Prestação única (Anuidade paga no ato da matrícula): 19.475,00€
Pagamento em 11 prestações (1.ª prestação paga no ato da matrícula. As restantes 10 prestações, pagas até ao dia 10 dos meses seguintes – setembro a junho): (1 x 1.500,00€) + (10 x 1.900,00€) = 20.500,00 €

Nota: Não há devolução de qualquer pagamento efetuado.
* Inclui seguro de estudante, acesso gratuito à Internet e ao sistema Intranet da UFP.

C) SOU ESTUDANTE INTERNACIONAL

Pode apresentar-se ao concurso especial para estudantes internacionais o candidato que satisfaça cumulativamente as seguintes condições:

  • Não ter nacionalidade portuguesa.
  • Não ser titular de um diploma do ensino secundário português ou de habilitação legalmente equivalente.
  • Não ser nacional de um Estado membro da União Europeia;
  • Não ser familiar de portugueses ou de nacionais de um Estado membro da União Europeia,
    independentemente da sua nacionalidade, sendo que são familiares os que assim forem
    considerados nos termos da Lei n.º 37/2006, de 9 de agosto, designadamente:
    i) O cônjuge de um cidadão português ou nacional de um Estado membro da União Europeia;
    ii) O parceiro com quem um cidadão português ou nacional de um Estado membro da União
    Europeia vive em união de facto, constituída nos termos da lei, ou com quem mantém uma
    relação permanente devidamente certificada, pela entidade competente de Portugal ou do
    Estado membro onde reside;
    iii) O descendente direto com menos de 21 anos de idade ou que esteja a cargo de um cidadão
    português ou nacional de um Estado membro da União Europeia, assim como o do cônjuge ou do parceiro na aceção da subalínea anterior;
    iv) O ascendente direto que esteja a cargo de um cidadão português ou nacional de um Estado
    membro da União Europeia, assim como o do cônjuge ou do parceiro na aceção da subalínea
    anterior.

Pré-requisito de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal ) preenchido por um Médico registado na Ordem dos Médicos em Portugal – declaração médica sob a forma de resposta a um questionário, nos termos da Deliberação n.º 338/2023 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (Anexo III) (PDF) publicada no DR Nª 60, de 24 de março.

Ler o Regulamento de Ingresso Capitulo X (Concurso especial para estudantes internacionais):Aqui

Em relação à lingua inglesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).
  • Caso não possua documentação comprobatória, o aluno poderá ser submetido a um exame interno na UFP para avaliar o seu domínio da língua.
  • No momento da candidatura, o aluno deve assumir que toma conhecimento das exigências da língua inglesa e que tal é indispensável para poder ter sucesso nos seus estudos.
  • Comprovativos e testes podem ser apresentados posteriormente.
  • No momento da candidatura, o aluno deverá assinar uma declaração em que toma conhecimento da importância e do nível de conhecimento recomendado.

Em relação à lingua portuguesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.
  • Candidatos estrangeiros (não falantes de português) podem apresentar comprovativos de conhecimento da língua, ou realizar um exame interno para aferir o nível de conhecimentos.
  • Em função dos resultados, serão (obrigatoriamente, se necessário) matriculados nos cursos de Português organizados pela Academia Fernando Pessoa (AFP), seguindo um percurso que lhes permite ter o nível requerido na fase em que o mesmo é exigido (exigido nível B2, ou equivalente, para poder inscrever-se e iniciar o quarto ano curricular).
  • No momento da candidatura, o aluno toma conhecimento e aceita realizar estudos de português com vista a alcançar o nível mínimo exigido.

