AULAS PRÁTICAS NO HOSPITAL UFP

CORPO DOCENTE DE REFERÊNCIA

INSTALAÇÕES DE QUALIDADE

Acreditação plena, por 6 anos,
pela A3ES, em 21-02-2018 (ligação)

Provas de Ingresso (reg. geral)
Biologia e Geologia
Pré-requisitos: Grupo A (PDF)
Vagas (reg. geral) 365 

Os mestres em Ciências Farmacêuticas podem exercer atividade profissional, com total competência e responsabilidade, em áreas como: Farmácia Comunitária (incluindo Direção Técnica); Farmácia Hospitalar; Farmácia Clínica; Indústria Farmacêutica (nas vertentes de Investigação e Desenvolvimento, Produção, Controlo de Qualidade e Assuntos Regulamentares); Distribuição Grossista; Análises Clínicas; Investigação e Desenvolvimento, em áreas como a Genética, a Microbiologia, a Química, a Tecnologia Farmacêutica, a Imunologia e a Farmacologia.

PORQUÊ ESCOLHER CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA UFP?

–––
Proximidade e apoio dos professores ao longo de todo o curso

–––
Corpo docente altamente qualificado e diferenciado, com experiência e reconhecimento nacional e internacional.

–––
Programas das unidades curriculares com conteúdos científicos e técnicos atualizados, bem como uma grande percentagem de aulas práticas permitem aos alunos uma aprendizagem em contexto real e uma adaptação gradual à futura vida profissional.

–––
Qualidade das instalações.

A SUA EQUIPA DE APOIO

O sucesso educativo alcança-se através do trabalho de equipa. Durante o seu processo de candidatura, e sempre que precisar, contará com o apoio e aconselhamento de uma equipa de profissionais.

Professores

Além de academicamente qualificados, os nossos professores são conhecidos por serem muito próximos dos alunos e disponíveis para esclarecer todas as suas dúvidas.

Equipa de Acolhimento

A equipa de acolhimento, constituída por colaboradores da UFP que são maioritariamente antigos alunos da universidade, tem como objetivo facilitar a integração dos novos alunos.

Colaboradores

Presencialmente (durante os horários de atendimento) ou à distância de um clique, os nossos colaboradores são conhecidos pelo seu profissionalismo e pela sua disponibilidade para ajudar.

PLANO DE ESTUDOS

Mestrado Integrado* · Duração: 10 Semestres · 300 ECTS
Conforme: Registo R/B-AD-800/2006, DR 2ª série nº 152, de 08 de agosto · Despacho n.º 18575/2006, DR 2ª série n.º 177, de 13 de setembro · Despacho n.º 12169/2013, DR 2ª série n.º 184, de 24 de setembro · Declaração de retificação n.º 1240/2013, DR 2ª série n.º 224, de 19 de novembro

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Promoção do conhecimento de conceitos básicos da física e a sua utilização no entendimento de diversas funções biológicas. Adicionalmente, pretendem estudar-se as diversas aplicações da física às várias operações farmacêuticas nas suas diferentes vertentes, nomeadamente da análise química e instrumental, e da tecnologia farmacêutica. Nesse sentido, deverão os alunos desenvolver uma mentalidade observadora e crítica em relação a diferentes técnicas de caracterização física por forma a valorizar a sua correta utilização e entendimento, noutros blocos de aprendizagem e no futuro exercício profissional.

Por último, pretende-se que os alunos desenvolvam competências que lhes permitam a aprendizagem ao longo da vida, com elevado grau de autonomia e oportunidade.

Pretende fornecer bases de compreensão para o funcionamento do organismo humano, ao nível molecular, celular, tecidular, orgânico e sistémico. O estudo desta disciplina deverá permitir ao aluno conhecer os aspetos mais importantes da Anatomofisiologia Humana que lhe possibilitem, posteriormente, compreender conceitos fundamentais na área das Ciências Farmacêuticas.

Esta unidade curricular é fundamental para qualquer curso de graduação em ciências da saúde uma vez que serve como ponte entre currículos que visem explorar a base molecular da vida ou a complexidade das interações celulares. Ao nível dos conhecimentos visa proporcionar uma melhor compreensão sobre a complexidade molecular, estrutural e funcional da célula, o seu funcionamento articulado em organismos multicelulares, e a importância de mecanismos de proteção endógenos para a manutenção da homeostasia celular e organismal. Ao nível das competências visa proporcionar capacidade para: compreender e reconhecer a importância relativa da célula na saúde e na doença. Ao nível das aptidões visa proporcionar competências práticas na área da análise e validação de informação técnico-científica no domínio da biologia molecular e celular, e desenvolvimento contínuo dos conhecimentos.

