SOBRE A UFP

A Universidade Fernando Pessoa (UFP), instituída pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa (FFP) e reconhecida de interesse público pelo Decreto-Lei nº 107/96, de 31 de Julho, é o resultado de um projeto inovador de ensino superior, iniciado nos anos de 1980, através do Instituto Superior de Ciências da Informação e da Empresa, e do Instituto Erasmus de Ensino Superior, que lhe serviram de base estruturante e cuja antiguidade de graus e diplomas herdou, nos termos do Artigo 7º daquele decreto.

Com o lema Nova et Nove (inovar no conhecimento e nos métodos de ensinar), a UFP tem como objetivos o ensino, a investigação, a extensão comunitária e a prestação de serviços nos domínios da formação oferecida pelas suas faculdades, de acordo com a sua estrutura científico-pedagógica:

  • Faculdade de Ciência e Tecnologia (Porto)
  • Faculdade de Ciências Humanas e Sociais (Porto)
  • Faculdade de Ciências da Saúde (Porto)
  • Escola Superior de Saúde (Porto)
  • Unidade de Ponte de Lima
  • Escola Superior de Saúde (Ponte de Lima)

Com a entrada em funcionamento do seu Hospital-Escola, a UFP assume-se também como uma entidade prestadora de cuidados de saúde gerais e especializados, sem prejuízo da continuidade das suas Clínicas Pedagógicas de Medicina Dentária, de Fisioterapia, de Terapêutica da Fala, de Reabilitação Psicomotora e de Psicologia, onde os estudantes fazem prática clínica supervisionada com pacientes em sistema de consentimento informado.

O corpo docente, com vínculo permanente à universidade, é constituído por cerca de duas centenas de professores, dos quais 80% são titulares do grau de doutor. A investigação, com financiamento próprio pela FFP ou financiada pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ou por programas específicos da União Europeia, realiza-se em centros multidisciplinares.

A UFP-UV, funcionando em plataformas de ensino à distância, a assíncrona (SAKAI) e a síncrona (Colibri), apoia e alarga o âmbito territorial e os públicos dos cursos presenciais das três Faculdades.

FACTOS

  • 1988
    é criada, por escritura pública, a Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, entidade instituidora da Universidade Fernando Pessoa

     

  • 1989
    é reconhecido o Instituto Superior de Ciências da Informação e da Empresa (ISCIE)
  • 1990
    é reconhecido o Instituto Erasmus de Ensino Superior
  • 1996
    a UFP é reconhecida de interesse público pelo Decreto-Lei nº 107/96
  • 2000
    é inaugurado o edifício da Casa da Garrida, nas instalações da Unidade de Ponte de Lima
  • 2002
    entra em funcionamento o Edifício da Faculdade de Ciências da Saúde da UFP
  • 2003
    lançamento do Projeto de Saúde Oral e Pública (PASOP), que inicia a sua atividade com uma unidade móvel
  • 2005
    a UFP é autorizada a conferir o grau de Doutor
  • 2005
    o Consejo Iberoamericano en Honor a la Calidad Educativa atribui à UFP o Prémio Iberoamericano a la Excelencia Educativa
  • 2007
    é inaugurado o edifício da Escola de Estudos Pós-graduados e de Investigação da UFP
  • 2009
    é inaugurado o edifício da Escola Superior de Saúde da UFP
  • 2013
    o Hospital-Escola da Universidade Fernando Pessoa entra em funcionamento
  • 2014
    a UFP é considerada a segunda melhor universidade portuguesa, entre mais de 850 universidades de todo o mundo avaliadas no que respeita à investigação no U-Multirank (ranking encomendado pela União Europeia)
  • 2015
    a UFP é uma das seis universidades portuguesas a conseguir, pelo menos, dez notas “A” na avaliação do ranking global U-Multirank (compilado e financiado pela União Europeia)

Como Reitor da Universidade Fernando Pessoa, gostaria de dar as boas-vindas a todos aqueles que integrem a nossa comunidade educativa e desejar que as expetativas com que aqui chegam sejam inteiramente satisfeitas!