  • Passaporte extracomunitário ou, se já estiverem a residir em Portugal, Título de Residência emitido pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal;
  • Documento de identificação fiscal (para emissão de recibos);
  • Certificado da titularidade do ensino secundário não português (ver notas importantes em baixo );
  • Certificado de disciplinas de ensino secundário não português [com indicação da classificação final, com a da escala de classificações e respetiva nota mínima de aprovação] (ver notas importantes em baixo )
    Nota: Estudantes Brasileiros poderão utilizar o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nesse caso, a classificação final do ensino secundário não português terá de constar no Certificado da titularidade do ensino secundário não português, o qual terá de incluir a escala de classificações e respetiva nota mínima de aprovação (ver notas importantes em baixo )
  • Certificado que ateste a aprovação num programa de ensino e lhes confira o direito de se candidatar e poder ingressar no ensino superior no país em que foi conferido, no qual constem as classificações obtidas em cada uma das disciplinas terminais (ver notas importantes em baixo );
  • Documento comprovativo de proficiência em língua portuguesa  [não aplicável a nacionais de país de língua oficial portuguesa];
  • Documento comprovativo de proficiência em língua inglesa [apenas para cursos lecionados em regime bilingue];
  • Declaração, sob compromisso de honra, que se enquadra no estatuto do Estudante Internacional (modelo UFP).
  • Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

Observação: A candidatura apenas é validada após o pagamento da respetiva taxa

 

Candidatura exclusivamente online, no inforestudante, nas datas indicadas no calendário.
Deverá ler toda a informação com muita atenção antes de submeter a sua candidatura.

Ano Letivo 2024/25

1ª FASE : 4 Vagas 

Candidaturas: 4 a 10 de março 2024
Exames de ingresso e/ou de proficiência da língua portuguesa*: 27 e 28 de março 2024 (online, entre as 09h00 e as 18h00, hora de Portugal)
Afixação de resultados da candidatura: 17 de abril 2024
Reclamações: 17 a 19 de abril 2024

Matrículas Online: 18 a 24 de abril  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: até 13 de setembro 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro de 2024

2ª FASE (Vagas sobrantes – 4 vagas)

Candidaturas: 6 a 12 de maio 2024
Exames de ingresso e/ou de proficiência da língua portuguesa*: 27 e 28 de maio 2024 (online, entre as 09h00 e as 18h00, hora de Portugal)
Afixação de resultados da candidatura: 7 de junho 2024
Reclamações:  7 a 9 de junho 2024

Matrículas Online: 7 a 14 de junho  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: até 13 de setembro 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro de 2024

Observação: As vagas comunicadas e não ocupadas nos concursos institucionais (1ª e 2ª fases) serão transferidas para os concursos especiais, a realizar em setembro de 2024, de acordo com o calendário a divulgar oportunamente.

Candidatura: 200,00€
Inscrição anual (Matrícula)*: 1.000,00€
Prestação única (Anuidade paga no ato da matrícula): 19.475,00€
Pagamento em 11 prestações (1.ª prestação paga no ato da matrícula. As restantes 10 prestações, pagas até ao dia 10 dos meses seguintes – setembro a junho): (1 x 1.500,00€) + (10 x 1.900,00€) = 20.500,00 €

Nota: Não há devolução de qualquer pagamento efetuado.
* Inclui seguro de estudante, acesso gratuito à Internet e ao sistema Intranet da UFP.

D) SOU TÍTULAR DE UM CURSO SUPERIOR

Podem candidatar-se ao concurso especial para Titulares de Outros Cursos Superiores, os candidatos que satisfaçam, cumulativamente, as seguintes condições:

– Ser titular do grau de bacharel, licenciado, mestre ou doutor;
– Satisfazer os pré-requisitos, quando exigidos pelo par instituição/curso pretendido;
– Não estar abrangido pelo estatuto do estudante internacional regulado pelo Decreto-Lei n.º 36/2014, de 10 de março, alterado e republicado pelo Decreto-Lei n.º 62/2018, de 6 de agosto CONCURSOS ESPECIAIS

Pré-requisito de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal ) preenchido por um Médico registado na Ordem dos Médicos em Portugal – declaração médica sob a forma de resposta a um questionário, nos termos da Deliberação n.º 338/2023 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (Anexo III) (PDF) publicada no DR Nª 60, de 24 de março.

Ler o Regulamento de Ingresso Capitulo IX (Concurso especial para titulares de outros cursos superiores):Aqui

Em relação à lingua inglesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).
  • Caso não possua documentação comprobatória, o aluno poderá ser submetido a um exame interno na UFP para avaliar o seu domínio da língua.
  • No momento da candidatura, o aluno deve assumir que toma conhecimento das exigências da língua inglesa e que tal é indispensável para poder ter sucesso nos seus estudos.
  • Comprovativos e testes podem ser apresentados posteriormente.
  • No momento da candidatura, o aluno deverá assinar uma declaração em que toma conhecimento da importância e do nível de conhecimento recomendado.