Desenvolvimento da competência linguística e comunicativa dos alunos com o objetivo de assegurar uma comunicação eficaz numa pluralidade de situações sócio-profissionais. Consolidação de estruturas gramaticais e padrões previamente adquiridos. Identificação, crítica, comentário e produção de vários tipos de texto, através do desenvolvimento das capacidades de ouvir, compreender, analisar, discutir e resolver problemas em inglês. Desenvolvimento das capacidades críticas e reflexivas dos alunos, através de uma aprendizagem e gestão autónomas.

Pretende-se que o aluno domine as técnicas de investigação e de produção com vista à correcta execução do trabalho científico e desenvolva competências estruturantes de natureza teórico-prática que lhe permitam conhecer e aplicar estruturas discursivas utilizáveis na sua área de formação. Para dotar os alunos das competências específicas a desenvolver no âmbito desta unidade curricular, existe uma correspondência direta entre os conteúdos de cada capítulo lecionado e as competências específicas a desenvolver.

1. Conhecimento das regras básicas de segurança laboratorial. 2. Conhecimento do material de laboratório e sua utilização. Utilização correta do material para preparação de uma solução, uma diluição ou uma volumetria. 3. Conhecimento dos conceitos teóricos e práticos que envolvem a execução de um protocolo científico. 4. Utilização e manipulação correta de algarismos científicos, notação científica e conversão de unidades. 5. Nomenclatura de compostos inorgânicos (ser capaz de escrever o nome científico de um composto a partir da sua fórmula química e vice-versa). 6. Saber acertar equações. 7. Cálculos de concentração envolvendo estequiometria de reações.

1.Identificar as principais mudanças na técnica e saber farmacêutico ao longo do tempo. 2. Identificar os contextos sociais e científicos de desenvolvimento da disciplina. 3. Conhecer e identificar os nomes dos precursores deste ramo disciplinar e dos ramos vizinhos. 4. Contextualizar historicamente as principais revoluções / ruturas no âmbito da Farmácia.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

A Bioestatística propõe-se introduzir e desenvolver o conhecimento de técnicas de análise estatística, apresentando exemplos relevantes e situações realistas para ilustrar os conceitos. Procura-se ainda desenvolver no aluno o espírito crítico e de análise, relativamente aos resultados obtidos, de forma a estabelecer o grau de confiança nos mesmos

A disciplina de Fisiologia Humana estuda a função desempenhada no organismo humano pelos diferentes órgãos, aparelhos e sistemas que formam no seu conjunto o organismo e a forma como estes interagem na manutenção da homeostasia corporal. O objectivo principal da disciplina é que através dos conhecimentos teóricos e práticos ministrados nas aulas, o aluno adquira uma compreensão integrada da funcionalidade orgânica do corpo humano.

O estudo da Citologia, Histologia e Embriologia assenta na descrição do desenvolvimento embrionário, fetal e pós-natal do Homem, bem como na organização das células, tecidos, órgãos e sistemas do corpo humano. Esta unidade curricular proporciona aos estudantes em formação, um suporte importante na compreensão de algumas disciplinas básicas, em particular da Fisiologia Humana. Para isso, é importante que o aluno interprete a morfologia numa perspetiva funcional e que compreenda como as modificações da forma podem levar a alterações da função, e vice-versa. É também uma área do saber que proporciona uma base sólida de conhecimentos importantes para a interpretação do diagnóstico patológico e consequente aconselhamento terapêutico, permitindo ainda uma comunicação efectiva do futuro farmacêutico com os restantes profissionais da área da saúde.

1.Identificar e descrever os diferentes constituintes das células animais e vegetais. 2. Conseguir perceber a influência de certos fatores externos, bem como da influência das diferentes hormonas vegetais no desenvolvimento da planta.

Desenvolvimento da competência linguística e comunicativa dos alunos com o objetivo de assegurar uma comunicação eficaz numa pluralidade de situações sócio-profissionais. Consolidação de estruturas gramaticais e padrões previamente adquiridos. Identificação, crítica, comentário e produção de vários tipos de texto, através do desenvolvimento das capacidades de ouvir, compreender, analisar, discutir e resolver problemas em inglês. Desenvolvimento das capacidades críticas e reflexivas dos alunos, através de uma aprendizagem e gestão autónomas.

A Profilaxia e Epidemiologia projeta-se na aprendizagem e na prática das especialidades clínicas e da saúde pública, para as quais funciona como ciência fundamental. São objetivos do seu ensino criar o interesse por entender porque é que as doenças ocorrem e, quando surgem, porque o fazem sob formas tão variadas, isto é, deixar presente o espírito das interrogações básicas dos estudos epidemiológicos. Pretende-se essencialmente que os alunos adquiram conhecimentos e competências base aplicáveis na caracterização do estado de saúde de uma população, na identificação da etiologia dos problemas de saúde e na elaboração de estratégias de saúde pública.