Temos, nesta casa, um lema académico – nova et nove – que tem vindo a ser reconhecido, cada vez mais, como a nossa marca, sustentada em alguns princípios e valores estruturantes da nossa cultura organizacional, que o mesmo é dizer, do relacionamento humano salutar que queremos cultivar entre os órgãos da instituição e todos os seus membros. Esses princípios e valores sintetizam-se no trinómio: trabalho empenhado, lealdade e dedicação institucionais!

Aqui cada um tem a responsabilidade de construir, com honestidade, a sua carreira, o seu futuro! É isto que esperamos de todos!

O Reitor
Prof. Doutor Salvato Trigo

BREVE NOTA CURRICULAR

Fernando Pessoa, nosso patrono, foi o poeta maior do modernismo literário de língua portuguesa e pensador inquietante de um Portugal mais culto e mais ousado na construção do futuro.

[Cronologia resultante da adaptação e do resumo da cronologia da vida e obra do poeta apresentada por João Gaspar Simões (in Fernando Pessoa – breve história da sua vida e da sua obra, Lisboa, Difel, 1983), por José Augusto Seabra (in Fernando Pessoa ou o Poetodrama, Imprensa Nacional da Casa da Moeda) e por Maria José de Lencastre (in Fernando Pessoa uma fotobiografia, Lisboa, Quetzal Editores, 1996).]