Em relação à lingua portuguesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.
  • Candidatos estrangeiros (não falantes de português) podem apresentar comprovativos de conhecimento da língua, ou realizar um exame interno para aferir o nível de conhecimentos.
  • Em função dos resultados, serão (obrigatoriamente, se necessário) matriculados nos cursos de Português organizados pela Academia Fernando Pessoa (AFP), seguindo um percurso que lhes permite ter o nível requerido na fase em que o mesmo é exigido (exigido nível B2, ou equivalente, para poder inscrever-se e iniciar o quarto ano curricular).
  • No momento da candidatura, o aluno toma conhecimento e aceita realizar estudos de português com vista a alcançar o nível mínimo exigido.

  • Os documentos devem ser anexados aquando do preenchimento do formulário online (platafora NONIO).
  • Apresentação de fotocópia consentida dos documentos de identificação civil e fiscal;
  • Documento comprovativo da titularidade da habilitação com que concorre, com indicação da
    classificação final de curso obtida pelo candidato.
  • Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

    NOTA:
    Os candidatos que concorrem com a titularidade do diploma estrangeiro de curso superior devem ainda anexar à sua candidatura:
     
  • Documento oficial que comprove que o curso de proveniência é reconhecido como superior pela legislação do país em causa;
  •  Declaração explicativa da escala de classificações, quando esta seja diferente do sistema português (0-20 valores, nota positiva a partir do 10), emitida pela instituição de ensino onde o diploma foi obtido.
  • Os documentos oficiais emitidos por instituições de ensino estrangeiras devem ser autenticados pelos serviços oficiais de educação do respetivo país e reconhecidos pela autoridade diplomática ou consular portuguesa ou trazer a apostilha da Convenção de Haia, o mesmo devendo acontecer relativamente às traduções de documentos cuja língua original não seja a espanhola, a francesa ou a inglesa.
  • Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

Observação: A candidatura apenas é validada após o pagamento da respetiva taxa

 

Candidatura exclusivamente online, no inforestudante, nas datas indicadas no calendário.
Deverá ler toda a informação com muita atenção antes de submeter a sua candidatura.

Ano Letivo 2024/25

1ª FASE – 3 Vagas

Candidaturas: 4 a 30 de março 2024
Afixação de resultados da candidatura: 16 de abril 2024
Reclamações: 16 e 17 de abril 2024
Matrículas Online: 16 a 26 de abril  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: de 26 de abril a 10 de maio 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro 2024

2ª FASE – 0 Vagas

Candidaturas: 15 de maio a 10 de junho 2024
Afixação de resultados da candidatura12 de julho 2024
Reclamações:  12 a 14 de julho 2024
Matrículas Online: 12 a 16 de julho  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 16 a 31 de julho 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro  2024

Observação: As vagas comunicadas e não ocupadas nos concursos institucionais (1ª e 2ª fases) serão transferidas para os concursos especiais, a realizar em setembro de 2024, de acordo com o calendário a divulgar oportunamente.

Candidatura: 200,00€
Inscrição anual (Matrícula)*: 1.000,00€
Prestação única (Anuidade paga no ato da matrícula): 19.475,00€
Pagamento em 11 prestações (1.ª prestação paga no ato da matrícula. As restantes 10 prestações, pagas até ao dia 10 dos meses seguintes – setembro a junho): (1 x 1.500,00€) + (10 x 1.900,00€) = 20.500,00 €

Nota: Não há devolução de qualquer pagamento efetuado.
* Inclui seguro de estudante, acesso gratuito à Internet e ao sistema Intranet da UFP.