1. Dar a conhecer as ferramentas básicas indispensáveis para orientação de um leque variado de situações relacionadas com a saúde humana que ocorrem no dia a dia e que devem aprender independentemente do seu campo de actuação. 2. Ensinar as atitudes que deverão saber executar na sua missão de promover a saúde no seu todo, adquirindo nomeadamente as seguintes competências: a ) saber efectuar medidas básicas de socorrismo adequadas às situações emergentes mais usuais; b) reconhecer o material indicado para as diferentes situações; c) desenvolver estratégias de comunicação.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

A Química Analítica é uma ciência aplicada que exige a aprendizagem e desenvolvimento de uma série de princípios, leis e técnicas. É eminentemente uma ciência de medição sendo um instrumento de trabalho indispensável com aplicação em várias áreas de conhecimento, incluindo as relacionadas com as ciências da saúde, sendo inúmeros os exemplos em química clínica, análise farmacêutica, no controlo da qualidade alimentar, no controlo da poluição do ar, solo e água e na saúde e segurança ocupacional. Pretende-se fornecer consistentes bases teóricas e práticas nesta área de conhecimento, sendo abordados conceitos relativos a etapas fundamentais a um procedimento analítico, incerteza associada aos resultados experimentais, equilíbrios em solução (ácido-base, precipitação, oxidação-redução e complexação).

O objectivo da disciplina é o de assegurar aos alunos uma boa preparação em Química Orgânica que lhes permita abordar, com desenvoltura, conteúdos de disciplinas com esta relacionadas, procurando sempre desenvolver nos alunos, o espírito crítico e de análise de problemas. A componente prático-laboratorial destina-se a introduzir os alunos à síntese orgânica.

A unidade curricular visa o estudo dos principais processos metabólicos, assim como do relacionamento entre os órgãos envolvidos na manutenção do equilíbrio metabólico. É importante que os alunos assimilem os aspetos fundamentais da Bioquímica, e aprofundem os domínios particulares do metabolismo das principais biomoléculas e da bioquímica e fisiologia do sistema endócrino. Simultaneamente, pretendem-se introduzir algumas situações clínicas relacionadas com alterações nas vias metabólicas estudadas ou no sistema endócrino.

1. Facultar ao aluno oportunidade para desenvolver os seus conhecimentos sobre o modo como a Genética explica: a) fenómenos da hereditariedade dos organismos e das células que os constituem; b) relação dos fenómenos genéticos e epigenéticos com a fisiologia celular; c) utilidade das técnicas genéticas para o diagnóstico de doenças hereditárias, de fatores de risco genético, de doenças genéticas de células somáticas, de doenças infecciosas. 2. Desenvolver capacidades técnico-laboratoriais, com aplicação em laboratórios de análises clínicas.

Reconhecer aspetos gerais dos fármacos de origem natural, em particular os provenientes do Reino Vegetal, com interesse para a terapêutica ou para a produção dos medicamentos. 2. Validar produtos de saúde como medicamentos à base de plantas medicinais à luz da Legislação actual. 3. Reconhecer aspetos gerais das principais espécies vegetais usadas em Fitoterapia, agrupando-as de acordo com os seus constituintes activos principais e/ou a sua aplicação na terapia de diferentes situações clínicas. 4. Aconselhar o doente na utilização de medicamentos ou produtos à base de plantas medicinais. 5. Avaliar a sua qualidade, eficácia e segurança. 6. Elaborar e/ou reconhecer a aplicação clínica de preparações contendo plantas medicinais.

Os procedimentos analíticos atualmente usados nas ciências da saúde, química alimentar, ciências ambientais e em numerosas áreas industriais, têm por base os métodos instrumentais de análise. De facto, a determinação de espécies pelos métodos químicos tradicionais, tornou-se menos importantes porque lhes falta seletividade, sensibilidade, são demorados e a sua precisão é facilmente alterada.O objetivo desta unidade curricular é descrever algumas das metodologias analíticas que hoje em dia têm maior utilização, de um modo conciso, simples e preciso, transmitindo aos alunos os conhecimentos essenciais para o uso e manipulação corretos destes equipamentos em laboratório.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

A Química Analítica é uma ciência aplicada, dirigida essencialmente à análise química quantitativa, cuja prática exige um sólido conhecimento de um conjunto de princípios teóricos. Há inúmeros exemplos de técnicas analíticas em química clínica, na indústria farmacêutica, no controlo da qualidade alimentar, no controlo da poluição do ar, solo e água, na saúde e segurança ocupacional.Considerando as competências adquiridas em Química Analítica I, em Química Analítica II serão abordados os principais métodos clássicos de análise quantitativa, a análise volumétrica.