1888: Nasce, a 13 de Junho, o poeta Fernando António Nogueira Pessoa, no 4.º andar esquerdo do n.º 4 do Largo de São Carlos em Lisboa, filho de Maria Magdalena Pinheiro Nogueira e de Joaquim de Seabra Pessoa
1889: Data do nascimento de Alberto Caeiro
1890: Data do nascimento Álvaro de Campos
1893: Em janeiro, nasce Jorge, irmão do poeta. A 13 de Julho, morre Joaquim de Seabra Pessoa, pai de Fernando Pessoa, com 43 anos de idade
1894: Em Janeiro, morre o irmão Jorge. A mãe do poeta, D. Maria Magdalena Pinheiro Nogueira Pessoa, conhece o comandante João Miguel Rosa. Criação do primeiro heterónimo: Chevalier de Pas. João Miguel Rosa é nomeado Cônsul Interino em Durban, África do Sul
1895: Fernando Pessoa escreve, em Julho, a sua primeira poesia: “À minha querida mamã”. A 30 de Dezembro, casa, por procuração, D. Maria Magdalena com o comandante João Miguel Rosa
1896: Partida para a África do Sul de D. Maria Madalena e o filho, no início do mês de Janeiro. Nasce Henriqueta Madalena, irmã do poeta
1897: Fernando Pessoa inicia a instrução primária e em três anos alcança a equivalência de 5 anos
1898: Nasce, em Outubro, a segunda filha do casal Miguel Rosa, Madalena Henriqueta
1899: Em Abril, Fernando Pessoa matricula-se na Durban High School, Form II-B. Em Junho passa para a Form II-A. Em Dezembro ganha o Form Prize na Form II-A. Neste ano cria o heterónimo Alexandre Search, em nome do qual, escreve cartas para si mesmo
1900: Em Janeiro, nasce o 3.º filho do casal, Luís Miguel. Em Junho, Fernando Pessoa passa para a Form III e é premiado em francês
1901: Fernando Pessoa faz, em Junho, o exame da Cape School High Examination. Falece Madalena Henriqueta. Em Agosto, Fernando Pessoa vem de visita, com a família, a Portugal
1902: Nascimento do quarto filho do casal Miguel Rosa, João Rosa. Regresso da família a Durban, em Setembro. Fernando Pessoa matricula-se na Commercial School, em Durban
1903: Faz exame de admissão à Universidade do Cabo da Boa Esperança. Lê Shakespeare, Milton, Byron, Poe, Keats, Shelley, Tennyson. Escreve poemas em inglês assinados por Alexandre Search. Surgem os heterónimos Charles Robert Anon e H.M.F. Lecher
1904: Regressa novamente à High School e entra na Form IV. Ganha o Prémio Rainha Vitória, concedido ao seu ensaio de inglês, prova de exame de admissão à Universidade do Cabo. 
Nascimento de outra filha do casal, Maria Clara. Em Dezembro, faz a Intermediate Examination em Artes, da Universidade do Cabo. Terminam os seus estudos na África do Sul
1905: Parte sozinho para Lisboa e vai viver com a avó Dionísia e as duas tias
1906: Matricula-se no Curso Superior de Letras de Lisboa. A família volta, de férias a Lisboa. Morre, durante esta estadia, a irmã Maria Clara
1907: Abandona o curso, sem concluir o primeiro ano. Monta, com o dinheiro herdado da avó Dionísia, uma Tipografia a que dá o nome de Empresa Ibis – Tipografia Editora – Oficinas a Vapor, que mal chega a funcionar
1908: Entra no comércio como «correspondente estrangeiro», profissão que desempenhará ao longo de toda a vida
1910: Funda-se no Porto a revista A Águia, 1.ª fase
1911: Pessoa é encarregado de traduzir para português uma Antologia de Autores Universais, dirigida por um editor americano
1912: Funda-se, em Janeiro, a Renascença Portuguesa, no Porto. A Águia, dirigida por Teixeira de Pascoaes, torna-se o órgão desse movimento. Em Abril, publica em A Águia, órgão da Renascença Portuguesa, o seu primeiro artigo, “A Nova Poesia Portuguesa Sociologicamente Considerada”, onde profetiza o surgimento de um «Supra-Camões». Inicia a sua correspondência com Mário de Sá-Carneiro o qual, de Paris, o põe ao corrente das novas correntes como o Cubismo e o Futurismo. Nasce na mente do poeta Ricardo Reis
1913: Escreve a poesia “Pauis”, que iria dar origem ao paúlismo. Contacta com Almada Negreiros e Mário de Sá-Carneiro. Escreve O marinheiro, drama estático. Colabora no semanário Teatro e prossegue a sua colaboração com A Águia. Escreve “Epithalamium” e “Hora Absurda”
1914: Surge Alberto Caeiro e o texto “O Guardador de Rebanhos”. Escreve a “Ode Triunfal” e “Opiário”, atribuídas a Álvaro de Campos. Escreve “Chuva Oblíqua”, texto-chave do Interseccionismo. Muda-se para a Rua Pascoal de Melo, para casa da tia Anica. Em Junho, escreve a primeira poesia de Ricardo Reis. Em carta a Sá-Carneiro, datada de Julho, declara ter atingido o período completo da sua maturidade literária. Rompimento com os poetas de A Águia
1915: Vive algum tempo na Leitaria Alentejana, devido à partida da tia Anica para a Suíça.Sai, em Abril, o primeiro número do Orpheu. Sai, em Julho, o segundo número do Orpheu. Mário de Sá-Carneiro parte para Paris. Período de intensa produção literária de Fernando Pessoa e dos heterónimos. Data possível da morte de Alberto Caeiro
1916: Em Abril, suicida-se, em Paris no Hotel de Nice, Mário de Sá-Carneiro. Almada Negreiros publica o “Manifesto Anti-Dantas”. Em Setembro, anuncia-se a saída do terceiro número do Orpheu, que não chega a aparecer. Colabora em revistas como Centauro e Exílio
1917: Sai o primeiro e único número de Portugal Futurista, revista publicada por Almada Negreiros e Santa-Rita Pintor, onde Álvaro de Campos colabora com a inserção de “Ultimatum”
1918: Morrem Santa-Rita Pintor e Amadeo de Sousa Cardoso. Pessoa publica os seus poemas ingleses “Antinous” e “35 Sonnets”
1919: Apesar de o ter dado como morto, escreve nesta data, uma série de poemas (“Poemas Inconjuntos”) em nome de Alberto Caeiro. Ricardo Reis exila-se no Brasil. Morre, em Pretória, o comandante João Miguel Rosa, padrasto do poeta
1920: Escreve a primeira carta de amor e inicia-se o namoro com Ophélia Queirós. Muda-se para a Rua Coelho da Rocha, onde vai habitar com a mãe e os irmãos
1921: Publica os seus “English Poems” (I, II e II) por uma casa de edições criada pelo próprio (Olisipo)
1922: Colabora com assiduidade na revista Contemporânea
1924: Início do surrealismo em França. Sai em Outubro o primeiro número da revista Athena, que Fernando Pessoa dirige com o pintor Ruy Vaz
1925: Morte da mãe do poeta. A Athena cessa a sua publicação
1926: Pessoa dirige com o cunhado, coronel Caetano Dias, a Revista de Comércio de Contabilidade, cujo primeiro número sai em Janeiro desse ano, e na qual publica artigos sobre temas sócio-económicos
1927: Publica-se, em Coimbra, o primeiro número da «folha de arte e crítica» – Presença
1929: Recomeça o namoro com Ophélia Queirós. Empreende com António Botto, a publicação de uma Antologia de Poetas Portugueses Modernos
1930: Entra em correspondência com o do mago inglês Aleister Crowley e recebe a sua visita em Setembro. O mago desaparece nesse mês, misteriosamente, na Boca do Inferno, em Cascais, desaparecimento no qual Fernando Pessoa participa. Período fecundo de criação poética heterónima e ortónima. Prossegue a sua colaboração com a Presença
1931: Publica na Presença com a tradução do “Hino a Pã”, de Aleister Crowley
1932: Candidata-se, sem sucesso, a um lugar de conservador de um museu bibliográfico, em Cascais. Colabora com a Presença, onde publica Iniciação bem como fragmentos do Livro do Desassossego
1933: Atravessa uma grave crise de neurastenia
1934: Aparece, em Dezembro, a Mensagem. É-lhe atribuída, nesse mesmo mês, pela publicação da obra, a segunda categoria do prémio Antero de Quental, do Secretariado de Propaganda Nacional
1935: É internado, em 28 de Novembro, no Hospital de S. Luís, em Lisboa, onde morre a 30 de Novembro