E) FREQUENTEI (MAS NÃO TERMINEI) UMA LICENCIATURA

Podem candidatar-se ao concurso especial para Mudança de Par Instituição/Curso, os candidatos que satisfaçam, cumulativamente, as seguintes condições:

– Ter estado matriculado e inscrito noutro par instituição/curso, português ou estrangeiro, e não o
tenha concluído;
– Ter realizado os exames nacionais do ensino secundário correspondentes às provas de ingresso
fixadas para o curso a que se candidata, no âmbito do regime geral de acesso;
– Ter tido, nesses exames, a classificação mínima exigida nesse ano, no âmbito do regime geral de
acesso

Pré-requisito de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal ) preenchido por um Médico registado na Ordem dos Médicos em Portugal – declaração médica sob a forma de resposta a um questionário, nos termos da Deliberação n.º 338/2023 da Comissão Nacional de Acesso ao Ensino Superior (Anexo III) (PDF) publicada no DR Nª 60, de 24 de março.

Ler o Regulamento de Ingresso Capitulo XI (Concurso especial Regime de Mudança de Par Instituição/Curso):Aqui

Em relação à lingua inglesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).
  • Caso não possua documentação comprobatória, o aluno poderá ser submetido a um exame interno na UFP para avaliar o seu domínio da língua.
  • No momento da candidatura, o aluno deve assumir que toma conhecimento das exigências da língua inglesa e que tal é indispensável para poder ter sucesso nos seus estudos.
  • Comprovativos e testes podem ser apresentados posteriormente.
  • No momento da candidatura, o aluno deverá assinar uma declaração em que toma conhecimento da importância e do nível de conhecimento recomendado.

Em relação à lingua portuguesa, deverá ter em atenção o seguinte:

  • Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.
  • Candidatos estrangeiros (não falantes de português) podem apresentar comprovativos de conhecimento da língua, ou realizar um exame interno para aferir o nível de conhecimentos.
  • Em função dos resultados, serão (obrigatoriamente, se necessário) matriculados nos cursos de Português organizados pela Academia Fernando Pessoa (AFP), seguindo um percurso que lhes permite ter o nível requerido na fase em que o mesmo é exigido (exigido nível B2, ou equivalente, para poder inscrever-se e iniciar o quarto ano curricular).
  • No momento da candidatura, o aluno toma conhecimento e aceita realizar estudos de português com vista a alcançar o nível mínimo exigido.

  • Apresentação de fotocópia consentida dos documentos de identificação civil e fiscal;
  • Documento comprovativo da titularidade do curso de ensino secundário e da respetiva classificação e das classificações obtidas nos exames finais nacionais do ensino secundário correspondentes às provas de ingresso exigidas para o curso a que concorre;
  • Documento atualizado comprovativo da última inscrição efetuada no ensino superior, com
    indicação, no caso de candidatos provenientes de estabelecimento de ensino superior nacional, do
    regime de ingresso.
  • Certidão das unidades curriculares realizadas no ensino superior, com indicação dos respetivos créditos;
  • Plano de estudos com referência aos créditos e áreas científicas de cada UC;
  • Certidão com os conteúdos programáticos, com indicação da carga horária das unidades curriculares
    realizadas no ensino superior, devidamente autenticados pela instituição de origem;
  • Documento comprovativo da qualificação académica específica exigida no âmbito do concurso
    especial para estudantes internacionais.
  • Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

    NOTA:
    Os candidatos que concorrem com a titularidade do diploma estrangeiro de curso superior devem ainda anexar à sua candidatura:
     
  • Em substituição da Ficha ENES, documento emitido pela entidade legalmente competente do país a
    que respeita a habilitação do ensino secundário não português indicando:
    i) A classificação final do curso;
    ii) As classificações obtidas nos exames finais desse curso que pretendam que substituam as provas
    de ingresso;
  • Documento comprovativo da equivalência do curso de ensino estrangeiro ao ensino secundário
    português, incluindo a classificação final do curso convertida para a escala de 0 a 200, emitido por
    escola secundária portuguesa;
  • Documento oficial que comprove que o curso de proveniência é reconhecido como superior pela
    legislação do país em causa.

    NOTA: Os documentos oficiais emitidos por instituições de ensino estrangeiras devem ser autenticados pelos

    serviços oficiais de educação do respetivo país e reconhecidos pela autoridade diplomática ou consular
  • Pré-requisitos de seleção: Grupo A (comunicação interpessoal )

Observação: A candidatura apenas é validada após o pagamento da respetiva taxa

Candidatura exclusivamente online, no inforestudante, nas datas indicadas no calendário.
Deverá ler toda a informação com muita atenção antes de submeter a sua candidatura.