 

O programa teórico tem por objetivo dar aos alunos uma formação teórica na área da hematopoiese e fisiopatologia das diferentes células sanguíneas, assim como formação teórica na avaliação de um doente hematológico e abordagem de diferentes métodos de diagnóstico, procurando dar ênfase às técnicas utilizadas por rotina num Laboratório de Hematologia. O programa prático e laboratorial, em estreita ligação com o programa teórico, pretende preparar os alunos para a compreensão e execução de um estudo laboratorial hematológico e sua interpretação.

A disciplina de Química Farmacêutica I pretende dotar os alunos de conhecimentos sobre substâncias farmacologicamente activas utilizadas na terapêutica actual. O seu âmbito de aplicação abrange a descoberta, desenho, identificação e síntese de compostos biologicamente ativos, estudo do seu metabolismo, interpretação do seu modo de ação a nível molecular e o estabelecimento de relações estrutura/atividade.As competências a atingir com a frequência da unidade curricular são: conhecer os aspetos teóricos de ligação fármaco-receptor e os fatores que a influenciam.

1. Compreender as bases farmacológicas e distinguir um fármaco de um medicamento. 2. Conhecer o ciclo do medicamento e as etapas para a colocação do fármaco no mercado. 3. Compreender a farmacocinética básica e clínica. 4. Compreender os mecanismos gerais de ação dos fármacos. 5. Perceber os mecanismos pelos quais ocorrem interações medicamentosos entre fármacos, ou entre fármacos e plantas ou alimentos. 6. Saber identificar os fármacos que actuam em cada sistema e o seu grupo farmacoterapêutico. 7. Identificar as reações adversas e compreender o papel do farmacêutico na farmacovigilância. 8. Adquirir competências para analisar experiências de laboratório em farmacologia. 9. Ter capacidade de trabalho autónomo com pesquisa de informação usando fontes de informação de farmacologia.

A disciplina de Química-Física tem como objetivo a promoção do conhecimento das diferentes abordagens quantitativas para o estudo de problemas químicos, recorrendo para isso a modelos e postulados. Adicionalmente, pretende-se aplicar os conhecimentos da química-física ao estudo dos vários sistemas químicos, com destaque para os sistemas biológicos e bioquímicos. Nesta disciplina, incidir-se-á mais na compreensão dos fenómenos físicos do que no desenvolvimento dos modelos matemáticos implícitos, pelo que se dará mais destaque às aplicações nos sistemas químicos e bioquímicos. Nesse sentido, deverão os alunos desenvolver uma mentalidade crítica em relação a diferentes conceitos por forma a valorizar a sua correcta utilização e entendimento, noutros blocos de aprendizagem e no futuro exercício profissional.

 

Estar familiarizado com as terminologias usadas em Farmácia Galénica e Tecnologia Farmacêutica. 2. Saber a definição de Medicamento, a sua composição e formulação, bem como todos os termos relacionados. 3. Conhecer a bibliografia usada em Tecnologia Farmacêutica. 4. Distinguir os diferentes tipos de Formas Farmacêuticas, de acordo com a classificação da Farmacopeia Portuguesa 9. 5. Interpretar a legislação que regula a prescrição e preparação de Medicamentos Manipulados. 6. Distinguir Medicamentos de ação tópica e de ação geral. 7. Identificar as diferentes vias de administração de Medicamentos e conhecer os conceitos de dosagem e posologia. 8. Saber preencher a Ficha de Preparação de Medicamentos Manipulados. 9. Executar correctamente, ao nível laboratorial, operações farmacêuticas básicas, relacionadas com sólidos e líquidos.

A principal função da Química Clínica laboratorial é a de fornecer informação bioquímica necessária para o estudo do doente. Os testes bioquímicos são usados no diagnóstico, prognóstico, monitorização e despiste de doenças. Toda a informação recolhida terá valor quando obtida com o rigor necessário. Assim, pretende-se com esta disciplina que o aluno consiga compreender, executar e avaliar de forma adequada qualquer determinação bioquímica, de forma a permitir a avaliação correta do estado do doente.

 

UNIDADES CURRICULARES ECTS

O principal objetivo da Bromatologia é o estudo dos alimentos. Pretende-se que o aluno, como futuro farmacêutico, adquira conhecimentos e competências que lhe permitam solucionar problemas essencialmente a nível do controlo da qualidade e da segurança dos produtos alimentares, numa perspetiva terapêutica e relacionada com a promoção da saúde, na área das ciências da saúde.