A Universidade Fernando Pessoa distinguiu, com Doutoramentos Honoris Causa, diversas personalidades de reconhecido mérito:

em 2018:
Csaba Farsang (ligação)
Eduardo Franco (ligação)

em 2014:
Federico Mayor Zaragoza (ligação)

Guglielmo de Giovanni-Centelles (ligação)
José Manuel Gironés Guillem (ligação)
Yury Petrovich Zinchenko (ligação)

em 2008:
Paul Ekman (ligação)

José Rincon Ferreira (ligação)
Leodegário Amarante de Azevedo Filho (ligação)

em 2007:
Francisco Alonso Fernandez (ligação)

INTERNACIONAL

O Gabinete de Relações Internacionais da UFP (GRI) é responsável pela implementação das políticas de internacionalização da instituição.

É também o GRI que assegura a administração dos programas de intercâmbio e mobilidade, bem como a identificação de parceiros para atividades de cooperação internacional.

Visite o site do GABINETE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

QUALIDADE UFP

A qualidade e a sua garantia são princípios fundamentais da Universidade Fernando Pessoa, que norteiam e estão presentes em todos os domínios em que atua, do ensino à investigação, da extensão comunitária à prestação de serviços. 

A concretização desses princípios é garantida pelo SIGA-UFP (Sistema de Gestão da Qualidade dos Serviços da Universidade Fernando Pessoa), descrito no Manual da Qualidade da UFP, um documento elaborado segundo as normas e orientações da ENQHA (European Association for Quality Assurance in Higher Education) para a garantia da qualidade no espaço europeu do ensino superior.

RESPONSABILIDADE SOCIAL

A Universidade Fernando Pessoa assume uma missão social de elevada importância, não só ao nível da formação cidadã, mas também da educação para a partilha e para a solidariedade com a sociedade e o meio em que se insere.

Nesse sentido, os vetores de atuação de responsabilidade social da UFP assentam sobre a Educação, a Saúde, o Ambiente e a Cultura, traduzindo-se, nomeadamente, em ações e iniciativas como:

PROJETO AMBULATÓRIO DE SAÚDE ORAL E PÚBLICA
O PASOP iniciou a sua atividade em 2002/03 e, desde então, já realizou 159.188 rastreios em higiene e saúde oral, em pressão arterial (hipertensão e hipotensão), em osteoporose, em colesterol e em glicemia.

CLÍNICAS PEDAGÓGICAS DE MEDICINA DENTÁRIA
As CPMD da UFP iniciaram a sua atividade em 2002 e, desde então, já atenderam 28.500 utentes, realizando um número médio de 14.000 consultas/ano.