Ano Letivo 2024/25

1ª FASE – 3 Vagas

Candidaturas: 4 a 30 de março 2024
Afixação de resultados da candidatura: 16 de abril 2024
Reclamações: 16 e 17 de abril 2024
Matrículas Online: 16 a 26 de abril  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: de 26 de abril a 10 de maio 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro 2024

2ª FASE-  2 Vagas

Candidaturas: 15 de maio a 10 de junho 2024
Afixação de resultados da candidatura: 12 de julho 2024
Reclamações:  12 a 14 de julho 2024
Matrículas Online: 12 a 16 de julho  2024
Entrega da documentação para validação da matrícula: 16 a 31 de julho 2024
Início do ano letivo: 16 de setembro  2024

Observação: As vagas comunicadas e não ocupadas nos concursos institucionais (1ª e 2ª fases) serão transferidas para os concursos especiais, a realizar em setembro de 2024, de acordo com o calendário a divulgar oportunamente.

Candidatura: 200,00€
Inscrição anual (Matrícula)*: 1.000,00€
Prestação única (Anuidade paga no ato da matrícula): 19.475,00€
Pagamento em 11 prestações (1.ª prestação paga no ato da matrícula. As restantes 10 prestações, pagas até ao dia 10 dos meses seguintes – setembro a junho): (1 x 1.500,00€) + (10 x 1.900,00€) = 20.500,00 €

Nota: Não há devolução de qualquer pagamento efetuado.
* Inclui seguro de estudante, acesso gratuito à Internet e ao sistema Intranet da UFP.

Campus

O 1º ano do Mestrado Integrado em Medicina terá as suas atividades formativas, em 2023-2024, nas instalações do Hospital-Escola Fernando Pessoa (HE-FP). A partir de 2024-2025, a Escola de Medicina e de Ciências Biomédicas (EMCB) terá o seu edifício próprio no campus de Gondomar, ao lado do HE-FP, que continuará a ser o hospital âncora da formação clínica dos estudantes do curso.


Com infraestruturas modernas e inovadoras, as instalações do HE-FP afetas à formação são:

Auditório – Com  240 lugares, o Auditório está equipado com tecnologias de som e de imagem, com canal de streaming ao bloco operatório e ao centro de anatomia e de cirurgia experimental, permitindo interatividade em tempo real entre as equipas cirúrgicas e os assistentes.
Salas Pedagógicas – Salas equipadas com as tecnologias avançadas de sistema de som, vídeo e projeção.
Salas de aprendizagem prática com simuladores
Laboratórios de Investigação e Ensino – Os laboratórios servem como um campo de ensino, de iniciação  à investigação dos estudantes de medicina e de  desenvolvimento científico  de profissionais da área da saúde.
Centro de Anatomia e Cirurgia Experimental (CACE) – Concebido e devidamente equipado para o ensino da anatomia humana e para o treino e formação avançada em todo o tipo de cirurgia.
Bloco Operatório – Dispõe de 3 salas de bloco operatório, sendo uma delas inteligente, com ligação direta para o Auditório e com tecnologia que permite a realização de videoconferências, live streaming e telemedicina.
Serviços Académicos e Administrativos
Biblioteca e Sala de Estudo – Além dos exemplares físicos, os estudantes têm acesso à Biblioteca Digital – B-on e a outros recursos digitais, sistema multifuncional de impressão, cópia e digitalização.
Refeitório
Cafetaria
Sala de Convívio e Lazer

Agende uma visita ao Campus (HE-UFP)



NacionalOutro País






















ALOJAMENTO

O HE-FP e a EMCB situam-se no campus de Gondomar, cidade contígua ao Porto, a uma distância de aproximadamente 5 km do campus da Universidade Fernando Pessoa, no Jardim da Arca D’Água. Não possuímos residências de estudantes, mas temos uma lista de parceiros preferenciais para alojamento.

Zona de Gondomar

Residência de Estudantes Inviting

2 Polos: um localizado no Freixo, que já está pronto para habitar, e outro na Conduta, que está em fase de preparação e tem previsão de conclusão até o final de setembro de 2023.