1. Saber identificar os fármacos que atuam em cada sistema e o seu grupo farmacoterapêutico. 2. Identificar as reações adversas e compreender o papel do farmacêutico na farmacovigilância. 3. Identificar interações medicamentosas dos principais grupos de fármacos. 4. Adquirir competências para analisar experiências de laboratório em farmacologia. 5. Adquirir competências para analisar artigos científicos versando experiências laboratoriais de farmacologia. 6. Ter capacidade de trabalho autónomo com pesquisa de informação usando fontes de informação de farmacologia.

A unidade curricular de Química Farmacêutica II apresenta uma vertente multidisciplinar que assenta na aplicação de princípios da Química (ex. síntese orgânica, analítica, teórica e/ou química-física) ao estudo de substâncias biologicamente ativas, incluindo fármacos, produtos naturais, toxinas e drogas de abuso. A unidade curricular de Química Farmacêutica II, a qual sucede à unidade curricular de Química Farmacêutica I, pretende dotar os alunos de conhecimentos sobre substâncias farmacologicamente ativas utilizadas na terapêutica atual. O seu principal objetivo é o estudo das estruturas químicas, métodos de obtenção, relações estrutura-atividade, metabolismo e aplicações de diversos grupos de fármacos.

Os discentes devem adquirir as seguintes competências: a) compreender os grupos químicos precursores de um grande número de fármacos quimioterápicos (antibacterianos, antifúngicos, antivirais, antineoplásicos) e anti-hipertensores; b) compreender os princípios gerais da sua relação

O objetivo desta unidade curricular é dotar os alunos de conhecimentos sobre os parâmetros da avaliação de risco dos xenobióticos, a importância da toxicocinética e dos fatores que a condicionam na atividade biológica dos xenobióticos, os principais mecanismos de toxicidade dos xenobióticos nos sistemas vivos e os ensaios in vivo e in vitro empregues na avaliação da toxicidade de fármacos e outros agentes tóxicos. Pretende-se que o aluno desenvolva o espírito crítico e reflexivo e adquira competências que permitam a atualização e o progresso no domínio científico e sua aplicação prática. Na componente prática-laboratorial pretende-se que o aluno desenvolva a capacidade de trabalho em equipa, o espírito científico e crítico e a destreza na execução e discussão dos protocolos laboratoriais.

1. Identificar as caraterísticas estruturais dos organismos eucariotas e procariotas. 2. Identificar os fatores que influenciam o crescimento dos microorganismos. 3. Vírus. 4. Princípios de genética microbiana. 5. Identificar e descrever os mecanismos de infeção. 6. Antimicrobianos.

O objetivo desta unidade curricular é dotar os estudantes dos conhecimentos básicos e específicos que permitem adquirir a competências e aptidões de formular, preparar, controlar as formulações do receituário clínico, permitindo-lhes assumir responsabilidade industrial no que respeita à preparação e ao controlo da qualidade de formas farmacêuticas sólidas (i.e. pós medicamentosos, granulados, cápsulas, comprimidos, formas farmacêuticas sólidas revestidas e especiais).

Conhecimentos: a) proporcionar compreensão dos mecanismos da resposta imunológica, à agressão exógena e endógena; b) conhecimento dos órgãos do sistema Imunológico (SI), sua anatomia e principais constituintes celulares; c) conhecimento dos principais componentes humorais do SI, sua estrutura molecular, função e mecanismo de ação; d) compreensão dos mecanismos imunológicos de proteção à infecção; e) compreensão das imunodeficiências, hipersensibilidades, autoimunidades, e da ação do SI em tumores e transplantes; f) compreender as principais formas de imunização e imunossupressão; g) compreender as estratégias de manipulação terapêutica da resposta imunológica. 2. Compreender os principais métodos analíticos para estudo do SI bem como os métodos que utilizam células ou componentes do SI para análises laboratoriais. 3. Competências e Aptidões: a) proporcionar as competências práticas para desenhar, executar, interpretar e validar resultados laboratoriais na área da Imunologia clínica e da investigação científica.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Aquisição de competências que permitam reconhecer aspetos gerais das doenças infeciosas de origem bacteriana, o seu modo de disseminação, controlo, profilaxia, diagnóstico laboratorial e tratamento. Será dada particular relevância às infeções bacterianas emergentes e aos grupos bacterianos que exibem resistência a múltiplos antibióticos, abordando-se também as novas moléculas do armamentário terapêutico.

1. Identificar os constituintes dos alimentos, nutricionais e não nutricionais e suas funções. 2. Compreender e comentar a importância da alimentação/nutrição como parte integrante da promoção de saúde e prevenção da doença. 3. Reconhecer as diferentes necessidades e restrições nutricionais/alimentares em função da fase no ciclo de vida e na doença.