CLÍNICA PEDAGÓGICA DE FISIOTERAPIA
A CPF da UFP iniciou a sua atividade em 2004 e realiza, em média, 15.000 tratamentos anuais.

CLÍNICA PEDAGÓGICA DE PSICOLOGIA
No que se refere à prestação de serviços de psicologia à comunidade, a CPP-UFP realizou, desde 2013, cerca 5.617 horas de consulta.

CLÍNICA PEDAGÓGICA DE TERAPÊUTICA DA FALA
A Clínica Pedagógica de Terapêutica da Fala atendeu, desde 2006, atendeu cerca de 1400 utentes.

PROJETO AMBULATÓRIO DE AMBIENTE E SAÚDE
O PAAS tem desenvolvido atividade no âmbito de protocolos celebrados com diversos municípios nacionais, nomeadamente a criação de um projeto de “Avaliação de alguns parâmetros relativos ao estado ecológico do rio Tinto”.

PROJETO +LEITURA, +SAÚDE
Alunos da Universidade Fernando Pessoa participam, em regime de voluntariado, na iniciativa “+Leitura, + Saúde: Voluntários da Leitura”. No âmbito deste projeto, alunos da UFP descolam-se, periodicamente, ao Hospital-Escola da UFP, onde com recurso a livros e ilustração de histórias, alegram o dia dos utentes da UCRM (Unidade de Convalescença, Reabilitação e Manutenção).

PRAXE SOLIDÁRIA
No âmbito da programação da semana de receção ao Caloiro, os alunos da Universidade Fernando Pessoa promovem atividades de voluntariado social em colaboração com instituições da cidade, como é o caso da Sociedade Protetora dos Animais do Porto ou a Casa do Caminho.

REGULAMENTOS E DOCUMENTOS

  • Estatutos UFP (PDF)
  • Estatuto Profissional do Docente (PDF)

Cursos 1º, 2º e 3º ciclos

  • Normativa académica do funcionamento das licenciaturas e mestrados integrados Regulamento n.º 592/2015, DR 2ª. série n.º 167, de 27 de agosto (PDF)
  • Normas regulamentares do mestrado na UFP
    Regulamento n.º 165/2010, DR 2ª série n.º 43, de 3 de março (PDF)
    Regulamento n.º 557/2018, DR 2ª série n.º 158, de 17 de agosto (PDF) – em vigor a partir do ano letivo 2018-19
  • Normas regulamentares de doutoramento na UFP
    Regulamento n.º 306/2008, DR 2ª série n.º 110, de 9 de junho (PDF)
    Regulamento n.º 589/2018, DR 2ª série n.º 168, de 31 de agosto (PDF) – em vigor a partir do ano letivo 2018-19

Ingresso e Secretaria

  • Regulamento para os regimes de Reingresso, Mudança de Curso e Transferência
    Regulamento n.º 325/2009, DR. 2ª série n.º 144, de 28 de julho (PDF)
  • Regulamento do concurso especial de acesso e ingresso de estudantes internacionais na UFP
    Regulamento n.º 373/2014, DR. 2ª série n.º 156, de 14 de agosto (PDF)
  • Normas regulamentares da UFP para convalidação de competências e de unidades curriculares
    Regulamento n.º 324/2009, DR. 2ª série n.º 144, de 28 de junho (PDF)
  • Normas regulamentares da UFP para creditação de formação e de experiência profissional
    Regulamento n.º 180/2018, DR. 2ª série n.º 58, de 22 de março (PDF)
  • Normas Gerais Relativas ao Pagamento das Taxas escolares na UFP (PDF)

Outros regulamentos

  • Regulamento Geral das Faculdades (PDF)
  • Regulamento disciplinar da UFP (PDF)
  • Normas Regulamentares da atribuição do título de Agregado pela UFP
    Regulamento n.º 307/2008, DR. 2ª série n.º 110, de 9 de junho (PDF)
  • Normas Regulamentares da atribuição do título de Especialista pela UFP
    Regulamento n.º 507/2011, DR. 2ª série n.º 164, de 26 de agosto (PDF)
  • Regulamento das provas de apresentação, discussão e defesa públicas e casos clínicos (PDF)
  • Regulamento do programa de pós-doutoramento (PDF)
  • Regulamento dos Serviços Académicos Centrais (PDF)