Zona do Porto

Localizados no Polo da Asprela (Campus Universitário do Porto), com acesso ao metro, autocarros e outras carreiras.

MILESTONE Porto Asprela
Os alunos da UFP não pagam taxas de reserva, bastando colocar o promocode UFP22.

LIV STUDENT Pólo Universitário
Os alunos da UFP têm 20% de desconto na taxa de reserva.

LIV STUDENT The Campus Street
Os alunos da UFP têm 50% de desconto na taxa de reserva.

U.hub XIOR Campus Asprela

Studyou Porto Asprela

Livensa Living Porto Campus
Receba 100€* ou 50€** se é um estudante da UFP.
* Reservas para um ano académico – min 285 dias, usar o código POR_UFP_AY
** Reservas para um semestre – min 151 dias, usar o código POR_UFP_SM

BigCity Porto Asprela
promocode UFP2324.

 

COMO CHEGAR

STCP Autocarros

800 >> Bolhão (centro do Porto) ⇒ Gondomar (Souto) – 60m – Paragem a 800 m do Hospital-Escola (HE)
9M (noturno)>>  Rotunda AEP ⇒ Gondomar (Souto) – 30m- Paragem a 800m do Hospital-Escola (HE)

Mais informações >> ver aqui


 Gondomarense

68 >> Hospital S. João ⇒ Hospital-Escola da Universidade Fernando Pessoa

Estão disponíveis as seguintes carreiras via Hospital- Escola da Universidade Fernando Pessoa:

05 >> Souto / Porto
06 >>Porto / Esc. Jovim (Via Atães)
07 >>Porto / Broalhos (Via Jancido)
08 >>Porto / Porqueira ( Via Covelo)
14 >> Porto / Aguiar de Sousa (Via Covelo)
16 >> Quintâ / Quintã (Circulação de Valbom)
17 >> Quintã / Quintã (Circulação de Foz de Sousa)
18 >> Jovim / Porto (Via Vessada)
19 >> Santa Comba / Porto (Via São Pedro da Cova)
23 >> Ervedosa / Porto
24 >> Ervedosa / Quintã
30 >> Covelo / Matosinhos

Mais informações >> ver aqui


 Metro do Porto

LINHA F  ⇒ até Fânzeres
Daqui um autocarro da Gondomarense (linha 68) para o Hospital-Escola da Fernando Pessoa.

Mais informações >> ver aqui

Mais informações & FAQ's

Embora o HE-FP e a futura EMCB estejam localizados em Gondomar, todos os estudantes têm livre acesso a equipamentos e outros serviços disponíveis nas instalações do Porto.

As Bibliotecas da Fundação Fernando Pessoa têm como missão permitir o acesso aos recursos de informação necessários ao desempenho das funções de ensino, investigação e aprendizagem, bem como conservar e preservar as suas coleções.

+ info

O profissionalismo, a disponibilidade e  proximidade dos colaboradores são a marca dos serviços que prestamos.
Os estudantes têm â sua disposição:

Apoio informático
Bolsas e apoios
Estágios e saídas profissionais
Ingresso e secretarias
Universidade virtual

+ info

Na UFP, atribuímos grande importância às atividades físicas e desportivas, cujo contributo sabemos ser fundamental para a saúde e bem-estar. Nesse sentido, dispomos de uma Academia de Saúde e Lazer e incentivamos o Desporto Universitário dinamizado pela Associação de Estudantes.

Também as atividades de cariz académico e cultural assumem um papel fundamental, criando valor e promovendo laços que perduram após a conclusão do percurso universitário. A Associação de Estudantes, os Núcleos de Estudantes e as Tunas são disso exemplo, comprovando a dinâmica da universidade

+ info

Este manual tem como objetivo fornecer informações essenciais e orientações importantes para a experiência académica que o estudante irá ter e ajudá-lo a facilitar a sua integração no ambiente hospitalar: (Ver aqui)


Para mais informações contacte-nos:
Telefone: 225 071 300 (chamada para a rede fixa nacional)
Email: ingresso.medicina@fundacaofernandopessoa.pt

ESTUDAR MEDICINA NA UFP

  • Quem se pode candidatar ao Mestrado Integrado de Medicina no ano letivo de 2024-2025?