O objetivo desta disciplina é o estudo dos efeitos e mecanismos de toxicidade de fármacos e outros agentes tóxicos. Pretende-se que o aluno seja capaz de apreender a utilidade das análises laboratoriais em Toxicologia e de integrar e aplicar, na sua futura atividade profissional, os conhecimentos adquiridos nesta disciplina. Os alunos irão conhecer a resposta tóxica a nível subcelular, celular, tecidular e do órgão, os efeitos da toxicidade que se observa em órgãos e sistemas específicos, e os fenómenos tóxicos associados a grupos específicos de agentes químicos.

1.Adquirir competências para a formulação, preparação e controlo de qualidade de preparações farmacêuticas líquidas ao nível industrial,  assim como análise, preparação e controlo das formulações do receituário clínico, no que respeita aos sistemas líquidos nomeadamente as soluções, dispersões coloidais, suspensões, emulsões. 2. Conhecer o modo de funcionamento das vias de administração das preparações líquidas e relacionar com outras vias de administração. 3. Identificar as matérias-primas mais utilizadas na preparação de formas farmacêuticas líquidas. 4. Analisar formulações de preparações líquidas: identificar todos os componentes e conhecer a sua função, indicações, modo de preparação laboratorial e industrial e respetivo controlo de qualidade. 5. Formular preparações líquidas simples com vista a uma determinada ação e via de administração. 6. Avaliar a estabilidade dos medicamentos e determinar o seu prazo de validade.

O objectivo da presente unidade curricular é fazer com que os alunos adquiram competências que lhes permitam reconhecer aspectos gerais das doenças infecciosas de origem parasitária e fúngica, o seu modo de disseminação, diagnóstico, controlo, profilaxia e tratamento. O aluno deverá ainda ser capaz de recolher e manipular as amostras clínicas e executar corretamente o diagnóstico laboratorial das infecções.

Esta unidade curricular pretende fornecer aos alunos instrumentos e métodos de reflexão ética sobre questões emergentes e persistentes que se colocam no exercício das diferentes profissões na área das Ciências da Saúde. Os instrumentos e métodos de reflexão ética serão aplicados aos conhecimentos adquiridos sobre as várias temáticas assinaladas nos conteúdos. Pretende-se que os alunos se familiarizem com o método deliberativo e com a reflexão (bio)ética a partir de textos literários narrativos, filmes e documentários, textos jornalísticos, informação válida veiculada por meios digitais.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1. Conhecer o modo de funcionamento das vias de administração das preparações semissólidas, com particular incidência sobre a pele, e relacionar com outras vias de administração. 2. identificar as matérias-primas mais utilizadas na preparação de formas farmacêuticas semissólidas, adesivos transdérmicos, formas retais e vaginais. 3. Analisar formulações de preparações semissólidas, formas retais e vaginais: identificar todos os componentes e conhecer a sua função, indicações, modo de preparação laboratorial e industrial e respetivo controlo de qualidade. 4. Formular preparações semisólidas simples com vista a uma determinada ação e via de administração. 5. Saber distinguir as administrações dérmica e transdérmica. 6. Conhecer as características das moléculas para serem administradas por via transdérmica. 7. Conhecer a composição dos diferentes tipos de adesivos transdérmicos.

 

1.A unidade curricular pretende promover a aquisição de conhecimentos sobre os modelos de Farmacovigilância e o Sistema Nacional de Farmacovigilância. 2. Pretende-se ainda abordar a iatrogenia medicamentosa e os mecanismos gerais responsáveis pela indução de reações adversas, bem como abordar o papel do Farmacêutico como agente de promoção da saúde: dispensa de medicamentos com receituário ou aconselhamento farmacêutico no caso de medicamentos não sujeitos a receita médica.

Revisão e discussão atual do conhecimento em Virologia, com particular ênfase na sua importância para o desenvolvimento das competências dos profissionais de Saúde, versando diferentes áreas de atuação, como o diagnóstico clínico e laboratorial, tratamento, prevenção e controlo, e pesquisa bibliográfica corretamente fundamentada. Os alunos deverão ser capazes de reconhecer os sinais e sintomas das doenças, a sua forma de disseminação e a epidemiologia dado terem de ser capazes também de intervir a nível da Saúde Pública e no sentido incluindo a educação para a saúde. No caso específico das Ciências Farmacêuticas será dado um particular ênfase à fundamentação biológica das estratégias preventivas e de tratamento de infeções virais como são o caso dos antivirais e das vacinas.