Documentos institucionais

  • Manual de Estratégia da UFP (PDF)
  • Manual da Qualidade da UFP (PDF)
  • Relatórios de atividades
    artº 159º da Lei nº 62/2007, de 10 de setembro: 2014-15 (PDF), 2015-16 (PDF), 2016-17 (PDF)
  • Relatório de avaliação externa – European University Association (PDF)

Boletins e Requerimentos

  • 1ª Matrícula (PDF)
  • Pedido de Reingresso (PDF)

Progressão na carreira docente

  • Mestrados com Reconhecimento para progressão na carreira docente (PDF)
  • Doutoramentos com reconhecimento para progressão na carreira docente (PDF)

Outros documentos

  • Cronograma letivo (ligação)
  • Cronograma administrativo 2018-19 (PDF)
  • Manual de elaboração de trabalhos científicos (PDF)
  • Normas de estilo de para teses de doutoramento (PDF)

Autoavaliação/Acreditação Institucional

  • Universidade Fernando Pessoa (PDF)

Avaliação/Acreditação dos Ciclos de Estudos

Faculdade de Ciências e Tecnologia

  • Arquitetura e Urbanismo – MI (ZIP)
  • Ciências da Terra – 3º ciclo (ZIP)
  • Engenharia Civil – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Engenharia Informática – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Gestão da Qualidade, Ambiente e Segurança 1º ciclo (ZIP)

Faculdade de Ciências da Saúde

  • Ciências da Nutrição – 1º ciclo (ZIP)
  • Ciências Farmacêuticas – MI (ZIP)
  • Desenvolvimento e Perturbações da Linguagem – 3º ciclo (ZIP)
  • Medicina Dentária – MI (ZIP)

Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

  • Ação Humanitária, Cooperação e Desenvolvimento – 2º ciclo (ZIP)
  • Ciência Política e Relações Internacionais – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Ciência da Comunicação – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Ciências da Educação: Educação Especial – 2º ciclo (ZIP)
  • Ciências da Informação – 3º ciclo (ZIP)
  • Ciências Empresariais – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Criminologia – 2º ciclo (ZIP) 1º ciclo (ZIP)
  • Gestão Comercial e Contabilidade –  1º ciclo (ZIP)
  • Psicologia – 1º ciclo (ZIP)
  • Psicologia Clínica e da Saúde – 2º ciclo (ZIP)
  • Psicologia da Justiça: Vítimas de Violência e de Crime – 2º ciclo (ZIP)

Escola Superior de Saúde

  • Análises Clínicas e Saúde Pública – 1º ciclo (ZIP)
  • Análises Laboratoriais Especializadas – 2º ciclo (ZIP)
  • Fisioterapia – 1º ciclo (ZIP) 2º ciclo (ZIP)
  • Terapêutica da Fala – 1º ciclo (ZIP)

Documentos de utilização interna pela comunidade pessoana encontram-se disponíveis no PORTAL UFP (ligação).

HOSPITAL

O Hospital-Escola da Universidade Fernando Pessoa (HE) foi desenvolvido a partir de um conceito inovador, como uma unidade multifuncional de cuidados primários, secundários e terciários, prestados numa lógica pedagógica, para a formação e qualificação permanente de profissionais de saúde e pela humanização na relação terapêutica.

O HE impressiona pela modernidade, luminosidade, funcionalidade e qualidade das suas instalações e equipamentos clínicos, de ensino e de investigação.

Visite o site do HOSPITAL-ESCOLA UFP

CAMPUS E CONTACTOS

No Porto e em Ponte de Lima, o  campus da UFP é caraterizado por um património edificado de mais de trinta mil metros quadrados, onde casas burguesas do princípio do séc. XX, inteiramente reabilitadas, dialogam com edifícios novos com as infraestruturas, os equipamentos laboratoriais e as condições funcionais necessárias para contribuírem para a qualidade do ensino e da aprendizagem.

Conheças o CAMPUS
Consulte a localização e os contactos