Para o ano letivo de 2024-2025, a candidatura será feita através de vários regimes (regime geral de acesso), reservado a titulares de um curso de ensino secundário, ou de habilitação legalmente equivalente, obtido em Portugal ou num país da UE. A candidatura através de concursos especiais também está prevista para este ano letivo, seja para Estudante Internacional, titulares de Curso Superior e Mudança de Par Instituição/Curso.

  • Tenho uma licenciatura. Posso candidatar-me ao Mestrado Integrado de Medicina no ano letivo de 2024-2025?

Sim. Existe um concurso especial de acesso ao Mestrado Integrado de Medicina por detentores do grau de licenciado. No entanto, a candidatura através deste concurso especial está condicionada à existência de vagas fixadas para o efeito.

  • Vão abrir vagas para mudança de par instituição/curso no ano letivo de 2024-2025?

Sim.. O acesso ao Mestrado Integrado de Medicina através do concurso de mudança de par instituição-curso encontra-se disponível para o ano letivo de 2024-2025, e está condicionada à existência de vagas ficadas para o efeito.

  • Sou estudante na UFP. Posso pedir mudança de curso para o Mestrado Integrado de Medicina?

Sim. Em 2024-2025 há vagas para esse regime ( Mudança de Par Instituição/ Curso).

  • Quais são as condições de acesso ao Mestrado Integrado de Medicina?

As condições de acesso estão disponíveis no Regulamento de Acesso e Ingresso da Universidade Fernando Pessoa e podem também ser consultadas em “Condições de Candidatura” no separador “Candidatura & Propinas”.

  • Quais são as provas de ingresso necessárias?

O conjunto de provas de ingresso obrigatório para o acesso e ingresso no curso de Medicina integra: Biologia e Geologia (02); Física e Química (07) e Matemática A (19) ou exames finais do ensino secundário considerados legalmente equivalentes (artigo 20.º A do Decreto-Lei n.º 296-A/98, de 25 de setembro, na redação atual).

  • As provas de ingresso têm uma nota mínima?

Sim. Em nenhum curso do ensino superior português é possível ser admitido com uma prova de ingresso cuja classificação seja inferior a 95 pontos. No caso do Mestrado Integrado de Medicina da UFP, a nota mínima do conjunto das provas de ingresso é também de 95 pontos na escala de 0-200.

  • As minhas provas de ingresso têm validade?

Sim. A validade é de 3 anos (ano da realização + 2 anos seguintes) para as provas de ingresso realizadas em 2022 ou em anos anteriores, e de 5 anos (ano da realização + 4 anos seguintes) para as provas de ingresso realizadas em 2023 ou em ano posterior.

Não tenho o certificado de proficiência em inglês (nível C1) para a frequência do Mestrado Integrado de Medicina. O que posso fazer

Não é critério de seriação. No entanto, o aluno deverá apresentar comprovativos de que domina suficientemente a língua inglesa para poder frequentar o curso nos moldes em que foi apresentado (recomendado nível C1, ou equivalente, no momento do início dos estudos).

Se não possuir evidência documental ou um certificado que ateste esta competência pode autopropor-se a uma prova oral e escrita para aferição do nível de conhecimentos, a realizar na UFP.

  • Não tenho nacionalidade portuguesa. Como posso demonstrar a competência em língua portuguesa (nível A2)  para a frequência do Mestrado Integrado de Medicina, a partir do 4º ano?

Não é critério de seriação, mas é fundamental que os alunos estejam cientes e reconheçam que o conhecimento da língua portuguesa é fundamental nas fases mais avançadas do ciclo de estudos, especialmente no momento dos ensinos clínicos.

  • Em que língua é o curso lecionado?

Atendendo à crescente vocação internacional da UFP, a lecionação do Mestrado Integrado de Medicina é bilingue, sendo o primeiro ciclo formativo (180 ECTS – 1.º ao 3.º anos curriculares) ministrado em língua inglesa e o segundo ciclo formativo (180 ECTS – 4.º ao 6.º anos curriculares), incluindo-se aqui as rotações clínicas, em língua portuguesa.

  • Como posso submeter a minha candidatura ao Mestrado Integrado de Medicina?