1.Interpretar a vasta legislação aplicada aos medicamentos e aos aditivos de uso veterinário. 2. Identificação dos principais problemas associados ao uso de aditivos na produção animal e os mecanismos e metodologias de controlo do uso de aditivos. 3. Identificação de alternativas modernas para promover o crescimento nos animais de produção. 4. Reconhecimento dos principais fármacos, formas farmacêuticas e produtos específicas usados na terapia veterinária, bem como as suas características e modo de ação. 5. Reconhecer os fatores suscetíveis de modificar a resposta farmacológica nas diferentes espécies animais. 6. Identificação e intervenção farmacêutica nas principais zoonoses. Desta forma, os alunos estarão capacitados para aconselhar e dispensar os principais tipos de medicamentos e produtos para uso veterinário

Trata do conhecimento resposta patológica do organismo humano aos diversos mecanismos de agressão célula e da resposta patológica que caracteriza o estado de doença. Assim, procura-se proporcionar aos alunos uma melhor compreensão das relações dinâmicas com os aspetos clínicos e o desenvolvimento do raciocínio clínico dentro da área.

A Biotecnologia Industrial Farmacêutica tem como principal objetivo o estudo dos processos tecnológicos necessários à produção, fabrico e registo dos produtos biofarmacêuticos. A aplicação de métodos biotecnológicos em terapia celular e genética, bem como o conhecimento de diferentes tipos de biomateriais devem também ser abordados no contexto da Biotecnologia Farmacêutica. No final da Unidade Curricular (UC) o aluno deverá: a) conhecer o conceito de Biotecnologia; b) distinguir as diversas áreas de aplicação da Biotecnologia, dando especial ênfase à Biotecnologia Industrial Farmacêutica; c) identificar os diferentes produtos biofarmacêuticos, bem como as suas potenciais vias de administração e respetivos sistemas de libertação; d) adquirir conhecimentos sobre terapia celular e genética, testes genéticos, farmacogenética e farmacogenómica; e) possuir um conhecimento global acerca dos biomateriais utilizados em medicina; f) conhecer a regulamentação e a bioética da Biotecnologia.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

1.Pretende-se que os estudantes adquirem conhecimentos básicos e específicos, competências e aptidões para formular, preparar, controlar as formulações receituário clínico, permitindo-lhes assumir responsabilidade industrial no que respeita à preparação e controlo de qualidade de preparações oftálmicas, nasais, auriculares, pulmonares e injetáveis. 2. Competências: a) conhecer o modo de funcionamento das vias de administração das preparações oftálmicas, nasais, pulmonares, auriculares e parenterais; b)identificar as matérias-primas mais utilizadas na preparação de formas farmacêuticas para aplicação oftálmica, nasal, pulmonar, auricular e parenteral; c) analisar formulações de preparações para aplicação oftálmica, nasal, auricular, pulmonar e parenteral: identificar os componentes e conhecer a sua função, indicações, modo de preparação laboratorial e industrial e respetivo controlo de qualidade; d) formular preparações simples com vista a uma determinada ação e via de administração.

A presente unidade curricular tem como objectivo descrever de forma integrada a etiologia, a patogénese e o diagnóstico das infeções que atingem diferentes locais anatómicos do Homem. Assim, pretende-se a aquisição e/ou melhoria de competências no que se refere às doenças infeciosas de origem bacteriana, fúngica, vírica e/ou parasitária com relevância clínica para o Homem, nomeadamente à sua etiologia, patogénese, diagnóstico (incluindo a adequada colheita e processamento de amostras clínicas para o seu diagnóstico laboratorial), prevenção e tratamento. Será dada particular relevância a infeções emergentes e aos grupos microbianos que exibem resistência a múltiplos antibióticos, abordando-se também as novas moléculas do armamentário terapêutico.

Conhecimento da terapêutica das patologias mais frequentes. Acompanhar o tratamento de sintomas comuns na prática clínica. Conhecer sinais de alarme associados a estes sintomas.

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Tendo em conta o grande desenvolvimento de novos sistemas terapêuticos dos últimos anos, esta Unidade Curricular (UC) tem como objectivo fornecer aos alunos conhecimentos fundamentais relativos às novas formas farmacêuticas para administração de fármacos. No final da UC o aluno deverá: – Compreender as limitações das formas farmacêuticas convencionais. – Perceber a necessidade de desenvolver estratégias para promover a biodisponibilidade dos fármacos. – Distinguir os diferentes tipos de formas e estratégias de libertação modificada. – Conhecer vários sistemas de encapsulação de substâncias activas.- Identificar e caracterizar diferentes sistemas coloidais: Lipossomas; Micelas; Nanoemulsões; Nanopartículas Poliméricas, Lipídicas, Proteicas e Metálicas; Nanocristais de fármaco; Dendrimeros e Fulerenos.  – Conhecer as vantagens e limitações dos novos sistemas terapêuticos para aplicação clínica. – Desenvolver capacidades de preparação laboratorial das referidas formas farmacêuticas.