A candidatura é efetuada exclusivamente online, em InforEstudante.

  • Quando são as candidaturas?

O calendário das candidaturas encontra-se disponível em “Calendário” no separador “Candidatura & Propinas”.

  • Como é calculada a nota de candidatura?

A nota de candidatura é uma classificação na escala de 0 a 200, arredondada às décimas, calculada através da seguinte fórmula:

50% da classificação final do ensino secundário + 50% da média aritmética das classificações nas provas de ingresso

  • Há nota mínima de candidatura ao Mestrado Integrado de Medicina?

Sim. A nota mínima de candidatura é de 95 pontos na escala de 0-200.

  • Quantas vagas existem para o ano letivo de 2024-2025?

Para o ano letivo de 2024-2025, o limite máximo de admissões é de 40, sendo 30 vagas destinadas a candidatos que tenham frequentado e concluído o ensino secundário em Portugal (candidatos “nacionais”) e que tenham frequentado e concluído o ensino secundário num país da União Europeia (candidatos “estrangeiros”). As restantes 10 vagas para outros regimes, como Estudante Internacional, Titulares de Cursos Superior e Mudança par instituição / curso.

  • Como é feita a seleção e seriação dos candidatos?

Os candidatos que cumpram as condições gerais de candidatura são seriados por ordem decrescente da Nota de Candidatura, numa lista única de seriação, e identificados com o perfil de “nacional” ou “estrangeiro”, consoante o país de conclusão do ensino secundário. A colocação dos candidatos nacionais e estrangeiros é depois efetuada pela ordem decrescente da lista seriada até se esgotarem as vagas fixadas para cada um dos perfis. Os candidatos não colocados, com nota de candidatura inferior ao último admitido no respetivo perfil, são considerados suplentes desde que esta seja igual ou superior a 95 pontos.

  • O que acontece depois de submeter a minha candidatura?

A candidatura fica com a informação “Por pagar” até à receção do pagamento por parte da UFP, passando para “Em validação”. Após análise dos serviços académicos, a candidatura passa ao estado de “Validada”, quando cumpre os requisitos de candidatura, ou “Invalidada”, quando não cumpre esses requisitos. Apenas as candidaturas validadas prosseguem para seriação. Importa considerar que a validação e consequente tramitação da candidatura pressupõe o correto preenchimento do formulário online, a entrega de toda a documentação exigida e o pagamento da taxa fixada para o efeito.

  • Quando sei o resultado da candidatura?

O resultado da candidatura é divulgado no InforEstudante em calendário próprio, disponível em “Calendário” no separador “Candidatura & Propinas”.

  • Se o resultado da candidatura for de não colocado, estou automaticamente excluído?

Não. Os candidatos não colocados ficam na situação de “suplentes”, pelo que poderão ver a sua situação alterada para ‘Colocado’ caso se venham a verificar vagas sobrantes (em resultado da não efetivação da matrícula por parte dos estudantes colocados).

  • Quando são as matrículas?

O calendário das matrículas encontra-se disponível em “Calendário” no separador “Candidatura & Propinas”.

  • O que acontece se for colocado mas não efetuar a matrícula?

O candidato colocado que não proceda à matrícula e inscrição no prazo definido em calendário perde o direito à vaga, podendo ser chamado o candidato suplente seguinte da lista ordenada.

  • Qual é o valor da propina?

O valor da propina, e demais taxas escolares, podem ser consultadas em “Propinas” no separador “Candidatura & Propinas”, nas alíneas a) para estudantes nacionais (que concluíram o ensino secundário em Portugal) e b) para estudantes estrangeiros (que concluíram o ensino secundário num país da União Europeia.

  • Onde vão ser lecionadas as aulas?

No ano letivo de 2024-2025 as aulas decorrerão nas instalações do Hospital-Escola Fernando Pessoa (HE-FP) e na  Escola de Medicina e de Ciências Biomédicas (EMCB).

  • Posso agendar uma visita ao Hospital-Escola Fernando Pessoa (HE-FP)?

Sim. No separador “Campus, Alojamento & Transporte” pode agendar a sua visita ao HE-FP para ter uma visão geral das instalações e espaços formativos onde irão decorrer as aulas do curso de Medicina.