Conhecer as principais vias de administração dos produtos: pele e seus anexos cutâneos, e cabelo.- Identificar os excipientes mais utilizados na preparação de formas farmacêuticas semissólidas e líquidas;- Identificar as principais afeções dermatológicas e conhecer as substâncias ativas usadas no seu tratamento; – Analisar formulações de preparações dermofarmacêuticas e de produtos cosméticos: identificar todos os componentes e conhecer a sua função, indicações, modo de preparação laboratorial e industrial e respetivo controlo de qualidade; – Formular preparações dermofarmacêuticas e cosméticos simples com vista a uma determinada ação e via de administração; – Conhecer a legislação que regulamenta os cosméticos e produtos de higiene corporal.

Prover o estudante de destreza na estruturação da sua dissertação. O estudante será orientado na pesquisa bibliográfica atendendo a diversos fatores, como índices de impacto das revistas e número de citações das fontes. Será realçada a importância da exposição oral e da apresentação em forma de painel dos trabalhos científicos. Adicionalmente, o estudante familiarizar-se-á com ferramentas digitais essenciais na escrita da dissertação, tal como o Endnote e o SPSS (“Statistical Package for the Social Sciences”), que permitem respetivamente a adição automática das fontes bibliográficas no texto e no tratamento estatístico de dados. No final da UC, o estudante deverá ser capaz de: – Conhecer o modo de funcionamento das ferramentas digitais essenciais na escrita da dissertação; – Conhecer e procurar as fontes de informações necessárias para a elaboração da dissertação;  – Elaborar e defender publicamente a dissertação de mestrado.

 

UNIDADES CURRICULARES ECTS

Aprofundar conhecimentos teóricos e práticos específicos em ambiente real de exercício profissional;Desenvolver uma visão integrada do exercício profissional farmacêutico, tomando conhecimento de todas as atividades que constituem o Ato Farmacêutico; Desenvolver uma atitude profissional face ao utente, outros profissionais de saúde e a todas as restantes pessoas com quem contacta no ambiente de trabalho.

* A conclusão com aproveitamento de todas as unidades curriculares e a aprovação em 300 ECTS confere o grau de mestre. É conferido o grau de licenciado em Farmácia após seis semestres e aprovação em 180 ECTS. 
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE (ensino universitário)

COORDENAÇÃO DO CURSO

Prof. Doutor João Carlos Sousa  •  Prof. Doutor Pedro Barata

Envie o formulário para ser contactado pela coordenação do curso



CandidatoProfissionalOutro


PortugalPaís UEOutro País














INTERCÂMBIO / ESTUDAR NO ESTRANGEIRO

Os alunos da Universidade Fernando Pessoa (UFP) que cumpram os critérios de elegibilidade dispõem da possibilidade de realizar períodos de estudo e/ou de estágio em mobilidade internacional.

Os períodos de estudo em mobilidade internacional de estudantes são realizados em instituições de ensino superior fora de Portugal, com as quais a UFP mantém acordos de intercâmbio de estudantes, ao abrigo do Programa Erasmus+ (no espaço Europeu) ou de outros acordos bilaterais de intercâmbio existentes.

Informação sobre programas de mobilidade/intercâmbio estão disponíveis através do Gabinete de Relações Internacionais (ligação).

CANDIDATURAS E TAXAS ESCOLARES

1.ª FASE* (REGIME GERAL E UNIÃO EUROPEIA)
CANDIDATURAS: 01 MAI – 14 AGO 2018
AFIXAÇÃO DOS RESULTADOS: 17 AGO 2018
MATRÍCULAS: 20 AGO – 07 SET 2018

2.ª FASE* (REGIME GERAL E UNIÃO EUROPEIA – VAGAS EVENTUALMENTE SOBRANTES**)
CANDIDATURAS: 11 – 18 SET 2018
AFIXAÇÃO DOS RESULTADOS: 20 SET 2018
MATRÍCULAS: 20 SET – 26 SET 2018

RECEÇÃO AOS NOVOS ALUNOS E INÍCIO DO ANO LETIVO:  17 SET. 2018

* Não dispensa a consulta do Cronograma de Ingresso (PDF)
** O Mestrado Integrado em Medicina Dentária não dispõe de vagas para candidaturas de 2ª fase 2018/19

VER TAXAS

VISITE O CAMPUS UNIVERSITÁRIO

Venha conhecer a Universidade Fernando Pessoa. Visite as bibliotecas, laboratórios e espaços do campus UFP.
Desfrute dos espaços verdes e tire uma foto ao pé da estátua do nosso Patrono, Fernando Pessoa.



CandidatoProfissionalOutro


PortugalPaís UEOutro País








  • ANTIGOS ALUNOS

    A Antiga Aluna Ana Cruz, desenvolve a sua atividade profissional no Departamento Técnico e de Formação do Ales Groupe Portugal, e é docente na Pós-Graduação em Dermatocosmetologia: da Saúde à Beleza na CESPU.

     

    (WWW.LIERAC.CA)